God Christ!

Jornalismo desportivo… no seu melhor.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

12 Responses to God Christ!

  1. Antonio Mira diz:

    Será uma homenagem à Cesaria…

  2. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Já estou farto do mundial ainda não começou. Não é possível criar o movimento: Sabes onde podes colocar vuvuzela?

  3. António Figueira diz:

    Não estás atento, Nuno: criei no Facebook um movimento contra a poluição sonora causada pela vuvuzela (Liga Anti Vuvu) que está a receber um apoio entusiástico das amplas massas (três inscritos em 15 dias, incluindo a minha filha).

  4. Abílio Rosa diz:

    O «jornalismo» desportivo português aproxima-se perigosamente do estilo «jornalístico» dos «famosos e do «jet-set» indígena.

    Uma miséria autêntica.

    Quanto à selecção receio bem que se repita o «flop» do último Euro na Suiça.

    Muito folclore e cagaçal, e resultados risíveis.

    (Oxalá que a selecção tenha bom comportamento, não pelos adeptos de cá, mas principalmente para satisfação dos portugueses que vivem nos países da África Austral, muito abandonados pelos serviços diplomáticos de Portugal).

  5. Inteligências! Eu vou mais com a karen Blixen: Out of Africa.

  6. psd da boa-fé diz:

    Ora, ora, o galego está mas é com inveja…

  7. Antonio Mira diz:

    Ui! Quanta gente!

    Nuno: Partilho esse tédio pelos mundiais… liguem-me só quando chegarem as semifinais.

    António: Já faço parte do grupo. A pesar de ainda não ter ouvido nenhuma, tremo de medo em pensar o que pode acontecer quando comece o mundial.

  8. Antonio Mira diz:

    Abílio: Eu acho que é a frase “jornalismo desportivo”… não sei, acaba sendo um oximoron como “inteligência militar… Na Espanha é igual só que acrescentando, claro, a questão dos “cojones” (porque, na Suíça ou em Libéria, os homens nascem como o Ken da Barbie, sem atributos).

    O outro dia li não sei onde que os mundiais eram uma mostra obscena de racismo e que serviam para largar as nossas pulsões nacionalistas cada quatro anos. Claro que todo o artigo era piada, mas no fundo… não será que houve portugueses que se alegraram dos gregos estarem fodidos?? (e desculpem por reavivar velhas feridas).

    Blondewithaphd: Boa escolha. Eu, que levo um ano um bocadinho obsceno, acabarei de dar conta do badalhoquíssimo Rubem Fonseca, que me tem fascinado. Ah! E sorte com os papeis legais. Que chegue pronto a liberdade!

  9. Antonio Mira diz:

    psd: Vaites! Um provocador! XD

    Afortunadamente, ao não termos um estado evitamos o idem de parvoíce que apanha cada quatro anos aos patriotas. Não se confunda, ser inter-nacionalista galego não passa, afortunadamente, pelo patriotismo exacerbado. Eu gosto do hino galego, mas porque antes foi poema do que hino (bom… e porque fala de mamas e não de cortar os tomates a ninguém).

    De resto, inveja nenhuma: serei de todas as equipas que joguem contra Espanha (querem maior mostra de inter-nacionalismo) e, também, do Brasil (por questões puramente estéticas). Já ora, aproveitando, de todos as equipas africanas em geral.

    Sobre a selecção galega (que vos juro que existiu), haveria muito que falar… mais acho que isso vai para um post.

  10. Renato Teixeira diz:

    Ui ui… assim vira o Boa Fé o Galego do avesso. O que vale, é que as sardinhas se resolvem no sábado, para que nos sublinhem os desvios com mestria e vinho mais ou menos.

  11. Renato Teixeira diz:

    Quanto ao Mundial não vejo porque não estão excitados. Ver a Coreia do Norte e a Costa do Marfim a arrasar os “conquistadores” em solo africano não podia ser mais entusiasmante, ainda para mais com a Argentina a cuspir fogo. Vuvuzela hard-core time!

  12. Antonio Mira diz:

    Olha, o que faltava na festa.

    Feito, no sábado a gente fala entre sardinhas do motivo de não querer uma selecção no mundial. Mas já pensas-te que a vuvuzela galega seria uma gaita de foles? Sabes o que é uma gaita de foles nas mãos erradas?

Os comentários estão fechados.