Qual Jack Lang, qual quê!

Tenho de confessar que estou muito interessado na Ministra da Cultura, Gabriela Canavilhas. Sim, é uma mulher bonita, mas tenho de admitir que o meu interesse é puramente intelectual. A sério. Estou convencido que a actual ministra da Cultura é uma das mais estimulantes pensadoras filosóficas da actualidade.

Ainda há pouco brindou-nos com o intrigante conceito de “dramático não preocupante“, uma proposta conceptual que talvez só se possa entender recorrendo a figuras igualmente paradoxais, como o “divertido entediante”.
Agora, a Gabriela Canavilhas proporciona-nos uma figura filosófica ainda mais intrincada.
A propósito da demissão do director da Direcção-Geral das Artes, um comunicado da Ministra da Cultura informa-nos que:
– o dito director era incompetente;
Рal̩m de incompetente, ṇo fazia nada;
– além de ser incompetente e não fazer nada também era responsável por todos os problemas da dita Direcção;
Рsendo incompetente, in̼til e causador de problemas, a figura em causa queria demitir-se desde Fevereiro;
– apesar de ser incompetente, inútil, problemático e demissionário, não podia ser substituído pois isso geraria ainda mais problemas;
– a figura em causa, apesar de ser incompetente, inútil, problemático, demissionário e insubstituível, demitiu-se mesmo assim e isso é bom, pois agora tudo vai poder funcionar muito melhor.
Já li várias vezes as notícias sobre o comunicado e confesso que continuo perplexo perante este misterioso conceito do “incompetente imprescindível”. Louve-se por isso a senhora Gabriela Canavilhas. Como ministra da Cultura talvez seja pouco melhor do que o seu antecessor, mas pelo menos sempre nos vai servindo alguns apaixonantes quebra-cabeças filosóficos. 
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 Responses to Qual Jack Lang, qual quê!

  1. Tiago Mota Saraiva diz:

    Jorge, andava a borbulhar sobre o tema mas acho que muito do que tinha para dizer está aqui escrito.

    • Morgada de V. diz:

      É lamentável que a ministra da Cultura não acredite no que prega: no funeral do Saramago, disse que não havia palavras porque o escritor as levou todas; afinal guardou uma quantidade manifestamente excedentária.

  2. Pingback: Tweets that mention cinco dias » Qual Jack Lang, qual quê! -- Topsy.com

  3. antonio diz:

    Não sei nada da referida sra. enquanto ‘ministra’ lá disso, mas enquanto melómano axo que é uma das piores pianistas que alguma vex já ouvi…

    😉

  4. Anónimo diz:

    Este antonio que se diz melómano é mas é uma coisa que eu cá sei!!! Ouvi, é certo que já há alguns anos, a senhora em mais do que uma ocasião e fiquei tocado pela extraordinária sensibilidade, inteligencia musical e bonito som com que nos brindava. Tenho aliás 2 discos dela que continuo a ouvir com o maior prazer. Há gente para quem vale tudo. Não vale, antonio, não vale. Ou achas (axas!!! – significativo) que convenceste alguém que sabias de musica?

  5. Anónimo, quem se diz melómano é porque não é. Eu cá nunca disse tal de moi-même.
    Melómano és tu ou a tua avó-torta em teu lugar.

    Uma das minhas falecidas tias foi aluna do Viana da Motta e tirou o Conservatório com 19 (em 20).

    Um dos meus primos é pianista e vice-director de um serviço qualquer de uma fundação qualquer cujo nome agora me está a escapar….
    😉

    Um dos meusmelhores amigos é pianista acompanhador, e estudou em Viena e em Londres com o tipo que acompanhava a Schwarzkopf nos recitais.

    Etc.

    Não me faltam pontos de comparação, mesmo sem ser malucómano.

    E reafirmo, e não sou só eu a pensar assim: a Canavilhas, ainda bem que está de ministra, porque enquanto pianista é imprestável.

    Mas gõstos e côres…

  6. E por acaso até sei de música, mas melómano é um exagero a despropósito, sorry…

Os comentários estão fechados.