Mais barcos para furar o bloqueio: o contra cerco a Gaza está em marcha.

Depois do Viva Palestina ter confirmado mais três caravanas terrestres, é a vez do IHH anunciar que vai continuar a enviar barcos rumo às praias de Gaza. Ao que tudo indica as iniciativas serão feitas de forma coordenada e simultânea e deverão estar em curso até ao final do ano. Do outro lado, na comissão de inquérito de Israel para avaliar a prática do exército e do governo israelita, Netanyahu volta a colocar a pressão no executivo turco, com o objectivo de travar o apoio que este tem dado às iniciativas da solidariedade com a Palestina. Na comissão, Netanyahu deixou ainda claro que não é tempo para arrependimentos: “Estou convencido que ao fim da investigação ficará comprovado que o Estado de Israel e o exército israelita actuaram segundo o direito internacional (…) Confio nos membros do exército israelita e todo o Estado de Israel está orgulhoso dos seus soldados”.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

14 respostas a Mais barcos para furar o bloqueio: o contra cerco a Gaza está em marcha.

  1. antonio diz:

    Alguém se vai divertir muito até ao final do ano a jogar à Batalha Naval e enviá-los todos à água…

  2. Renato Teixeira diz:

    A ver vamos se os tiros do porta-aviões não acertam no porta-aviões…

  3. Luís Teixeira Neves diz:

    António, vai brincar com a playstation!

  4. Carlos diz:

    Façam entrar a ajuda pela fronteira do Egipto. Pode por lá entrar tudo, ou os israelitas também a controlam?

  5. Renato Teixeira diz:

    Também têm uma mão invisível na fronteira egípcia. Ainda assim, a caravana terrestre é por lá que vai tentar entrar. Noutros anos, muita ajuda humanitária já ficou às portas de Rafah, nas mãos do exército egípcio, a pedido de Israel.

    Com o aumento da pressão o Egipto também pode ceder um pouco mais, e enviar para Israel os problemas de Israel. A ver vamos…

  6. antonio diz:

    No pacote de “ajuda humanitária” estão também armas e municões ou são só pessoas que querem tirar aos palestinianos o pouco que ainda lhes resta?

  7. Sioux diz:

    Enquanto as caravanas vão e não vão, os Palestinianos lá continuarão a ter que suportar as bestas dos governantes que tem…

    O cenário, instigado pelos movimentos das extremas esquerdas mundias, é simples: Uma caravana bem sucedida é sinónimo de aperto nos mecanismos de segurança de Israel.

    O fantástico disto é que quem apoia as caravanas ‘humanitarias’ sabem disso, mas é mais forte do que eles. A ideia de derrotar israel sobrepoe-se aos interesses do povo palestiniano.

    É evidente, o interesse dos ‘humanitarios’ apoiantes do Hamas, é fazer com que Israel aperte ainda mais a segurança. Só desta forma é que podem manter o poder. O interesse não está na Paz, mas sim na manutenção do poder pelo poder… os lideres do hamas ainda não comeram o suficiente. É necessario manter ainda os amigos dos amigos dos generais no activo.

    E pronto, umas caravanas, um ou outro sucesso e o povo palestiniano, uma vez mais, sofrerá as consequencias…

    Sioux

  8. Sioux diz:

    Estas caravanas, que alguns dizem ser de 500 camiões, tem um conceito absolutamente estupido… é que basta ‘avariar’ os dois ou três primeiros veiculos para parar a caravana toda.

    O egipto vai fazer a sua parte. Inspecionar um a um e cada um seguirá o seu rumo.

    Darão peixe adicional ao povo palestiniano mas continuam a não os ensinar a pescar…

    Sioux

  9. Renato Teixeira diz:

    António os barcos querem roubar aos palestinianos? Já ouvi argumentos rebuscados, mas olhe que esse, além de arrojado tem a sua dose de imbecilidade militante. Quer explicar?

    Quanto às armas e às munições fique descansado que elas entram por outra via.

    Sioux, os palestinianos escolheram democraticamente, disse Carter, os seus governantes.

  10. Sioux diz:

    «Sioux, os palestinianos escolheram democraticamente, disse Carter, os seus governantes»RT

    Pois foi. É uma boa porra. Nós por cá também escolhemos os nossos… e não há maneira de se porem ao fresco.

    Sioux

  11. Renato Teixeira diz:

    Não arranja por aí ninguém que nos faça um cerco da Galiza a Vila Real de Santo António?

  12. Sioux diz:

    ehehe

    Sabe-se lá. Qualquer dia cercamos o largo do rato… para ver se os gajos abalam. Eliminar a raiz dos problemas… os lideres que nos (des)governam.

    Mas estas coisas não são impossibilidades absolutas; uma revolta contra o sistema apenas necessita de uma ignição. A ignição advem de 3 coisas:

    1º Impostos exagerados
    2º Desemprego acima de 20/25%
    3º Descredito total na justiça, nos partidos e nos politicos.

    Estas são as condições que motivaram as quedas das republicas/regimes e/ou ressurgimente de robin hoods (movimentos de mudança).

    O clube med europeu está manietado e impotente para poder melhorar e desenvolver o país. Está manietado pela Alemanha principalmente.

    É simples. O projecto de trazer gas natural via magrebe morreu em Portugal e Espanha. Este projecto dar-nos-ia a independencia e principalmente a TORNEIRA para abrir e fechar o fornecimento de gas à europa do norte. Mas pronto, a UE faz-nos gastar a massa do orçamento todo em maluquices co-financiando PROJECTOS inviaveis e investimentos megalomanos. E claro, o dinheiro para fazer os pipes do magrebe para Portugal já não existem.

    Mas os Alemães mantem, atraves da basf, uma parceria com a gazprom russa – a nothstream – cuja actividade é fornecer gas à europa. Esse gas passa todo exclusivamente pela Alemanha. E esta nem permitiu que se desenvolvesse o projecto Nabuko, que era uma alternativa`europeia à rota do gas.

    As grandes coisas passam por estes negócios. E a Alemanha consegui distrair os governos do clube med com apoios que na verdade esgotam os orçamentos de estado para aquilo que é importante.

    Sioux

  13. Luís Teixeira Neves diz:

    Para os meninos que brincam com a playstation: http://video.google.com/videoplay?docid=7393572071611328722#

  14. Jose Simoes diz:

    Mas os turcos não andam a bombardear o norte do iraque repetidamente à anos.

    E aqui ninguém se preocupa com a violação do direito internacional?

    José Simões

Os comentários estão fechados.