Separar as águas

Abominar o regime ditatorial do Irão não significa gostar da ditadura do Xá. Tanto os ayatollahs como a monarquia fantoche notabilizaram-se no massacre de centenas de milhar de iranianos. Khomeni e Reza Pahlavi estavam unidos no seu ódio aos militantes progressistas e comunistas, tendo mandado fuzilar e torturar todos os que conseguiam apanhar. O facto de a ditadura iraniana se opor no plano internacional aos interesses norte-americanos e à ocupação criminosa da palestina não faz deles boa gente. Não façamos o erro de confundir a luta pela liberdade dos palestinianos e contra a dominação imperialista dos Estados Unidos com o silêncio perante a lapidação das mulheres e todos os crimes da ditadura iraniana. Para além disso, é uma confusão injusta para Washington, que só se costuma opor às lapidações quando são no Irão, tendendo a assobiar para o lado, quando a chamada lei islâmica é aplicada na Arábia Saudita.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 Responses to Separar as águas

Os comentários estão fechados.