INDESCULPÁVEL


Há actos que são “o acto”: Definem tudo. Anulam tudo. Não há desculpas nem relativismos. Matar mulheres à pedrada não tem factos de enquadramento. Ser contra isso, não significa apoiar um ataque ao Irão, mas apenas dizer que não se aceita aquilo que é insuportável. Só isso.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

55 Responses to INDESCULPÁVEL

  1. José diz:

    Não não me tinha pedido qualquer nome, Leo.
    Jaffar Kiani, 5 de Julho de 2007. Serve? Não quererá também o número do bilhete de identidade? Da Segurança Social? Morada e código postal?
    Números sem qualquer fundamento?? Quem não quer ver, mantém-se cego.

  2. Leo diz:

    Refere-se a este Jafar Kiani, que conforme esta notícia da BBC foi executado numa aldeia da província do noroeste, Qazvin?

    A fonte da notícia é a Amnistia Internacional. Pode confirmar por si próprio, aqui:
    http://news.bbc.co.uk/2/hi/middle_east/6288156.stm

  3. José diz:

    Sim, e então? Não serve? É preciso mais elementos de identificação do senhor? Ou é por ser um homem em vez de uma mulher?

  4. Leo diz:

    O que me parece que não serve é a fonte. Se para si essa fonte serve, bom proveito.

  5. absurdo diz:

    A Amnistia Internacional não serve?!?!?!?!?!?!? Que lhe serve então????? A IRNA?…
    Leo: tenha paciência, assim não vale a pena dialogar. Há limites e você já os ultrapassou em demasia.

Os comentários estão fechados.