Indignação

A RAI tomou uma das medidas mais estúpidas de que eu já ouvi falar: vai deixar de passar repetições de lances controversos (uma medida que, para além de estúpida, não serve para nada, porque a RAI passa pouco futebol ou quase nenhum). O director da RAI, numa frase de incomensurável burrice e profunda incultura desportiva, disse que este gesto que-se-quer-fidalgo servia para que, a partir de agora, pudéssemos todos “pensar futebol” (expressão horrível) com “mais profundidade e menos gritaria”: puro disparate, porque o futebol também é gritaria, também é polémica, é para ser gozado na antevisão do jogo, gozado no acto de o jogar e de o ver jogar e gozado na discussão posterior e tendencialmente infindável do que foi jogado. Esta besta quer acabar com as colunas do Rui Santos, com os programas do Pôncio, com as discussões nos cafés, com as discussões ao jantar, com as discussões nos intervalos, com os berros, com os impropérios, com as ameaças de cabeçada – esta besta quer o quê? Com esta medida, a RAI mostrou the shape of things to come; as repetições já não passam nos ecrãs gigantes dos estádios, para não enfurecer as massas, que se presumem estúpidas e ceguinhas (e que o conhecimento da verdade poderia desinquietar); a UEFA já só permite uma-repetição-só-uma nos jogos da Liga dos Campeões, por causa das escandaleiras e dos roubos de igreja que também lá há; e a associação italiana de árbitros também achou muito bem, para os seus filiados poderem continuar a fazer merda e dormir depois descansados. Com esta medida, a RAI escreveu também filosofia sem saber: o futebol asséptico que ela nos oferece – sem erro que se veja, sem contestação da autoridade e sem conflito – é uma gigantesca parábola do mundo que se prepara – mas que a força do futebol de rua sempre impedirá que venha a triunfar sem oposição. Se o futebol é a vida, o novo sanitised football que nos querem impingir (tão emocionante como uma partida de curling) é um desporto de mortos-vivos.

(Publicado também no Albergue Espanhol)

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a Indignação

  1. Tiago Mota Saraiva diz:

    Uma bela medida que a FIFA elogiará.
    Não te esqueças que os jogadores já não pode jogar com a camisola fora dos calções (como o grande Steve Archibald) e tirar a camisola para festejar um golo dá direito a cartão amarelo, e os espectadores, com a história das cadeiras, não podem ver o jogo em pé. Qualquer dia é proibida a falta e quem assiste no estádio terá de ter cintos de segurança para ficar preso ao lugar – com o respectivo aumento dos preços dos bilhetes.

  2. Justiniano diz:

    Caríssimo Figueira, rasgo aqui um pequeno paralelo com o que seria a corrida de bois com ventosas!!

Os comentários estão fechados.