Não troco uma luta justa por uma manifestação contra o Irão

Ler a Inês de Medeiros ou a f. no Jugular, é reconfortante. É bom saber que andamos a ser bem lidos. O argumento é só um. Ashtiani, Ashtiani, Ashtiani. “Ao seu lado e não por ela” dirão outros mais respeitáveis, mas com semelhante desacerto. A esquerda democrática parece ter encontrado as suas teses de Abril: Sakineh, Sakineh, Sakineh. Esgotados os argumentos no campo da inteligência, sim, porque esta gente toda não deve nada, mas mesmo nada, à inteligência, sobra o campo emocional para garantir que hoje mais dos dez amigos do Arrastão, do Jugular e do Bloco de Esquerda aparecem no Largo de Camões. Desenganem-se. Serão menos do que as pessoas que estarão a beber uma ginginha na tasca da Catarina.

O argumento emocional, ao qual se remeteram repetindo à exaustão Ashtiani, Ashtiani, Ashtiani ou Sakineh, Sakineh, Sakineh, pode até vir a levar bons samaritanos a terreiro mas não serve para ocultar o óbvio: a irresponsabilidade e a falta de razão. De repente perceberam que hoje vão servir de cavalgadura, mas não têm a coragem de enfrentar o espectro da fúria de um qualquer dedo em riste que os venha a acusar de cumplicidade. Tentam convencer-se à exaustão que a repetição do nome de Sakineh Ashtiani os absolve de qualquer acusação, e respondem com o seu dedo na cara de quem tão “eticamente” os alertou. Não devem alimentar a menor ilusão.

Daqui a pouco, quem se dirigir ao Camões, estará a ser pior que cúmplice. Quem para  justificar a armadilha em que caiu acaba a ceder à chantagem com sofrimento dos outros, faz por merecer outros epítetos mais violentos. A acusação de indulgência ante a República Islâmica do Irão é antes de mais uma auto-crítica de quem em boa hora percebeu que embarcou na campanha montada pelos interesses sionistas e norte-americanos. Estamos todos a tempo de dizer que não trocamos a justa luta contra a lapidação por uma manifestação contra o Irão, que como ficou claro aqui e aqui, a única coisa que pode apressar, é a chuva de fósforo branco sobre toda a população iraniana. Não o farão em meu nome.

No rescaldo de um debate que não deixou dúvidas nem sobre as consequências de se omitir a esmagadora maioria dos países e dos casos de lapidação nem sobre as intenções desta campanha, sobra uma pergunta feita por um leitor (Leo) cuja resposta tirará o resto das dúvidas: Quem organizou o certame? Quem escolheu as 100 cidades? Quem está a pagar o banquete?

PS: Sérgio Lavos – Fica-lhe bem assumir o erro, ainda que não tire daí qualquer consequência. Fica-lhe mal cavalgar a minha “ética blogosférica” (coisa que não sei bem o que quer dizer) para atacar o escriba do 5dias que muitos desdenham mas ninguém fica sem ler. Isso deve querer dizer tudo.

Largo de Camões

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

36 respostas a Não troco uma luta justa por uma manifestação contra o Irão

  1. Carlos Guedes diz:

    Subscrevo inteiramente as tuas palavras!

  2. anonymous diz:

    What is left of the left?

  3. Renato Teixeira diz:

    anonymous, traduzido à letra? A esquerda da esquerda ou a extrema esquerda. Bem traduzido? Esquerda de longo alcance.

    Carlos, o que fazes hoje? Bebemos um copo na ginginha à tarde? Será que chegam para fazer um cordão humano à tasca da Catarina?

  4. Carlos Guedes diz:

    Hoje à tarde vou estar na praia! E de consciência tranquila!

  5. Renato Teixeira diz:

    Hoje todos os lugares são bons menos o Camões. Nem para beber copos. Nem para rir. Nem para nada.

  6. João Pais diz:

    Epa oh pessoal eu sinceramente acho mal estar aqui a gozar-se com quem luta por coisas tão nobres e assim. É um dever democratico juntar-se as mulheres que sofrem e isto que aqui se faz é muito injusto, porque no fundo vocês nao gostam é das coisas abrangentes… e só porque a embaixada dos Estados Unidos em Lisboa pagou uns panfletos à malta, qual é o mal? E se a comunicação social tiver mais malta que o pessoal da manif qual é o problema? Irra… é que não se pode, com franqueza…
    Tire-me aí uma imperial ó Senhor Jorge!

  7. Renato Teixeira diz:

    Não prefere uma Budweiser que hoje é por conta da Embaixada, excelentíssimo João Pais?

  8. torr esmo diz:

    única coisa que pode apressar, é a chuva de fósforo branco sobre toda a população iraniana….também duvido que seja fósforo, os iranianos não são um iraque enfraquecido por 3 guerras e um embargo, as guerras de propaganda continuarão
    justificar-se-ão outros descaminhos do inexistente direito internacional
    é uma manobra?
    claro que é
    ninguém protesta contra os milhares de pequenos massacres
    soltam-se umas vozinhas quando se torna mais evidente

    condena-se um senhor da guerra em Haia
    para que os restantes possam permanecer no activo

    sempre assim foi, alguém tem de lucrar com a situação

    Não o farão em seu nome, não se preocupe falo-ão( este falo num fica bem mas as guerras são fálicas) em nome de outro

  9. torr esmo diz:

    Foi colocado na fila de moderação e se for aprovado e se não for não se perde nada
    o que é um renato teixeira?

    arquitectura….presumo
    aborto é legal logo… ou arquitecto jornalista

    deve estar algures na net
    Blogues Brasil ciência concursos públicos críse Cuba cultura current.com educação Esquerda EUA Europa futebol greek riot grécia Guerra-ao-terrorismo humor iran irão israel jornalismo liberdade Lisboa Livros luta dos trabalhadores líbano media música new kid in the blog… obama ordem dos arquitectos Palestina parque escolar Política Portugal presidenciais 2010 PS Sociedade Sócrates trapos velhos Vídeo youtube

  10. João Pais diz:

    Não… depois como é que me integrava na populaça para os fazer votar no Alegre?! Isto das aparências também conta… Além do mais uma das regras da USAID (ou como eles gostam de dizer US A I D) é que não se paga alcóol nem mulheres, isso fica à conta dos desacatos nos bares e das violações nos territórios ocupados e/ou bases militares, ou não fosse o exército americano o portador da boa-nova da democracia e respeito pelos direitos em geral e das mulheres em particular como se vê pelo apoio à justa causa da mulher iraniana!

  11. João Cerqueira diz:

    Para a maioria das pessoas civilizadas o facto de um ser humano ser preso, chicoteado e condenado à morte (à pedrada ou a tiro) é motivo de indignação, repulsa, condenação sem reservas.
    É por isso realmente extraordinário, e lamentável, que se tente transformar tal sentimento numa campanha pérfida orquestrada pelos inimigos do Irão.

    É lamentável porque desvaloriza o sofrimento da mulher que foi presa, chicoteada e condenada à morte apenas por ter tido relações íntimas com outros homens que não o marido morto; e porque pretende ainda que os milhares, ou milhões, de pessoas que se irão manifestar, assim como todos que não estarão presentes apenas por morar noutras cidades, não passam de patetas que não sabem distinguir o bem do mal.

  12. Abílio Rosa diz:

    De facto esta «manifestação global» é uma manobra bem urdida da CIA para atacar o Irão, país que nunca nutri qualquer simpatia, por ser reaccionário e teocrático.

    Realmente muitas das pessoas que vão manifestar-se «espontâneamente» estão-se maribando para a sorte dessa mulher ou pela sorte dos milhares de prisioneiros (nos quais se incluem muitos comunistas, progressistas e laicos) na República Islâmica.

    Os «cérebros» dessa «manifestação global» nunca se lembraram de fazer uma manifestação global pela sobrevivência das crianças de Gaza que estão à mercê dos vis sionistas.

    Uma coisa que depreendi nos diversos comentários que aqui e noutros sítios são produzidos é a tentativa misturar religião e politica (internacional, neste caso).

    Assistimos por esse mundo fora ao resurgimento de todo o tipo de fundamentalismo religioso, desde os muçulmanos, cristãos (em especial as seitas norte-americanas evangélicas e judaizantes), judeus, hindús, siks e o diabo a quatro.

    A pretexto destas religiões e crenças sempre houve e continua a haver guerras.

    Estas guerras são aproveitadas pelos actuais «senhores da guerra» mundialistas e que instigam raças contra raças, credos contra credos, com o fim de expandirem os seus negócios de morte e o seu expansionismo militar e económico.

    Com isto quero dizer que devemos dissociar a religião da politica, sob pena daquela prevalecer na actualidade como era usual na Idade Média.

    Para mim, Islão, Sião e a Puta-que-os-Parião, é tudo a mesma merda.
    É atraso. Dominação.Escravidão. Exploração.Negação do Ser Humano.Submissão. Preversão.

    Libertar os povos do Médio Oriente, Ásia, África,etc. destas religiões assassinas deve ser tarefa de todos os progressistas, daqueles que crêm no Progresso e na Humanidade.

    Para mim os bloquistas, os sucialistas, os sionistas e todos os campistas podem ir para o Largo de Camões que para mim é igual ao litro, e digo-vos mais, é tempo perdido.

    É claro que pela noitinha a CNN vai fazer um périplo por todas as capitais e fazer um cagaçal com essas manifestações «espontâneas».

    O Louçã e o Daniel Oliveira não se esqueçam de levarem burka e também não se esqueçam de telefonar ao «diplomático» Embaixador de Israel para juntar-se a eles e até poderão ter oportunidade de comerem um geladinho no Largo de Camões.

    Enfim, há sempre palhaços e idiotas úteis para tudo!

  13. iskra diz:

    Hoje vou estar na Festa do Avante a construí-la.Não querem aparecer por lá?

  14. augusto diz:

    Quem se dirigir ao Camões está a ser pior que cumplice…

    Eis ao que chega a cegueira de alguns apoiantes do PCP….

  15. Leo diz:

    “Não troco uma luta justa por uma manifestação contra o Irão”

    1. A “coisa” por enquanto é mais modesta. Quem se deu à pachorra de consultar o site dos organizadores desse evento deparou-se com esta convocatória:

    Press Conference on the Case of Sakineh Mohammadi Ashtiani,Washington DC

    Posted on August 24, 2010 by enghelaboandishe

    Press Conference on the Case of Sakineh Mohammadi Ashtiani,
    August 26 in Washington DC

    Mina Ahadi, spokesperson for the International Committee Against Stoning and the International Committee Against Execution, and Maria Rohaly, coordinator of Mission Free Iran, will announce to the public on August 26, 2010, in Washington DC, the latest developments in the case of Sakineh Mohammadi Ashtiani and other detainees sentenced to stoning in Iran.
    Also to be made public are the latest news on the international protest action, 100 Cities of the World Against Stoning, and the worldwide statement for that action; the steps taken towards submission of documents to the United Nations in New York by the Campaign to Save Sakineh Ashtiani; and the steps taken to demand that Ahmadinejad be prevented from entering the UN General Assembly session in September 2010.

    The conference will be open to the public.
    Time: 10:00am
    Place: Riggs Alumni Center at the University of Maryland

    2. O objectivo imediato dos organizadores, pelas suas próprias palavras, é prevenir a entrada de Ahmadinejad na Assembleia-Geral da ONU em Setembro de 2010.

  16. paulo diz:

    para a extrema esquerda o valor da vida é sempre uma coisa relativa
    oabilio não gosta do irão, mas gosta menos de quem faz a manifestação
    tem lógica
    socialistas sionistas nem uma palavra para a direita ´so insulta à esquerda
    lindo……….

  17. andre diz:

    Renato a maior parte das vezes só leio para me rir. Isto deve querer dizer quase tudo.

  18. Renato Teixeira diz:

    João Cerqueira responde a quase todas as críticas nesta passagem:

    “Para a maioria das pessoas civilizadas o facto de um ser humano ser preso, chicoteado e condenado à morte (à pedrada ou a tiro) é motivo de indignação, repulsa, condenação sem reservas.
    É por isso realmente extraordinário, e lamentável, que se tente transformar tal sentimento numa campanha pérfida orquestrada pelos inimigos do Irão.”

    É isso mesmo.

    André, lê o CV para se rir? Já pensou que é essa reacção que ele quer na maior parte das vezes? Continue a fazer parte do clube.

    Augusto, começo a dar razão ao AF num comentário que lhe dirigiu recentemente. Não consegue comentar o que quer que seja, do tráfico de carne humana ao aquecimento global sem falar no PCP. Por mim também pode continuar mas se continua a dizer que eu faço parte dos simpatizantes do PCP vou passar a editar essa parte dos seus comentários. É que tenho muita pouca paciência para quem na verdade parece ter perdido a vontade de debater o que quer que seja. Vá, cá colar uns cartazes com a cara do Alegre.

    Paulo, a única corrente que demonstrou atribuir diferente valor à vida nesta matéria foi a social-democracia e a esquerda maionese.

  19. Renato Teixeira diz:

    Leo, antes de mais os meus parabéns. Aqui e no Arrastão (onde o li) foi dos comentadores que mais se esforçou por trazer factos para a discussão, mais do que intenções. Essa estratégia foi determinante para que se desmascarassem as intenções desta manifestação.

    Aqui volta novamente a fazer bom trabalho de pesquisa: “2. O objectivo imediato dos organizadores, pelas suas próprias palavras, é prevenir a entrada de Ahmadinejad na Assembleia-Geral da ONU em Setembro de 2010.”

    Quanto às perguntas que mandou para o ar e que repito na posta já encontrou resposta? Quem organizou o certame? Quem escolheu as cidades? Quem pagou o banquete?

  20. J.Jardim diz:

    O grande trauma do Augusto é o PCP e muitas vezes o Jerónimo de Sousa.
    Algo de “grave” se passou entre o PCP e Jerónimo de Sousa e o Augusto.

    A fobia anti-PCP do Augusto é tanta que até a dormir o “Kamarada” Augusto só vê como inimigo a abater o PCP e Jerónimo de Sousa,e deve ter sonhos bastante turbulentos.

    “Kamarada” Augusto,por favor vá até o Júlio de Matos,não para ficar internado mas para ser submetido a consulta.Hoje as fobias curam-se com alguma facilidade.

    Saudações Kmers e por um Kampuchea livre.

  21. Renato Teixeira diz:

    Então Paula Cabeçadas, foi da cavalgadura? Vá, recomponha-se. Ainda vai a tempo de ir na direcção oposta à do Camões… É melhor ficar a ouvir a construção.

  22. José diz:

    Renato: tanto trabalho para explicar uma opção táctica deixa espreitar um peso na consciência.
    O Irão é inimigo do Ocidente? Então não se ataca até este estar suficientemente enfraquecido.
    A luta é justa? É. A luta é apoiada pelos EUA/Ocidente? É. Então não se apoia, critica-se.
    Raramente vou a manifestações e esta não será a excepção. No meio dos manifestantes haverá diversos objectivos, múltiplas motivações. Desde os putativos urdidores da conspiração anti-Irão até aos inocentes defensores dos direitos humanos, passando por feministas, islamofóbicos e outros. A maioria estará de boa-fé e achará que a sua presença, a sua voz poderá fazer a diferença na vida de uma pessoa ou, pelo menos, dormirá mais descansada, achando que, no mínimo, tentou fazer algo.
    Os insultos que, de forma mais ou menos velada, dirige a toda essa gente parecem-me injustos, inadequados, sobretudo para quem tão facilmente salta para qualquer manifestação contra qualquer evento ocidental, sobretudo se for oriundo de Israel.
    O tacticismo, quando em excesso, pode roubar a alma/carácter/ética.

    Quem vem ao 5 dias lê os posts, independentemente dos autores, julgo eu. E tem razão: há alguns que, para se ser consequente, não se deveriam ler. Uma coisa é certa, já nem me disponho a comentar insultos e fel mesclados de prosa.

  23. Major Tom diz:

    Nada de novo vindo dum blogue de comunistas que não acreditam na “democracia burguesa”, que defendem a ditadura, e que simpatizam com o regime dos mullahs por este ser anti-EUA. Vocês já nem memória histórica têm. Os comunistas do Partido Tudeh foram dos primeiros a serem enforcados depois da implantação da República Islâmica do Irão.

    P.S. Continuo a não perceber o que faz um homossexual a escrever num blogue de comunistas. Presumo que a prevalência do masoquismo deve ser transversal às orientações sexuais.

  24. Renato Teixeira diz:

    Major Tom. Anda distraído. Há mais de um homossexual no blogue e não me parece que as opções de cada um ajude no tema em questão. A não ser claro, que na falta de capacidade de argumentação se opte pela falta de elevação. Não lhe aprovarei mais nenhum comentário com este carácter.

    Quanto ao que sobra apenas dizer que não leu em nenhuma linha a defesa da lapidação ou da República Islâmica do Irão. Areia é o que pretende com o seu comentário. É pouco. Quase nada. Serve apenas para revelar o vazio de quem se coloca no seu campo de pensamento. E como disse, uma vez chega. Mais é demais. Zute.

    José, a boa fé dos manifestantes não muda o carácter da manifestação.

  25. Pingback: cinco dias » Em meu nome não!

  26. Major Tom diz:

    Completamente distraído em relação a este blogue. Tudo nele é repelente. Tiveram a vossa oportunidade em 74/75. Falharam. Não passarão.

  27. Renato Teixeira diz:

    Major Tom, não fique tão ansioso. Respire fundo. Procure o Puta Madre que diz ser seu amigo e entre outras coisas ensine-o a escrever. Por essa altura talvez lhe aprove um comentário. Quanto ao aquecimento global diz que verões quentes é só de tempos a tempos, mas tem uns que duram uns anos. Veremos quem passa e quem se fica.

  28. Major Tom diz:

    Renato, não se esqueça de tomar os seus comprimidos todos. Quanto a quem passou e ficou, bem, parece que você foi parar ao caixote do lixo da história e ainda não lho disseram. Really sad.

  29. Mau Português, meu caro? Já ouvi chamar-lhe outros nomes. Y é óbvio que aqui não me disse amiga de quem inventa que eu o Disse! Y não fique à espera que eu perca o meu tempo com o reles blogueiro! Leio António Franco Alexandre que muito elogia a minha poesia 🙂 ( É não é para todos!!! ) . Y leio Thomas Bernhard… é com eles que investirei tempo de leitura, p. exemplo. Pelos exemplos avançados depressa perceberá que falo a sério, Y que aqui ficara encapsulado na sua reles condição de blogueiro.
    🙂
    N publique que em nada me incomoda.

  30. Renato Teixeira diz:

    puta madre, não precisa de fazer queixinhas. Não sei como era dantes, mas aqui e agora cada um define os seus critérios.

    A sua poesia, como de outros comentadores que preferem o insulto à ideia (mesmo que idiota), vão continuar a seguir o mesmo caminho: lixo. Têm que pelo menos ser isso: idiotas. Menos que isso, por mim, deixou de valer.

    Assim que tenha tempo, publicarei os meus critérios para aprovação de comentários. Para que não venham ao engano.

    Até lá, por aqui continuarei, encapsulado.

  31. É: DE Puta Madre.

    Qual o seu problema com a palavra Idiota? Temos que chamar as coisas pelos nomes, não? Não lhe parece que o conteúdo do que escrevi nesse texto enquadra o seu texto nesse horizonte? Pois devia. Y devia ficar contente por afinal a realidade poder adquirir outras dimensões. Nem que sejam por as desconhecer Y perceber que há outras formas de “vida”.

  32. Renato Teixeira diz:

    Com os idiotas nenhum. Ainda têm alguma coisa para dar. Abaixo disso é que já chega. Perdi o entusiasmo.

  33. Pingback: Tweets that mention cinco dias » Não troco uma luta justa por uma manifestação contra o Irão -- Topsy.com

  34. André diz:

    A minha manif é maior e melhor do que a tua. E mais dura, também.

  35. Renato Teixeira diz:

    Não seja sexista André. Elas estavão claramente em maioria.

Os comentários estão fechados.