E agora para coisas realmente importantes

A esmagadora maioria dos entrevistados da Sábado chama “bebé” ao mais-que-tudo ou à mais-que-tuda (abreviado em futuras referências para “m-q-t” – leia-se “mê-quê-tê”), não se sabe se por influência pessoana, se romana. Os eventuais antecedentes literários deste hábito nefasto não devem porém servir de atenuante na pena que divisei: que todos os que tratam assim os m-q-t’s fiquem, nas coisas do amor, a chuchar no próprio dedo.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a E agora para coisas realmente importantes

  1. The silly season:

    The silly season is the period lasting for a few months (starting in mid to late summer in the Northern Hemisphere) in the United States, the United Kingdom,Ireland, Canada, New Zealand, Portugal, and Australia typified by the emergence of frivolous news stories in the media and blogs.

  2. JMG diz:

    Constato com agrado e admiração que, não obstante a natureza dita (não por mim) “silly” do assunto, nem por isso pôs de parte o costumeiro rigor descritivo, que aflorou exemplarmente na sua última frase: de facto, dizer apenas, como é uso, “a chuchar no dedo”, não teria deixado inteiramente clara a veemência da maldição que lançou.

  3. Morgada de V. diz:

    A estação pode ser tola, mas o rigor é de lei nas pragas & maldições.

Os comentários estão fechados.