Coisas que eu aprendi no Brasil, n.º 1

O Dr. Luiz Silva, chefe da Secção de Odontologia Legal do Laboratório de Antropologia anexo ao Serviço de Identificação do Gabinete de Investigações de São Paulo, fez, em 1937, uma incursão pioneira no terreno das relações entre a morfologia dentária e o psiquismo dos indivíduos. Intitulado “A prostituição em face da odontologia legal“, publicou nesse ano um estudo destinado a dar resposta à questão de saber se “as meretrizes apresenta[va]m, no terreno odontológico, algum estigma capaz de ser responsabilizado como fator capital, ou mesmo coadjuvante, do seu desvio moral“. A esta excruciante questão, o especialista respondeu, em síntese, o seguinte: “Não há dúvida que o dente humano mantém íntima relação com o psíquico. Mas pelos estudos atuais, que apenas permitem conhecer a solidariedade entre o dente e o psíquico em alguns casos de psicoses, ainda não nos é possível determinar, como fizeram Tarnowski, Lombroso e outros, a positiva existência de uma relação entre a prostituta e o dente.”

In Fausto, Boris (2009 ) O crime do restaurante chinês – carnaval, futebol e justiça na São Paulo dos anos 30, São Paulo: Companhia das Letras, p. 105, adap. (ver mais aqui, aqui e aqui.)

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a Coisas que eu aprendi no Brasil, n.º 1

  1. Morgada de V. diz:

    Welcome back. Pensei que tinha estado no Rio, mas bloody São Paulo é um mundo.

  2. Harry Lime diz:

    A esta excruciante questão

    Tens a certeza que a palavra “excruciante” existe na lingua portuguesa? Eu nao tenho…

  3. António Figueira diz:

    Dicionário Houaiss, página 3683 (agora, como castigo, tens de ler o dicionário inteiro até essa página e depois fazer um resumo de tudo o que leste).

Os comentários estão fechados.