A estrela Carlos Queiroz

Longe de ser a terceira melhor equipa do mundo (como o ranking FIFA engana), a milhas da qualidade da Argentina, da Alemanha ou do Gana, a equipa de Queiroz voltou para casa. A eliminação da selecção às mãos da campeã europeia até parece uma situação normal, num mundial em que Portugal abdicou do futebol – excepção feita ao jogo com a Coreia do Norte que, aliás, começou bastante mal.
Queiroz ainda não percebeu que um seleccionador se tem de adaptar aos jogadores e não o contrário. Por isso é que nas selecções o nome de treinador perde eficácia. Aliás, selecções que se adaptam aos modelo de jogo do clube da maioria dos clubes de proveniência dos seleccionados, o que seria da Espanha sem o Barcelona ou do Portugal de Scolari sem o Porto de Mourinho? Queiroz não só não o percebeu como as suas opções violentaram as rotinas naturais dos jogadores que seleccionou – desde um Ronaldo a jogar a ponta de lança, um Liedson ou Hugo Almeida a jogarem a extremos, um Deco a jogar no flanco (teve toda a razão nas críticas!), e um Pepe sem ritmo a trinco. Mas os erros de Queiroz começaram logo nas suas escolhas. Recorde-se que Fábio Coentrão não era uma escolha certa, e jogadores como Carlos Martins, João Moutinho ou João Pereira – de longe o melhor lateral direito português, fizeram muita falta.
Aquando do anúncio das escolhas dizia-se que era a táctica. Que Queiroz havia optado por um 4x4x2 e não pelo tradicional na selecção portuguesa dos últimos anos 4x3x3. Mas a táctica da selecção foi precária. Do 4x4x2 do inicio de partida passava rapidamente para um 4x1x4……1 ficando Ronaldo parado na frente. Depois, sempre que algo não estava a correr bem, sentia-se as hesitações do banco. Quando Queiroz mexia na equipa era a desgraça. Embora as alterações fossem sempre um pouco as mesmas como refere o Nuno, os que ficavam dentro de campo, não sabiam o que fazer. Ontem, no jogo com a Espanha, depois de tirar um inspirado Hugo Almeida deixando Ronaldo sozinho na frente, demorou uns minutos para ter de desfazer a substituição colocando Liedson. Mas para onde foi jogar Liedson? Para extremo, continuando Ronaldo, sozinho na frente.
Queiroz foi um excelente treinador de selecções jovens. Aí sim faz sentido chamar de treinador, quando muito há a aprender e quando os jogadores ainda estão por trabalhar. Os jogadores que chegam a uma selecção sénior já são todos profissionais experimentados, têm rotinas de jogo e sabem perfeitamente onde devem jogar. Queiroz teve a arrogância de pensar que era a estrela da companhia quando, no fundo, era apenas um seleccionador.

Também publicado aqui

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a A estrela Carlos Queiroz

  1. anon diz:

    Sem tomates é obvio que não há ketchup.

  2. jal diz:

    Lamento, mas discordo por completo da análise. A eliminação não se deveu a qualquer fracasso de ordem desportiva, mas a uma atitude patriótica em resposta a um pedido do Querido Líder Cavaco.
    A explicação em: http://travessadenenhures.blogspot.com/2010/06/seleccao-e-o-querido-lider-cavaco.html

  3. Rodrigo diz:

    o melhor lateral direito português não é lateral direito, é o ruben amorim

  4. The Studio diz:

    Ahahahah…

    Longe de ser a terceira melhor equipa do mundo (como o ranking FIFA engana), a milhas da qualidade da Argentina, da Alemanha ou do Gana (…)

    Só li até aqui… é evidente que o Tiago não sabe do que está a falar. A milhas do Gana??? Será que o Tiago sabe a diferença entre futebol e patinagem artística? Mesmo com o Queiroz a treinador, já não perdíamos um jogo desde 2008, e neste mundial, em quatro jogos apenas sofremos um golo e mesmo esse em fora de jogo.

    O Gana, mesmo num grupo de caca só se apurou graças à gentileza de um árbitro que perdou um penalti escandaloso no Sérvia-Austrália que daria o apuramento aos Sérvios. E nós apenas fomos eliminados com um golo irregular.

    Fale lá mas é dos direitos dos trabalhadores e não se meta naquilo que não sabe.

  5. Francisco diz:

    Concordo com o Tiago Saraiva em tudo o que disse.
    Quando este suposto treinador foi contratado, pensei logo está tudo estragado. O homem não tem perfil de lider, não é um vencedor, ainda por cima pensa que é, então desata a inventar. Não escolheu os melhores jogadores para a selecção, não os pôe a jogar no lugar certo, não sabe motivar os jogadores, nem o público. Reparem no inicio disse que com o Scolari, Portugal não ganhou nada, com ele iam ser campeões, (que ridiculo) ni final depois deste desastre completo e humilhante para o nosso País, aparece no aeroporto, com um ar provocante a rir-se duma forma cínica, para os adeptos que o criticavam. Como quem diz tenho contrato por mais dois anos e se me mandarem embora, já tenho o meu futuro assegurado.
    Uma vergonha.
    Será que temos que gramar esta pastilha por mais dois anos?
    Lanço daqui um apelo a todos, temos que nos manifestar de qualquer modo. Organizando um baixo assinado a nível nacional ou manifestacão, seja o que for. Isto é uma afronta o nosso País.
    Basta de mediocridade e fatalismo.
    Mais o Ronaldo tem toda a razão em criticar este fantoche.

  6. llaaeell9090 diz:

    Porque ninguem fala que o esquizofrenico comportamento do incompetente(lugar comum) sem vergonha Carlos Queiroz está
    tipificado como crime p. e p. nos artigos 180º e 184º , ambos do Código Penal ?
    E é este o “nosso” Seleccionador Nacional num País sem VERGONHA …

Os comentários estão fechados.