Para os que estão fartos de racismos chiques

Ler este excelente texto do pedro bala:

(…) E da mesma forma que comentadores estrangeiros ridicularizavam os norte-coreanos por treinarem num ginásio público enquanto as demais selecções têm os ginásios privados dos hotéis de luxo, o jornal português i teve uma tirada fantástica. “Os norte-coreanos, uma formação de homens esforçados e orientados por uma disciplina quase doentia (nunca fazem faltas e marcam-nas sem excepção no local exacto onde foi a infracção), sentiram o peso da desvantagem e começaram a abrir brechas.” O que para todas as outras selecções seria sinónimo de fairplay – não fazer faltas e marcar exactamente onde se as sofreu – é, no caso da Coreia, sinónimo de orientação “por uma disciplina quase doentia”. (…)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 Responses to Para os que estão fartos de racismos chiques

  1. Harry Lime diz:

    Sim, e’ uma disciplina quase doentia.

    O futebol, como em qualquer outro jogo, joga-se nos limites das regras: os avancados estao “quase” em fora de jogo (a lei nao diz que deve, estar 10 metros atras do penultimo defesa, pois nao?), existem faltas “uteis” (sim, existem faltas uteis: se eu cometer uma falta para parar um contra-ataque adversario, os meus colegas vao-me aplaudir, o meu treinador vai gostar e os meus adeptos vao adorar)

    E sim, a malta simula faltas para sacar cartoes e ganhar penalties.

    E porque e’ que o faz? Porque pode. Os norte coreanos que percebam que tambem podem, caracas. Nao ha’ nenhum premio para os mais santinhos.

    PS. Por falar em comparacoes: a Coreia do Sul passou ‘a segunda fase… faz-nos pensar, nao faz?

  2. JMJ diz:

    Harry,

    será uma “disciplina quase doentia”, não fazer simulações ou marcar a falta no sitio e tentar evitar as faltas? É que, apesar de tudo, ainda houve 2 cartões amarelos contra a Coreia do Norte, nas poucas faltas feitas.

    Não será de se valorizar o controlo emocional, mesmo estando a perder por 5, 6 ou 7 a zero? Será preferivel valorizar a libertinagem (tão “Maio de 68”) do estagio Francês?

Os comentários estão fechados.