A ressurgência de um insurgente

[E agora vamos aos excedentes de Rui Oliveira e claro, da família Pahlavi.]

Ao que parece não foi só Washington e Tel Aviv a ficar com estados de espírito paradoxais e com os sonos trocados. A prosa de Rui Oliveira é reveladora. Atente-se na seguinte passagem: “Apesar de não se poder menosprezar a ameaça que o Irão representa para a paz na região, também não há qualquer motivo para entrar em pânico, pois o Irão continua a ser, por enquanto, um tigre de papel.”

Impõe-se a pergunta: Ao dizer que “não se pode menosprezar a ameaça que o Irão representa” na mesma frase em que se declara que a República Islâmica é “um tigre de papel” é ou não “motivo para entrar em pânico”?

O que Rui Oliveira quer tirar do fundo do mar é o amor à liberdadezinha do costume:

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.