Leituras: o negro nas novelas


Examinar a representação dos atores negros em quase 50 anos de história da telenovela brasileira, principal indústria audiovisual e dramatúrgica do país, é trazer à tona a decadência do mito da democracia racial, sujando assim uma bela mas falsa imagem que o Brasil sempre buscou difundir de si mesmo, fazendo crer que a partir de nossa condição de nação mestiça, superamos o “problema racial” e somos um modelo de integração para o mundo.

Nenhum dos grandes atores negros parece ter escapado do papel de escravo ou serviçal na história da telenovela brasileira, mesmo aqueles que quando chegaram à televisão já tinham um nome solidamente construído no teatro ou no cinema, como Ruth de Souza, Grande Otelo, Milton Gonçalves e Lázaro Ramos. Esta afirmativa pôde ser constatada na pesquisa que fizemos sobre a representação do negro na história da telenovela brasileira, que deu origem ao filme e livro “A Negação do Brasil.”

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 Responses to Leituras: o negro nas novelas

  1. Abílio Rosa diz:

    Toda a gente diz que os EUA é que são racistas.

    Mas a minha experiência me aconselha a dizer que onde o racismo é mais sofisticado e subtil é no Brasil.

    Enquanto nos EUA existe uma considerável classe média afro-americana, no Brasil os negros estão praticamente excluidos da vida politica, económica e social.

    Até o Mundial de Futebol, o Carnaval e a Religião dos Orixás, serve para ir distraíndo o pobre negro, encravado nos môrros e nas favelas, com a cachazinha à mistura.

    Mas é «politicamente correcta» dizer que o Brasil é uma sociedade multicultural, o-bla-di-o-bla-dá…

  2. Marota diz:

    O mais interessante nesta questão, é que quase todos os brasileiros com quem falo, negam a existência do racismo no Brasil. São uma “gracinha”, estes brasileiros.

  3. Marota diz:

    Este meu último post, documenta que eu sou daquelas pessoas que só lê títulos e vê as fotografias. Manafazmali um dia ainda hedi melhorari.

  4. augusto diz:

    Então e a eterna Xica da Silva a Negritude Linda a Zezé Motta….

  5. augusto diz:

    Se nos lembrar-mos que até Pedro de Alcantara e Bragança, o nosso Pedro IV , e que foi o primeiro imperador do Brasil , teve filhos de mulheres cor de chocolate, talvez seja isso que leva os brasileiros a dizer que não há racismo, em suma boa parte do brasileiro é mestiço.

Os comentários estão fechados.