Bloco de Esquerda – do padeiro à aspirina

O Zé Guilherme, num artigo no Esquerda.net, preocupa-se com o “exército de comentadores políticos” que tem afirmado que o “Bloco está encurralado com o seu apoio à candidatura de Manuel Alegre” concluindo que o que estes, o Governo e a Direita, queriam era uma esquerda “metidinha no seu canto”, “segura, isolada e absolutamente inofensiva” – referindo-se de uma forma indirecta ao PCP. O Zé define a candidatura de Alegre como anti-liberal (chapéu de chuva gigante que pode acolher os fachos do PNR, Portas e até Cavaco – nos dias em que discursa nas misericórdias ou lares de idosos) e este parece-me ser um avanço significativo na definição política do BE.

O BE abdicou do anti-capitalismo, ou seja, abdicou da luta pela superação do capitalismo.

Isto não é afirmado tal como o coloco, por taticismo, para manter algumas franjas do seu eleitorado ou por marketing politico, mas é a lógica fundamental que o faz dar o braço ao PS e à sua sebastiânica ala esquerda, cortando qualquer ponto de contacto com outras forças de esquerda. Porque isto é fundamental que seja escrito. Num momento em que a crise demonstrou as vulnerabilidades da sociedade capitalista um pouco por todo o mundo e, ao contrário do que sucedeu nalguns países em que os blocos anti-capitalistas trabalharam e convergiram, o Bloco escolheu apoiar Alegre, estar ao lado dos militantes do PS no movimento sindical, nas ordens profissionais ou nas associações de estudantes. Pode-se ecoar repetidamente a lenga-lenga sobre o sectarismo do PCP, mas enumere-se uma acção unitária de convergência com as forças que estão à sua esquerda, promovida por este simpático Bloco.

O Bloco de Esquerda, em poucos anos, ficou farto de ser padeiro e quer ser a aspirina do sistema.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

25 respostas a Bloco de Esquerda – do padeiro à aspirina

  1. “O BE abdicou do anti-capitalismo, ou seja, abdicou da luta pela superação do capitalismo.”

    O BE apoia Alegre por táctica e não estratégia. Por isso é extremamente redutor afirmar k o partido capitulou aos anjos do capital.

  2. Rui F diz:

    Tiago

    O que o Zé Guilherme devia dizer sem qualquer rodeio é que a candidatura do PCP é uma espécie de CDSisação: a coisa em bicos de pés.
    O PC tem todo o direito e legitimidade de apresentar a sua candidatura. Aliás, nem seria do PCP não apresentar algo que fosse. Agora já marreco, sozinho e cada vez mais em bicos de pés e voz rouca, continua a valer exactamente o mesmo, excepto só alguma esquerda bicuda ainda os levar a sério.

    Você, meter o Portas e o PNR no saco do Alegre, é tão desonesto como dizer que o PCP não comunga dessa democracia livre que é a Coreia do Norte.

    Digo-lhe mais Tiago, se alguma vez o Bloco deixar de ser Livremente e Democraticamente Socialista, eu saio e deixo de ser aderente.
    Se este Bloco adoptar como modelo económico o capitalismo de Estado que o PCP e outros querem, dou é logo de frosques. Sem espinhas. No meu pensamento mando eu.

    Sou até da opinião: quem está mal no bloco que se mude.
    Como diz o outro, Socialismo só pode ser em democracia e em Liberdade.

    Mas quem sou, pergunta você e com razão.
    Sou um militante de base. Nada mais.

  3. Portela Menos 1 diz:

    Bom esforço TMS… o Chico estava mesmo a precisar de umas bacoradas acerca de sectarismo!

    “Pode-se ecoar repetidamente a lenga-lenga sobre o sectarismo do PCP” … classificar como lenga-lenga a verdade, só pode ser do domínio do ilusionismo (que agora até está na moda).

  4. LAM diz:

    Tiago, pois a questão, não só sua como a de Vitor Dias a propósito de Rui Tavares, é que, (como bem diz “Isto não é afirmado tal como o coloco”) se põe a tirar conclusões de uma coisa que nunca é expressa no texto nem nada lá está que o induza. Daí a, voando baixinho, dizer que “é a lógica fundamental que o faz dar o braço ao PS” e “cortando qualquer ponto de contacto com outras forças de esquerda” (há mais alguma esquerda aberta a pontos de contacto? qual? que “acções unitárias de convergência” tem dado essa tal esquerda? vai nesse sentido a apresentação da candidatura do camarada “operário”? ou não vai num nem noutro sentido antes pelo contrário?). Isto, como digo, voando baixinho. Acho que, com um bocado de jeito, quando alguém do BE disser “está muito calor”, se pode inferir que é uma piscadela de olho aos jovens do PSD que estão na praia a comer bolas de berlim. Já esteve mais longe.

  5. Rui F diz:

    LAM

    cirurgico

    Abraço

  6. Leo diz:

    Eu percebo o incómodo que dá que o PCP tenha escolhido como candidato à Presidência da República o Francisco Lopes. Um dirigente do PCP muito sério, muito estudioso, muito trabalhador e que – oxalá haja muitos debates nas TV’s – vai provar ser o candidato que está melhor preparado.

    Porque o Francisco Lopes conhece em profundidade a realidade política, económica e social de todo o país.

    E porque está melhor preparado do que qualquer outro para defender e respeitar não só a nossa querida Constituição, como para defender os interesses da grande maioria dos portugueses.

  7. Antónimo diz:

    LAM,

    A forma como se organizaram os congressos da esquerda e os convites à participação (com BE e Alegre) e o arrastão das agressões a Vital Moreira propaladas no 1º de Maio pela linha social-democrata do BE tornam clarinho como água que o BE não procura pontes nenhumas com o PCP – antes procura tirar desforço em todas as oportunidades.

    A primeira vez que aquilo que o Rafael Fortes diz mais acima me pareceu claro foi na sequência de intervenções do NRA, que andou nos dois lados da esquerda portuguesa.

    Certas linhas do BE – que me parecem dominantes – parecem dar-se por satisfeitas com alinhar em soluções governamentais e/ou parlamentares com uma esquerda do PS (que ninguém sabe onde anda), próxima de uma certa ética social. E o PCP é para deixar de fora dessa equação. E é-o sempre nas soluções propostas pelos publicistas social-democratas do BE (aliás, acho que é a única corrente/tendência com peso na comunicação social).

    Mesmo na criação de cenários pela comunicação social, a solução tripartida (uma frente popular PS+BE+PCP, que gostava de ver) nunca é posta em cima da mesa. Alianças à esquerda, sugerem-se entre o PS e o BE.

    Agora, também acho que o PCP não procura pontes que não possa de enquadrar em termos de confiança política (e esse enquadramento, nalguns casos é de abraço de urso)

  8. augusto diz:

    Acho que aspirina do sistema cai que nem uma luva ao PCP.

    Alianças nas autarquias com a direita mesmo a mais trauliteira….

    Presença em vários governos com o PSD o PS , mesmo após o golpe contra revolucionário do 25 de Novembro.

    Apoio á reeleição de Eanes o homem do 25 de Novembro.

    Diz-se contra a Nato , mas acusava de PROVOCADORES, quem se atrevia há uns anos, a convocar manifestações , contra a presença de navios de guerra da Nato no Tejo.

    Dominio ferreo sobre a CGTP, não vá alguma greve descambar em algo que não possa ser controlado, por isso as Greves Gerais têm só servido para marcar calendário.

    Mas o que esperar do partido da Revolução Democrática e Nacional.

    Do partido da Unidade de Todos os Portugueses Honrados.

    Do partido com telhados ( há desculpem parece que é paredes) de vidro.l

    Do partido do candidato da “esquerda” PATRÓTICA ( como dizia ontem o Jerónimo de Sousa ) …por que não NACIONALISTA.

    Aspirina …..há por aqui alguém que precisa de Sais de Fruto, porque desde que há dez anos o Bloco de Esquerda surgiu, que andam com azia…..

  9. Leo diz:

    “Agora, também acho que o PCP não procura pontes que não possa de enquadrar em termos de confiança política”, traduzido por miúdos, o PCP não passa cheques em branco. Claro que não. Era só o que faltava. O PCP é sensato.

  10. João Valente Aguiar diz:

    Tiago,

    Não penso ser verdade que o Bloco tenha abdicado do anti-capitalismo. Independentemente das posições sobre o BE, na realidade o Bloco nunca foi anti-capitalista. Talvez anti-liberal ou, no máximo, anti-neoliberal, mto dificilmente anti-capitalista.

    Abraço

  11. Rui F diz:

    Antónimo

    Esqueceu-se de um convidado de peso à Esquerda. Segundo deixa transparecer no PCP, é um assunto que micose, Manuel Carvalho da Silva, este fervoroso Social-democrata!
    Carvalho da Silva deixou de ser ponte? Passou a ser um(a) (en)trave?

    Parece óbvio, que sempre que surge uma ponte dentro do PCP, alguém se encarrega da dinamitar.

  12. Abílio Rosa diz:

    Não é preciso ser muito perspicaz para concluirmos que só existe um candidato da esquerda.

    Esse candidato é o Francisco Lopes. Um candidato coerente, consequente e com futuro.

    Todos os outros, incluindo o Cavaco, são passado e quase todos eles foram e são responsáveis pela desgraça em que o país está mergulhado.

    O que é que o Cavaco ou Manuel Alegre – candidatos do centrão! – têm para oferecer ao país?

    Como é que os portugueses vão escolher protogonistas politicos tipo dinossauros e que quando sairem já devem ter 80 anos?

  13. Leo diz:

    Francamente, Rui F, anda a sonhar com dinamite. Para si o Comité Central do PCP tem que se limitar a acatar os seus desejos? Olhe, cresça!

  14. Tiago Mota Saraiva diz:

    Rui F., o seu comentário “de base” é um excelente exemplo de sectarismo. O Rui F. até faz uma outra coisa interessante que é pegar em alguns substantivos de uma frase minha para criticar algo que não escrevi. Alegre, Portas, Cavaco ou o PNR não são a mesma coisa, não o afirmo. O que digo é que podem sentir-se anti-liberais, enorme guarda-chuva que serve para tudo.

  15. Tiago Mota Saraiva diz:

    LAM, subscrevo o comentário do Antónimo.

  16. Tiago Mota Saraiva diz:

    João,

    O BE surge a partir de formações políticas como o PSR ou a UDP que, apesar de todas as críticas que se lhes possa fazer, tinham conteúdos políticos anti-capitalistas. E isso sentia-se na sua intervenção política.

    Abraço

  17. Rui F diz:

    Tiago

    Sectarista eu?
    Você e alguns outros é que apostam no desmembramento do Bloco tendo como pano de fundo uma minoria de pessoas e de ideias.

    Já agora Tiago

    O BE surge dessas formações políticas que referiu. Certo.
    Só que hoje o Bloco de Esquerda vale muitíssimo mais do que o somatório dessas forças. Hoje o Bloco é uma força de ideias à esquerda, quer você queira ou não.

  18. Leo diz:

    Força de ideias à esquerda? Dividir, intrigar, avacalhar, são ideias de esquerda? Ganhe juízo. O negócio da velhada foi sempre dividir. deitaram mão a tudo – desinformar, mentir, manipular -. Eu não confundo os jovens, os votantes, com a velhada, estes não prestam mesmo. Mais de 30 anos de prática divisionista comprovam.

  19. João Valente Aguiar diz:

    Tiago,

    isso era antes do BE, não “o” BE propriamente dito. De resto, totalmente de acordo com o texto.

    Abraço

  20. LAM diz:

    Tiago: “LAM, subscrevo o comentário do Antónimo”.

    inclusivamente a última frase em que ele resume e aponta a circunstância desse afastamento? “(Agora, também acho que o PCP não procura pontes que não possa de enquadrar em termos de confiança política (e esse enquadramento, nalguns casos é de abraço de urso)”.

  21. Tiago Mota Saraiva diz:

    LAM, inclusivamente a última frase – e não a sua consideração sobre ela.

  22. Orlando diz:

    Refiro desde já que engoli um sapo, mas refiro também que outros não torno a engolir, só como aquilo que gosto e como existem candidatos que se dizem de esquerda, mas que não passam de uns “caçadores” de votos de coutadas, tenho a dizer que de todos o meu voto vai direitinho pro electricista, pelo menos sei que o Xico luta por ideais. Tenho pena que o BE tenha chegado a este estado. Vai ser engraçado ver o Sócrates e o Louça no palanque a apoiarem o “caçador”.

  23. Rui F diz:

    Leo

    isso é o PCP…perdeu praticamente um milhão de simpatizantes (votos). Lembra-se?

  24. Rui F diz:

    Uma das poucas pontes que podia haver no PCP é o Carvalho da Silva, que por acaso apoia António Costa, que por acaso é Socialista Liberal.

    Grande confusão para o PCP…vai daí, mete-se o Chico Lopes a fazer “patrióticas pontes”.
    Vai um paracetamol?

  25. Leo diz:

    O mais ridículo é que estes gajos encostaram-se ao candidato do PS e ainda por cima queriam influenciar a escolha do deputado do PCP! Há gente que não se enxerga mesmo! Deixam que o Louçã lhes capture a escolha do candidato presidencial e depois mandam vir contra o PCP.

    Se estão chateados, peçam responsabilidades ao Louçã que já em Junho do ano passado, dava entrevistas a apoiar uma eventual candidatura do Alegre!

    Quanto ao PCP metam de vez na cabeça que é um partido autónomo e soberano.

Os comentários estão fechados.