Não disse quase nada mas disse quase tudo [actualizado]

“Esta manifestação, que se vai realizar em várias cidades à mesma hora, também pode ser uma oportunidade de ouro para muitos dos nossos comentadores geralmente indignados contra o Islão; é altura de passar das palavras aos actos: compareçam!” No Arrastão.

O que é que poderíamos esperar de uma manifestação contra o Irão senão um grito de guerra, um chamado à acção dos islamofóbicos?

PS: Sérgio Lavos, autor da posta em causa, escreveu para a caixa de comentários a seguinte consideração e que naturalmente publicamos em “primeira página”:

“Caro Renato, lamento que não tenha percebido o tom irónico do meu post (ironia a sério, não a da outra senhora). A frase que junto ao cartaz é uma provocação aos comentadores anti-islâmicos do blogue, sempre prontos a disparar sem armas quando se fala de questões relacionadas com o Islão. O que eu tenho escrito no blogue nesta área (o ataque à flotilha para Gaza, a proibição do Niqab em França) comprova isto mesmo. Por isso, repito, lamento que a ironia não tenha passado. Vou fazer uma adenda ao post, mas apenas logo à noite, porque onde estou não consigo aceder ao Arrastão. Espero que tenha ficado esclarecido e que também faça uma adenda ao seu post, detesto este tipo de confusões – o que está em causa são os meus princípios neste assunto.”

Registo com alívio tratar-se apenas de uma provocação, uma ironia, e que não era o seu objectivo acicatar os ânimos dos islamofóbicos. Como perceberá ao reler o que escreveu e como manifestamente se percebe do seu comentário, as intenções ficam perdidas num texto que mais não faz do que clarificar a quem serve manifestações com este carácter. Desse ponto de vista, ainda bem que o fez e mesmo que não fosse essa a sua intenção, conseguiu publicar a mais assertiva posta sobre o tema.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

31 Responses to Não disse quase nada mas disse quase tudo [actualizado]

  1. Carlos Vidal says:

    Já o tinha visto, ao post.
    Espero que seja retirado.

    Vou esperar sentado.

  2. Renato Teixeira says:

    Que medo fiquei depois de ler a posta… Não soubesse eu da inépcia movimentista da esquerda maionese e nem tinha conseguido voltar a mim.

    Curioso o critério. Manifestam-se com islamofóbicos contra o Irão mas não se manifestam com liberais e democratas cristãos (imagino que sejam os mesmos) contra o Sócrates.

    [@Socialismo 2010 (democrático)]: está tudo explicado.

  3. João Pais says:

    Eu cá se fosse eu começava era já a preparar umas pancartas para o próximo 13 de Maio em Fátima!
    É fanático religioso? Atira para matar! Olho por olho, dente por dente!
    E de caminho traga-me um barrilzinho de petróleo ali do Afeganistão ó senhor jorge, que este café da america latina anda me a saber meio amargo…

  4. RML says:

    «Pois, por mim, a luta contra ________ [preencher aqui] continua. Mas deste lado. Seguramente com alguns dos que, mesmo que com boas intenções, se juntam hoje a uma manifestação em que a sua única função será a de fazer com que ela pareça o que não é.»

    Bem lembrado, Renato…

  5. augusto says:

    Sejam mulheres , menores homossexuais, vai tudo á pedrada é assim a lei no Irão e noutros paises onde o radicalismo religioso, tomou no poder.

    Mas para os militantes do PCP isso não interessa, basta serem paises inimigos dos EUA, ou darem essa ideia, para eles serem a favor destas barbaridades medievais.

    Criticam e bem Guantamano, e todas as atrocidades que os EUA e os seus aliados cometem, estão na primeira fila a denunciar atentados aos direitos humanos, desde que não sejam , na China em Cuba ou noutros países amigos, e assim vão os campadres do Francisco Lopes.

    Ora aqui está um bom tema de discussão, será de esquerda alguem que tenta justificar as barbaridades dos regimes Cubano, Chinês e do Irão…tenho dúvidas….nem são de esquerda , e muito menos são socialistas.

  6. Renato Teixeira says:

    augusto ao fim de tantos meses ainda não percebeu que eu não respondo pelo PCP? Arre…

  7. Caro Renato, lamento que não tenha percebido o tom irónico do meu post (ironia a sério, não a da outra senhora). A frase que junto ao cartaz é uma provocação aos comentadores anti-islâmicos do blogue, sempre prontos a disparar sem armas quando se fala de questões relacionadas com o Islão. O que eu tenho escrito no blogue nesta área (o ataque à flotilha para Gaza, a proibição do Niqab em França) comprova isto mesmo. Por isso, repito, lamento que a ironia não tenha passado. Vou fazer uma adenda ao post, mas apenas logo à noite, porque onde estou não consigo aceder ao Arrastão. Espero que tenha ficado esclarecido e que também faça uma adenda ao seu post, detesto este tipo de confusões – o que está em causa são os meus princípios neste assunto.

  8. Olaio says:

    Mau, mau, se esta mania de que alguém que não alinha com o discurso oficioso do sistema é do PCP pega, temos o caldo entornado… até parece que tamos no antigamente.

  9. Mas vale mesmo a pena perder tempo a dar trela aos “putos” da esquerda moderna?
    O PCP tem os Pioneiros.
    O PS tem o BE.

  10. O que eu axo extrordinário é que vcs. ainda estejam convencidos que uma manifestação, ou duas, ou três, altera seja o que fôr.

    Muda tanto quanto akeles ‘baixo-assinados’ de antes do 25 do 4, que serviam básicamente para a PIDE ficar com os nomes às pessoas.

    Portanto manifestam-se à brava, o gov. de serviço (neste caso o do Pinóquio) põe p’ra lá uma data de bófia para se assegurar que os mais ‘excitados’ não partam umas montras, e depois volta tudo p’ra casa p’ra ver a novela da TVI, mas com a a “sensação do dever cumprido”.

    Risível.

    Paz às vossas alminhas.

    :-(

  11. Romanoff says:

    Nada contra o Islão.
    Não seja demagogo, Renato. O sr é que tenta associar uma manif perfeitamente legítima a uma intervenção militar. Tanto quando sei, na dita manif não se vai defender uma invasão ou um ataque ao Irão. O Nuno já separou as águas. Mas o sr teima em juntá-las. O objectivo é muito simples. Ao sugerir que uma manif contra as práticas hediondas do regime Iraniano equivale a uma defesa da opção bélica, pretende afastar aqueles e aquelas que legitimamente querem defender os direitos das mulheres Iranianas e de todos os que se opõem aquele vil regime.

    Seja inteligente. E trate-nos como pessoas inteligentes, se faz favor.

  12. Leo says:

    Estão carecas de saber que há anos que no Irão não se aplica a pena de lapidação, que não se vai aplicar a pena de lapidação, mas insistem em vociferações contra uma coisa que não vai acontecer. Esta insistência numa coisa que não vai acontecer no mínimo é uma tontice.

  13. Ok.
    Então e que tal uma manifestação contra a pena de morte?
    E outra contra a expulsão dos imigrantes de França?
    E contra a política Berlisconiana de ataque à liberdade de imprensa?
    E contra a circuncisão infantil masculina em África?
    E contra o muro entre o México e os EUA?
    E contra o excesso de velocidade nas estradas portuguesas?
    Ah… o Irão! uuuuuuuuuuuuuuuuh….
    Que oportuno…

  14. c says:

    pois , tanta coisa com ciganos e depois sai-se com esta.
    deve ser porque considera os árabes pessoas inteiras livres nas suas escolhas e os ciganos meias pessoas sem livre arbitrio de quem se deve ter pena quando exploram crianças ou maltratam mulheres . e os racistas são os outros.

  15. miguel serras pereira says:

    Renato,
    apreciei sinceramente a lisura com que actualizou o seu post, acrescentando-lhe com todo o destaque o comentário do Sérgio Lavos.
    No entanto, faço-lhe notar que, sobre a manifestação, creio que continua haver uma má interpretação da sua parte.
    Se visitar este link ( http://entreasbrumasdamemoria.blogspot.com/2010/08/lisboa-por-sakineh-100-cidades-contra.html )e ler o texto que vai ser amanhã lido na manifestação, compreenderá melhor que o protesto é a favor dos iranianos oprimidos pela ditadura religiosa e não contra o Irão (o povo do Irão), e também verá que o texto (bastante fraco, mas isso é outra coisa) a) diz que a sharia não é um exclusivo do Irão, e b) que não é só no Irão que se registam casos de injustiça monstruosa, perpetrados pelos poderes constituídos.

    Partilhando boa parte das suas preocupações, chego, pois, a conclusões diferentes. Mas continuo a ouvi-lo.

    msp

  16. Pingback: cinco dias » Espero que esse Templo da Ética do Prémio Nobel da Ética DOliveira, retire o post seguinte de S. Lavos (tema a que junto aqui outros documentos e factos que farão pensar)

  17. Leo says:

    Quanto à lapidação, estão carecas de saber que essa pena já não se aplica há anos no Irão, sabem ainda que não se vai aplicar neste caso também, mas continuam a falar abundantemente não só na lapidação como a assobiar para o lado quando se lhes lembra isto mesmo. Então estas vociferações para que servem senão para diabolizar o Irão?

  18. Renato,

    obrigado por ter posto o meu comentário em destaque. A ética blogueira é isto mesmo.

    cumprimentos

  19. Diga-se de passagem que eu postei o cartaz da manifestação porque acredito ser uma causa pela qual devemos lutar – os direitos das mulheres. Mas tive algumas dúvidas sobre a oportunidade e a bondade dos organizadores da manifestação. Ainda mais por isto fiquei mais chateado que tivessem interpretado literalmente a posta -e que o seu blogue tenha querido explorar, de maneira sacana, esta leitura, já depois do meu esclarecimento.

  20. Leo says:

    “eu postei o cartaz da manifestação porque acredito ser uma causa pela qual devemos lutar – os direitos das mulheres.” ??? Ora o que lá está escrito é: “PROTESTO CONTRA A LAPIDAÇÃO e a Selvajaria da República Islâmica do Irão. Parem a Matança Já”.

  21. Quando escrevi …blogue queria escrever “colega de blogue”, que o 5 dias é coisa que eu leio diariamente. A pústula do blogue toda a gente sabe quem é.

  22. Renato Teixeira says:

    Sérgio Lavos, as nossas boas intenções e os nossos desejos valem o que valem quando confrontados com a realidade. É uma pena que alinhem na mais primária campanha anti-Irão alguma vez levada a cabo em Portugal e além fronteiras.

    Pergunto-lhe sinceramente, não ouve o rufar dos tambores? Não se sente você próprio o rufar do tambor? Não falo evidentemente ao nível das intenções… falo do resto.

    Leo, tem dados mais concretos e fontes do que disse por aqui e pelo Arrastão?

    Muito bem visto Olaio. E olhe que não sou do PCP.

    Augusto, já lá vão uns meses em que não o ouço fazer um comentário em que invariavelmente aponte o dedo ao PCP para justificar o que quer que seja. Acho sinceramente que já demonstrou outra capacidade e que não conspiravam contra as suas ideias como conspira esse argumento. Leia o comentário do Olaio e não queira fazer parte dessa pandilha. As suas ideias serão as primeiras a agradecer.

  23. João Pais says:

    Presunção e água benta cada um toma a que quer… Para quando uma manifestão contra as violações dos direitos humanos e democráticos na Arábia Saudita ou na Colômbia?
    Ooops… talvez para isso não haja a mão invisivel que patrocine e dê destaque.
    Ó senhor Jorge traga-me mas é um copo de tinto que estou farto desta gente que fica toda com o pito aos saltos com o Irão, mas depois não são capazes sequer de mexer uma palha contra o código do trabalho!

  24. Renato Teixeira says:

    João Pais, coloca a pergunta certa: Quem anda a pagar a conta? Isso deve deixar claro tudo o resto.

  25. Renato,

    os tambores rufam, claro, e pode até ser que a campanha seja um prenúncio disso. Mas olhe que parece que o ataque pode vir de Israel, e não dos E. U. A., directamente – o que é ainda pior para qualquer futuro da região. Mas pelo que eu li do site que promove o protesto, quem organiza são iranianos da diáspora, alguns ligados aos moderados do regime, que esperam deste modo pressionar os duros que governam o país. Para mim, isso chega para defender a causa. Até porque não se esqueça disso mesmo, a causa: protestar contra a sentença de morte por lapidação de Sakineh. Pelo que conheço não me parecer ser “a mais primária campanha anti-Irão alguma vez levada a cabo”
    Agora, podemos discordar neste ponto, mas a questão é a minha posição em relação a tudo o que envolve esta história: nunca se deverá utilizar este protesto para dar azo aos sentimentos anti-islâmicos que muita gente tem. A provocação do meu post era dirigida a esta gente.

  26. João Cerqueira says:

    Sr. Renato Teixeira

    o comentário que no Sábado aqui coloquei desapareceu.
    Trata-se de um problema informático ou há censura no 5dias?

  27. Renato Teixeira says:

    João Cerqueira, se foi publicado não foi retirado. De informática não percebo peva.

    Sérgio Lavos, para poder participar num protesto com tão graves omissões teria que ter uma de duas coisas. Confiança na direcção do protesto, ou à falta dela saber pelo menos quem o financiou. Com a informação que foi chegando só não viu a agenda bélica quem preferiu fechar os olhos em nome do conforto da sua consciência e boa vontade ou pior, porque de facto defende o poder democratizador das bombas. A sua falta de sentido de responsabilidade, naquela posta, é o pior dos males nesta história toda. Ainda assim, o fracasso das intenções e o tanto que se falou na manobra de guerra justificou o debate.

    Já há novas iniciativas? O que vão fazer de seguida? Uma vigília em frente à Embaixada do Irão? Não querem experimentar desta feita a dos EUA ou a da Arábia Saudita? Nigéria, que seja?

  28. Renato Teixeira says:

    Leo vou atacar esses links nos próximos dias que estou atolado em trabalho assim como os da Tragédia Grega que publico de seguida. A ver se aparece a cara do bélico ou dos gatos pingados contra a guerra, que andam a cavalgar a social-democracia. Esta gente com caras fica mais convencida do que com argumentos.

    Parabéns pelo trabalho de pesquisa e pelas réplicas.

  29. Renato Teixeira says:

    O Tragédia Grega enviou um comentário para o Jugular que diz também ter enviado também para aqui. Como não chegou à nossa caixa de correio, anexo de seguida.

    “De tragediaGeek a 29 de Agosto de 2010 às 11:21

    Deixe-se de merdas, f. Toda a gente sabe que os portugueses que organizaram a manifestação foram bem pagos pelos mesmos gajos que financiam o Iran Solidarity, que é uma organização que “has aimed to provide news and education on the issues facing Iran today. It has provided activist events for the peace movement in solidarity with the people of Iran against the war mongering motives of the United States of America”

    e que pertence à organização Campaign Iran que faz “part of the multinational Campaign Against Sanctions and Military Intervention in Iran (CASMII).”

    O Iran SOlidarity é uma das organizações formadas para apoiar o povo iraniano contra o regime islâmico do Irão e que (imagine-se) não só está associado a esta campanha contra a lapidação no Irão como tem um cartaz igualzinho ao tal que tanto incomodou o Renato T

    de onde se conclui que a CIA e os sionistas andam a financiar gatos pingados para se oporem à intervenção militar no Irão.

    http://www.iransolidarity.org.uk/index.html
    http://www.campaigniran.org/casmii/index.php?q=node/430

    Já dei estes links ao Renato T no 5 Dias e mais alguns, mas até agora o meu comentário não apareceu, por isso ficam aqui também.

  30. João Cerqueira says:

    Renato Teixeira

    Agradeço a resposta, e volto à carga.

    Da leitura do seu post parece depreender-se que as massas não são capazes de distinguir entre o bem e o mal, os direitos humanos e a barbárie, sobrando-lhes ainda menos capacidade para perceber que estão a ser manipuladas por forças ocultas quando julgam exercer os seus direitos democráticos (por exemplo, o tal direito à indignação).
    Estão portanto a necessitar de educadores do povo, grandes ou pequenos, que lhes expliquem as coisas e como devem proceder.
    Caso contrário, acontecem cenas lamentáveis como a manifestação de sábado no largo de Camões.
    São estas coisas que demonstram que o mundo precisa cada vez mais de uma ditadura do proletariado.

Comments are closed.