Espero que esse Templo da Ética do Prémio Nobel da Ética DOliveira, retire o post seguinte de S. Lavos (tema a que junto aqui outros documentos e factos que farão pensar)

Uma frase de Le Pen se tornou célebre esta semana,
dita com alguma rapidez e no meio de sorrisos logo no princípio do clip ou pedaço do vídeo que se segue:

“J’ai acheté une maison de campagne pour permettre à mes enfants qui habitaient le 15e arrondissement de voir des vaches, au lieu des Arabes”

Por outro lado, um post de S. Lavos, como em baixo refere o Renato, arrisca-se rapidamente a tornar-se celebérrimo para promover uma manifestação marcada para o dia de amanhã contra a lapidação de uma mulher. Contudo, parece-me que a manifestação pretende ir muito mais longe, ou não houvesse já quem tivesse dito que a condenação de Sakineh Ashtiani é um assunto “francês” (??), assunção precisamente daquele que será recordado como o deportador-mor de ciganos e o Nero incendiário de bairros de escumalha (que recebeu uma carta de agradecimento do “palhaço de serviço” – antiga expressão de Deleuze – Bernard-Henri Lévy, a mais estúpida aberração sionista do mundo intelectual francês desde os anos 70; note-se ainda que a revista deste palhaço sempre de serviço, La Règle du Jeu, tem como secções destacáveis estas: “Anti-semitismo”, “Arte”, “Literatura”, “Irão”, etc. o que nos diz tudo sobre a personagem, e muito pouco sobre o seu empenho no destino trágico de Sakineh, sobre quem Bernard-Henri Lévy julgo estar menos precupado do que o próprio Ahmadinejad).

Retomemos a frase de S. Lavos:

“Esta manifestação, que se vai realizar em várias cidades à mesma hora, também pode ser uma oportunidade de ouro para muitos dos nossos comentadores geralmente indignados contra o Islão; é altura de passar das palavras aos actos: compareçam!” 

Ora, ao contrário do post-scriptum feito pelo Renato com um comentário de S. Lavos para si mesmo e sobre o seu “dito”, não há nenhuma hipótese de sentir ou pressentir a mínima ironia na frase citada.

Repare-se na ironia e/ou subtileza (?): “… uma oportunidade de ouro para muitos dos nossos comentadores indignados contra o Islão”. Ora bem, não está lá “Irão”, por exemplo, mas “Islão”, aliás como Le Pen diz, rindo, “árabes”. Depois, mais ou menos como já aqui se disse, eu não percebo como se convocam “pessoas indignadas com o Islão” para uma manifestação contra a lapidação de uma mulher, pena que nem sequer admito que me/nos perguntem qual a nossa opinião acerca dela.

Devastadoramente trágico, sim, é ver esta mulher, Sakineh, entre as mãos de Sarkozy-Lévy e Ahmadinejad.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

27 respostas a Espero que esse Templo da Ética do Prémio Nobel da Ética DOliveira, retire o post seguinte de S. Lavos (tema a que junto aqui outros documentos e factos que farão pensar)

  1. miguel serras pereira diz:

    Há árabes ateus. Muçulmanos que não são árabes – a grande maioria. Que o Carlos Vidal, tal como Le Pen, ache que “árabes” e “islão”, é tudo a mesma coisa, só prova que o fanatismo obnubila a inteligência e os próprios conhecimentos adquiridos.

    msp

  2. Carlos Vidal diz:

    Miguel Serras Pereira, um comentário despropositado, sem nexo.

    Vá tentando.

  3. Carlos Vidal diz:

    (Seguindo M. Serras Pereira, tentemos dar-lhe sentido, Le Pen é melhor que Lavos, que, este sim, é mais abrangente, pois ataca todo o Islão da Nigéria à Indonésia.)

  4. Vidal, deixe de ser abnóxio e tome lá o comprimido. Este seu post é abaixo de qualquer ética, sem qualquer nível. Se não quer acreditar no que eu disse e prefere acreditar nos seus delírios, pode passar bem. Fique lé com o seu Agamben e não em chateie a cabeça nem a de ninguém do Arrastão. Nem sentido de humor, nem educação, nem intelegência, nem nada. Um verdadeiro zero à esquerda. O contrário do seu companheiro de blogue, Renato Teixeira. É muito triste ver pessoas do seu nível a partilharem o mesmo espaço de pessoas como o Nuno Ramos de Almeida e o António Figueira. Olhe, pegue lá no seu Deleuze – pobre dele, se pudesse saber quem anda a citá-lo – e interne-se.

  5. Leo diz:

    Quanto à lapidação, presumo que o S. Lavos seja a única pessoa que ainda não sabe que essa pena já não se aplica há anos no Irão, e que obviamente também não se vai aplicar neste caso. Quer queira quer não queira estas vociferações apenas servem objectivamente para diabolizar o Irão.

  6. Carlos Vidal diz:

    Que se passa, S. Lavos, seu pulha nervosinho como um bebé por desmamar?
    Então eu escrevo um post em que o sr. pulha islamofóbico é um apêndice, nem sequer nota de rodapé, querendo eu falar de Bernard-Henri Lévy e da sua (dele) vontade de + Dombasle entrar para a corte Sarkozy-Bruni, Lévy que é coisa que existe, e você, coisa inexistente, vem aqui meter o bedelho?
    Quem lhe disse que isto era consigo?
    Vá para a sua casinha, e não volte aqui mais, porque aqui falo de outras coisas.

    (Entretanto, se o Renato “acredita” na sua “ironia”, do meu lado já lhe disse que não, nem pensar. Já agora, o que faz ainda aqui?)

    A que pontos chegámos?

  7. Carlos Vidal diz:

    (O problema é que está lá “Islão” e não “islamismo fanático”, vejamos, “Irão dos ayatohlas”, “islamismo fundamentalista”, como normalmente aparece noutros lugares, e o que lá está no post de S. Lavos não se apaga.)

  8. Carlos Vidal diz:

    Então é por acaso ou por equívoco ou por estupidez dos outros que eu leio estes comentários no post de S. Lavos:

    «Contra o islão marchar, marchar… será?»

    E:

    «já vi posts parvos. mas este bate tudo o que seja concebível.

    o cinco dias [referência ao post de ontém do Renato] explica sucintamente.

    já agora por que não organizar uma manifestação onde caibam os indignados contra os ciganos? Isso é que era uma ideia do caraças…»

    Certo, certinho?

  9. Tristeza. Muito triste mesmo.

  10. C Vidal, o anormal. Está tudo dito.

  11. Niet diz:

    C.Vidal: O gesto do B.-H.L. deve merecer uma interpretação com nuances…No meu modesto entender! O Sarko anda em palpos-de-aranha e dá cambalhotas sem fim para sobreviver…
    Ele, B.-HL, não oblitera a ” perseguição ” criminosa aos ciganos e estrangeiros clandestinos/sem papéis. Nenhum jornal ” sério “- Le Monde ou Libération- menciona hoje o ponto de vista expresso na ” La Règle du Jeu”, e o B-HL é accionista do Libé, meu caro. E um grande amigo do Deleuze, grande psicanalista, o C. Rossset, confessou que nunca conseguiu compreender o pavé ” Mille Plateaux “…Todas as guerrilhas intelectuais têm pouco valor… Vamos ter calma, portanto. Salut! Niet

  12. Carlos Vidal diz:

    Sérgio Lavos, estou muito ocupado agora com outras coisas fora da blogosfera, mas, ao mesmo tempo, vou entrando em franca comoção com o que me transmite. Verdadeiramente, em comoção franca, de cada vez que aqui venho. V. comove-me. É um homem de boa vontade. Quem dá o que tem…

  13. Carlos Vidal diz:

    Niet, o problema não é perceber “Mille Plateaux”, mas BHL. Como eu disse noutro post, o que quer e ao que vem.

    Há sionistas que muito respeito, sejam ou não fanáticos, mas BHL nunca. Quando o vi na manif (vídeo) pela libertação de Gilat Shalit, aquilo raia o patético. Mas também lá estava Claude Lanzmann, e aí, sim, temos um grande nome e uma grande obra da arte contemporânea. Errado política e historicamente, mas génio puro.
    Lanzmann sobre Israel nunca tem razão, mas é um dos grandes. Há que saber distinguir um artista, exaltá-lo, mesmo quando com ele estamos em total incomunicabilidade política.

    BHL nunca deixou de ser uma barata tonta, desde o vedetismo dos “novos filósofos” onde se acusava Platão de totalitário.
    O seu “De la Guerre en Philosophie” até cita o inexistente Jean-Baptiste Botul, especialista kantiano do Paraguai, para mostrar que Kant não era assim tão “abstracto” nem “incorpóreo”…

    Por isso o problema não é Deleuze, mas o eterno frequentador da corte, BHL.
    Grande abraço.

  14. miguel serras pereira diz:

    Sobre este comentário de Leo:
    “Comentário de Leo
    Data: 27 de Agosto de 2010, 18:29
    Quanto à lapidação, presumo que o S. Lavos seja a única pessoa que ainda não sabe que essa pena já não se aplica há anos no Irão, e que obviamente também não se vai aplicar neste caso. Quer queira quer não queira estas vociferações apenas servem objectivamente para diabolizar o Irão”.

    Falso. “La presidencia de Ahmadineyad rompe la moratoria de los apedreamientos “, pode ler-se, por exemplo, aqui: “Cuando lapidar es la ley” (http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:F7nv6jRPHlEJ:www.elpais.com/articulo/internacional/lapidar/ley/elpepuint/20100718elpepuint_3/Tes+iran+lapidacion+moratoria+elpais&cd=1&hl=pt-PT&ct=clnk&client=safari)

    Resta acrescentar que aquilo que está em causa não é só a lapidação (que em vários casos foi substituída como método de execução de adúlteras e adúlteros pelo enforcamento), mas a liberdade e a vida de Sakineh.

    Quem diaboliza o Irão, porque faz um inferno do país e da vida do seu povo, é o regime que o governa. A solidariedade com o Irão passa pelo combate a esse regime. Do mesmo modo que a solidariedade com os ciganos deportados ou sob ameaça de deportação passa pelo combate ao governo de Sarkozy. Ou a solidariedade com os palestinianos pelo combate e denúncia do governo israelita. Ou a solidariedade com os trabalhadores chineses precarizados das zonas especiais e outras pelo combate e denúncia do PCC. Etc.

    msp

  15. augusto diz:

    A cegueira de alguns militantes do PCP roça a raia do absurdo.

    Que uma mulher seja morta á pedrada no Irão, isso pouco lhes interessa.

    Afinal o regime de fanáticos religiosos que vigora no Irão, mantem boas relações com o partido Tudeh, que mais não é, que o compadre do PCP , e isso justifica tudo.

    Afinal não era o PCP que convidava as Farc para a festa do Avante , e defendia a sua actuação anti-imperialista……

  16. Aristes diz:

    Augusto, ilumine lá a gente e diga lá quais são os malvados “alguns militantes do PCP” a quem pouco interessa que uma mulher seja morta à pedrada no Irão.

    E porque é que não fala também dos “regime de fanáticos religiosos que vigoram ” noutros países, como por exemplo o dos “fiéis aliados” da Arábia Saudita?

    E essa das FARC estarem na Festa do Avante, viu você ou leu por aí no 31 da Armada?

  17. António Figueira diz:

    Augusto,
    V. é um atrasado mental (e eu meço as minhas palavras): venha cá comentar as vezes que quiser, mas não peça nunca mais que o levem a sério.

  18. Leo diz:

    “Falso. “La presidencia de Ahmadineyad rompe la moratoria de los apedreamientos “. ????

    Quer dizer que mama tudo o que escreve a Ángeles Espinosa do El País? Concorda então com esta pérola dela:

    “En Arabia Saudí, donde hay verdadera segregación sexual, increíblemente no hay conformismo ni parálisis en las mujeres. Hay una nueva generación de jóvenes que se ha implicado en el mundo de los negocios, periodismo…”

    O que a Ângela Espinosa escreveu sobre a moratória é falso pois a moratória está mesmo em vigor e desde há anos que a pena da lapidação não é aplicada no Irão. Houve de facto dois ou três casos de sentenças, mas os tribunais superiores não deram seguimento à aplicação dessa pena e ninguém foi submetido à lapidação.

  19. Vá lá…digam que temos de respeitar as tradições dos outros povos. Ou, melhor, que o muticulturalismo tem que ser defendido. Nem que seja à pedrada.

  20. Aniceto Azevedo diz:

    Caro Vidal,

    grande, o Godard lá de cima. Pensava que aquele final era de «JLG par JLG», final deslumbrante, de ficar varado.
    As Histoire(s) du Cinema já não as vejo há uns bons 10 anitos. Um colosso, caro Vidal. Leçon des Ténebres, Couperin, uma visão profunda e pessoal da histótia do cinema.
    Só não concordo com a avaliação que faz do Coppola. Veja (e ouça) One From the Heart. Bastava aquilo para ser considerado um génio. O mais recente, com deambulações místicas pelo Eliade, sim, não interessa para nada, é lixo.
    Grande post.
    Um abraço, Carlos Vidal.

  21. Carlos Vidal diz:

    Ah…
    A frase, sim, sim, a frase…

    E mais isto e isto:
    «…tenho uma ética blogueira que me obriga a não apagar textos já publicados, mesmo que deles me arrependa. Apenas isso. A frase está ali e eu estou aqui para responder por ela, sempre, mesmo errando.» (S. Lavos)

    http://arrastao.org/irao/e-ja-no-sabado-as-18-horas/#comments

    Compreendo.

  22. miguel serras pereira diz:

    Leo,
    não é com as opiniões da jornalista que concordo. A Arábia Saudita tem um regime de opressão religiosa não menos bárbaro: decapitações, mutilações judiciais (também praticadas no Irão e outros países). Mas não é só ela que refere o fim da moratória. A Amnistia Internacional faz o mesmo. E outras organizações insuspeitas de complacência perante Israel ou os Estados Unidos. Assim, entre 2006 e 2009, pelo menos seis pessoas foram executadas no Irão por lapidação. Acrescem as outras que foram executadas mediante enforcamento, quando as autoridades entenderam comutar nesses termos a sentença de morte.
    Quanto ao resto, você fica satisfeito se S, Ashtiani for enforcada em vez de lapidada?

    msp

  23. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Augusto,
    O Tudeh não tem relações com o regime iraniano. Foi e é vítima da repressão, tanto do actual regime iraniano como o do tempo do Xá. Basta ler este artigo.
    http://en.wikipedia.org/wiki/Tudeh_Party_of_Iran
    Quando escrever comentários deve antes afastar o fardo de palha.

  24. Pingback: cinco dias » Não troco uma luta justa por uma manifestação contra o Irão

  25. Leo diz:

    “A Amnistia Internacional faz o mesmo. E outras organizações insuspeitas de complacência perante Israel ou os Estados Unidos. Assim, entre 2006 e 2009, pelo menos seis pessoas foram executadas no Irão por lapidação.”

    Em concreto além da Ángeles Espinosa do El País temos a Amnistia Internacional.

    Já agora pode-nos informar quais são as “outras organizações insuspeitas de complacência perante Israel ou os Estados Unidos”? E os nomes das seis pessoas lapidadas no Irão entre 2006 e 2009?

  26. LMR diz:

    Estranho é que até organizações de muçulmanos acham necessário interpelar também o governo iraniano: http://www.progressivemuslims.org/sub/stoning.htm

    E tem aqui um caso bem recente, confirmado por autoridades iranianas: http://www.stop-stoning.org/en/node/622
    No mesmo site, tem as listas todas que procura.

  27. Pingback: cinco dias » Não, não morreu, nunca morreu ninguém em Gaza (são sempre assim estas manifs? Em Paris como em Lisboa?)

Os comentários estão fechados.