E porque não se dedica só à literatura (abaixo de literatura)? Ou ao futebol? Ou ao Brasil (apesar da sua preferência pela lusitaníssima ortografia)??

Bom, vou seguir o conselho do Nuno: está muito calor para escrever mais do que duas linhas. É esse o espaço a dar ao tipo da foto. Nunca pára de (não) surpreender.

Da personagem lembro-me de dois “pensamentos” (aquilo é só “pensamentos” tornados opiniões, e estes dois são dos melhores):

– agora que Foz Côa tem inaugurado um museu sobre as gravuras, escreveu algures o (eminente) peleontólogo e arqueólogo da foto que aquilo não valia nada, eram só uns arranhões da treta nas pedras. Como dizer, por exemplo, que um Pollock, um Jackson Pollock, não passaria de umas mijadelas para uma tela deitada no chão (esta o tipo não disse, de facto, mas das gravuras disse ser aquilo lixo puro).

– disse ainda que (esta é famosa) os professores eram uns parasitas bem pagos, os mais bem pagos, aliás, depois acho que processou umas pessoas porque afinal não disse, mas disse que eram uns preguiçosos (canalhas, pá) que não queriam ser avaliados, para, apesar de medíocres, conservarem toda a vida um empregozito (com os costumeiros privilégios do funcionalismo público).

E agora, escreve isto no “Expresso” de hoje (sobre o Freeport, assunto de que é especialista, como de Pinto da Costa, da Rede Natura, do Sul, de contentores e do rio Tejo, de jipes, de Algarve, do Alqueva, de “literatura abaixo de literatura”, etc.):

O MP [Ministério Público] limitou-se a acusar dois ex-funcionários do Freeport por tentativa de extorsão á empresa, deixando cair todas as suspeitas de corrupção, tráfico de influências e financiamento partidário ilegítimo, conclusão a que os ingleses já haviam chegado há mais de um ano e a que qualquer pessoa com um mínimo de experiência em matéria de investigação criminal há muito teria chegado por si própria.

Bravo, “qualquer pessoa”…. “qualquer pessoa” ….

Como eu admiro este faro, esta experiência fulgurante, este não hesitar no alvo, esta certeira espreitadela, esta propensão para a caça grossa ….

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

4 respostas a E porque não se dedica só à literatura (abaixo de literatura)? Ou ao futebol? Ou ao Brasil (apesar da sua preferência pela lusitaníssima ortografia)??

  1. Sobre esse fulano, nem me pronuncio nem o leio, por respeito aos seus maiores.

    Alternativa literária, em que o último verso é dedicado a esse bestunto:

    Sonnet on the Death of the Man Who Invented Plastic Roses

    A Poem By Peter Meinke

    The man who invented plastic roses is dead.
    Behold his mark: His undying flawless blossoms never close
    But guard his grave unbending through the dark.
    He understood neither beauty nor flowers.
    Which catch our hearts in nets as soft as sky
    And bind us with a thread of fragile hours:
    Flowers are beautiful because they die.
    Beauty without the perishable pulse
    Is dry and sterile, an abandoned stage
    With false forests. But the results
    Support this man’s invention; he knew his age:
    A vision of our tearless time discloses
    Artificial men sniffing plastic roses.

  2. E uma outra alternativa à péssima lit. desse cretino:

    Ayn Rand – Capitalism, The Unknown Ideal

    Blackstone Audiobooks | ISBN: 0786198311 | 2000-10 | MP3 | 144 Mb

    a review/comment:

    She certainly makes the case in a true poetic fashion.

    This collection of essays shows how brilliant of a thinker and writer Ayn Rand was.

    How she is able to expose the moral fallacies behind the current altruistic/collectivist philosophy, it’s amazing.

    She puts into words the many things I believe many of us feel inside but don’t really know how to express in words, or have been conditioned to suppress by our culture and schooling.

    This is quite an educational piece of literature.

    All too often, free-market and freedom advocates fail to make the moral case.

    They make the mistake of defending freedom and Capitalism from an altruistic perspective — it is the best economic system for the common good.

    But this is a mistake, as Ayn Rand points out, while that fact is true, it alone is secondary to the fact that Capitalism is the only political/economic system that is compatible with individual rights.

    That is it’s true moral virtue.

    The Amazon editorial review is a disgrace!
    It is not an objective review, but a personal ideological attack.
    The statements made in that review are baseless and no attempt is made to justify them.
    Amazon should be ashamed!

  3. lingrinhas diz:

    Mas o que o sr vidal não explicou – porque é que ele não tem razão!

  4. Não há dúvida que se trata de um excepcional coirão que ainda por cima dá calinada sobre calinada na nobre língua portuguesa.

Os comentários estão fechados.