leituras (I)

“Queerness is not yet there. Queerness is an ideality. Put another way, we are not yet queer. We may never touch queerness, but we can feel it as warm illumination of an horizon imbued with potentiality. We have never been queer, yet queerness fos us as an ideality than can be destilled from the past and used to imagi…ne the future.”

José Esteban Muñoz é um daqueles autores que de vez em quando se tem cruzado comigo por causa do meu interesse nas intersecções entre a sexualidade e os processos de mobilidade que caracterizam as sociedades contemporâneas. “Cruising Utopia – the then and there of queer futurity” é o seu último livro, e está a ser uma óptima companhia na viagem diária do 28…

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a leituras (I)

  1. Pingback: leituras (I) « Paulo Jorge Vieira

  2. antonio diz:

    Tomando nota…

    Aqui fica uma ‘coisinha’ de um gajú que chegoua a ser casado com uma amiga que não vejo há tempos… e que é excelente.

    🙂

    XIII

    Anda, vou-te mostrar a terra
    dos teus pais, avós, antepassados
    tão antigos que os podes escolher.

    Este aqui é noé, de barba por fazer;
    meteu na arca puro e impuro, bem e mal,
    inventou o vinho, homem melhor
    da sua geração ( não é grande elogio ),
    teve filhos, netos, é de crer que morreu.

    Estoutro, não sei bem, era pirata na malásia.

    Vês as colinas? São tuas, quando
    as olhas a direito. Realmente tuas,
    parte de um mundo teu.

    Sim, isso são filosofias,
    tens razão. ( E tem graça ao ter razão ).

    Anda daí, vou mostrar-te o colete de forças
    onde era costume, sabes, tratar casos assim.

    António Franco Alexandre, Quatro Caprichos, Lisboa, Assírio & Alvim (1999)

  3. antonio diz:

    E parece que esse seu cubano-americano anda a preparar isto, também vou’encomendar’, quando sair:
    Feeling Brown: Ethnicity, Affect, and Performance

Os comentários estão fechados.