Re: Ah, mas são livres

Camarada,

Muito sensibilizada por teres pensado em mim. Gostava muito de ficar aqui contigo a discutir a liberdade que as imigrantes muçulmanas que usam burka têm para usar ou usar burka, mas ao contrário delas, eu não tenho escolha: ninguém me propôs a burka nem a possibilidade de ficar fechada em casa, e sem nenhuma consideração pela minha consciência, obrigaram-me a ser independente economicamente, como me obrigam agora a tirar férias; vou por isso prosseguir na minha marcha hetero-determinada pela sociedade de consumo rumo à opressiva Toscânia, onde procurarei curar-me da minha intolerância para com as imigrantes muçulmanas, e sobretudo desfazer-me das intenções veladas que tu desmascaraste muito bem, e que consistiam em impor os meus trapos a todas as mulheres que já usufruem da liberdade de usar ou usar burka, violando o último reduto das suas consciências livres. Permite-me que em vez da pena do cilício ou dos horríveis wonderbra, eu faça aqui a minha retractação pública, comprometendo-me a repetir, entre dois Caravaggios e um ou mais copos de Chianti, mas sempre de mamas em riste: “as muçulmanas são livres – as muçulmanas são livres – as muçulmanas são livres – as muçulmanas são livres – as muçulmanas são livres – as muçulmanas são livres…” – céus, funciona, já começo a ver que sim, as muçulmanas que usam burka são livres de decidir entre a burka e a burka. Et vive la liberté!

Abraço desta condenada a férias,
m.

P.S. Eu estou convencida, camarada, mas solicito instruções sobre como convencer uma imigrante muçulmana livre vestida livremente de burka mas pouco informada sobre o seu inalienável direito a usar burka caso ela me pergunte, em Itália ou noutro sítio qualquer, por que razão eu, e as restantes feministas da nossa praça, nos encolerizamos de cada vez que a Igreja Católica Apostólica Romana manda bitáites sobre a nossa contracepção, mas nos calamos bem caladinhas sobre as burkas que ela, cidadã como nós, é obrigada a vestir livremente. Estava a pensar dizer-lhe que criticar a burka é uma ofensa à nossa consciência multicultural, mas não sei se isto da consciência multicultural tem precedência, em caso de colisão de direitos, sobre o direito que ela e outras imigrantes livres têm de escolher livremente entre a burka e outra coisa que não a burka. Please advise.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

24 Responses to Re: Ah, mas são livres

Os comentários estão fechados.