Sugestões musicais 2010 (compilação)

Eis algumas sugestões musicais de 2010:

A electrónica negra e viciante vinda do Canadá:

Um dos grandes singles deste início de ano (embora tenha saído nesse formato ainda em 2009):

 

Algures entre os Real Estate e os Wavves, mas com um som mais aberto e acessível, eis a estreia discográfica desta banda da Flórida:

Depois da obra-prima In The Heart of the Moon eis o maravilhoso regresso discográfico conjunto do grande mestre da kora Toumani Diabaté e da malograda referência do blues africano Ali Farka Touré:

Depois do injustamente desprezado 100th Window de 2003, eis, sete anos mais tarde, o óptimo regresso discográfico dos Massive Attack, com Heligoland. Ficam duas propostas:

A combinação claustrofóbica entre a electrónica densa, as guitarras e a voz intensa e sombria de Horace Andy, a remeter-nos para os tempos de Mezzanine, neste “Girl I Love You”:

Em formato de canção pop, a melancolia lindíssima de “Saturday Come Slow”, tema que conta com a participação vocal do genial Damon Albarn:

(imagens do grande filme de culto Donnie Darko)

Muito interessante, a fusão no disco “San Patricio” entre as linguagens tradicionais da Irlanda (Chieftains) e do México (Chavela Vargas, Lila Downs, Los Tigres del Norte, etc), com o toque de midas do grande mestre Ry Cooder, o tal que, por exemplo, foi responsável nos anos 90 pelo projecto Buena Vista Social Club:

A beleza do piano, o tom sobriamente épico dos metais, a melancolia do dueto vocal, a distorção suave da guitarra… a magia do post-rock. Ponto alto de um óptimo disco do género, proveniente de uma banda sueca:

Sete anos depois, vejam bem quem voltou… e com Graham Coxon. Este single, com uma progressao algo malancólica e com uns pozinhos de shoegaze e de experimentaçao, bem à medida dos últimos dois discos com Coxon (“Blur” e “13”),  promete…

Muito mais por gosto pessoal (hip-hop e sintetizadores retro juntos é demasiado para mim) do que por falta de reconhecimento de qualidade, nunca fui grande fã dos Gorillaz. Embora aceite plenamente que seja um excelente disco, também não é com Plastic Beach que vou ficar rendido aos seus encantos, mas, mesmo para mim, “Stylo” é um singalhão:

Os Spoon são daquelas bandas muito fiéis ao seu som, que passa por uma linhagem rock, melódica q.b, cheia de groove e muito marcada pela voz inconfundível de Britt Daniel. Em “Transference” a viciante banda de Austin (Texas) volta a não trazer grandes novidades mas, apesar de não deslumbrar como em “Ga Ga Ga Ga Ga” de 2007, volta a impressionar pela coerência e pela vitalidade.

Pode não ter o lado mágico dos The Shins (em particular da sua obra-prima inicial, “Oh Inverted World) e incluir alguns momentos mais easy-listening, mas ouve-se com agrado o projecto paralelo de Jamer Mercer (vocalista dos The Shins) com o produtor Danger Mouse (Gnarls Barkley):

Embora não totalmente, parece que, ao terceiro álbum, os Beach House finalmente me convenceram. O som não sofreu alterações radicais, continua a estar muito assente numa dormência algo etérea e sombria e no arrastamento dos teclados e da voz de Victoria Legrand. Mas há aqui uma maior vivacidade, uma maior intensidade, …um som mais aberto e mais luminoso, que o torna, para mim, num disco francamente mais consistente e versátil que os seus antecessores:

Nota: Em breve, mais sugestoes musicais deste ano…

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 Responses to Sugestões musicais 2010 (compilação)

  1. Renato Teixeira diz:

    Muito bom. Já nem é preciso abrir o Media Player para vir para a tasca. Tu tratas disso por nós. 😉 Além do mais os que cá andavam dificilmente conseguiriam escolher algo além do Zeca, do Zé Mário ou do Manu Chau…
    😉
    Mais!

  2. agent diz:

    Do que consigo perceber – estou, de momento, sem acesso aos vídeos, logo estou em branco quanto às duas primeiras sugestões – concordo com grande parte da análise. As excepções:
    – acho este regresso dos Massive uma desilusão, o disco tem duas ou três boas malhas mas o resto acho dispensável, pelo menos está muito abaixo do nível a que me habituaram;
    – dentro do “plastic beach”, o “stylo” é uma das piores escolhas possíveis para primeiro single – “empire ants”, “on melancholy hill”, “broken”, “superfast jellyfish”, “plastic beach”, entre outras evidentes melhores opções;
    Рṇo gostei deste regresso dos Blur, parece-me mais um ladoB de qualquer single dos discos referidos.
    Aproveitando a oportunidade, acrescentava à lista:
    Lindstrøm & Christabelle – Real Life Is No Cool
    Caribou – Swim
    The Knife, Mt. Sims, and Planningtorock – Tomorrow, In a Year (só o CD2)
    These New Puritans – Hidden
    The Morning Benders – Big Echo
    Pawel – S/T
    Four Tet – There Is Love In You
    e o S/T dos The Drums, que ainda está em fase de ponderação se merece tal privilégio.

  3. agent diz:

    Ups… faltou o material lusitano. Sem pensar muito: Orelha Negra.

  4. Agent:

    Massive é talvez apenas e só o disco que mais gostei 😉 Acho uma súmula perfeita de toda a sua carreira, com um pouco de tudo e com convidados fantásticos.
    Caribou é a primeira sugestão 🙂
    Falta muita coisa nesta pequena lista de escolhas. Four Tet é seguramente uma dessas coisas que faltam.
    Quanto ao material lusitano, sem pensar muito: Deolinda

Os comentários estão fechados.