Saudação a Uxío

Hoje lembrei-me de Uxío, poeta galego.

A Uxío Novoneyra (não digam que não adoram o nome, pronunciem o -x- como o Sh- de Shakespeare num lascivo perder o ar) foi-lhe dedicado o dia das letras galegas deste ano (já falaremos noutra ocasião dessa celebração-litúrgica de enaltecimento de autores mortos).

Hoje, ainda ecoando o acontecido em águas internacionais  por piratas israelitas e vendo como há quem tenha a pouca vergonha de negar o gueto e fazer piadas sobre o assunto, lembrei-me de Uxío, homem da esquerda.


Lembrei-me, dizia, de um dos seus poemas mais conhecidos, filho estético e temático doutra época. Doutra época?

Uxío foi vendido historicamente como poeta da contemplação, telúrico. Resiste-se bem a isso. A Unamuno doía-lhe Espanha, a Uxío o Vietnam e com certeza a Palestina.

Manuel Rivas tem um artigo no que fala disso (também de Uxío, curiosamente), da famosa dor de Espanha de Unamuno. Numa ocasião perguntou-lhe um jornalista: “Ao senhor doi-lhe Galiza?”. “A mim? A mim doi-me tudo!”. A Uxío também lhe doía tudo.

Encontrei um pequeno discurso de Uxío, no 25 aniversário da primeira vez que José Afonso (não sei se conhecem, o mais português dos cantores galegos) cantou em palco o Grândola Vila Morena. Fora no 10 de maio de 1972, em Compostela, quando o Zeca, depois de participar no concerto feito para os estudantes, decidiu acabar com essa música e acompanhado dos seus camaradas galegos.

Uxío fala daquele concerto, daquela revolta que, no curso de 67/68, enfrentara aos estudantes galegos contra o franquismo e também da alegria de saber da revolução em 74. Depois recita, coa sua voz de poeta velho, o Grândola. Todo um luxo.

Hoje lembrei-me de Uxío e da LETANÍA DE GALICIA na que di:

“GALICIA da dor chora á forza

GALICIA da tristura triste á forza

GALICIA do silencia calada á forza

GALICIA da fame emigrante á forza

GALICIA vendada cega á forza

GALICIA tapeada xorda á forza

GALICIA atrelada queda á forza.”

E remata com:

“sabemos que ti podes ser outra cousa

sabemos que o home pode ser outra cousa.”

Saúde, Uxío!

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

7 Responses to Saudação a Uxío

  1. Renato Teixeira diz:

    Muito boa posta e melhor ainda a dica. Mas diria que quer o poeta quer a posta serão algo nacionalistas, não? 😉

  2. António Figueira diz:

    Interessante, muito interessante e muito obrigado.
    Um destes dias, tenatarei contribuir para o tema.
    A.

  3. Antonio Mira diz:

    Renato: Nacionalista e marxista convencido, por se fosse pouco. Essas coisas esquisitas que temos na Galiza, afortunadamente. Ainda tenho pendente ler o tal artigo do João Bernardo e ter uma conversa com ele. Suponho que não somos inter-nacionalistas apesar de sermos nacionalistas galegos e mais bem por ser-mos nacionalistas galegos é que somos inter-nacionalistas. Mas de alterações do Subcomandante Marcos não vive ninguém.

    Antonio: Agora já ficou escrito, essa contribuição terá que aparecer!

  4. Antonio Mira diz:

    “Anque as nosas palabras sexan distintas e ti negro e eu branco, entendo semelhantes as feridas. Como a un irmao che falo”.
    (Celso Emilio Ferreiro, outro inter-nacionalista(galego) e marxista).

    http://www.youtube.com/watch?v=EBFZxhCjgyo

    letra:
    http://gl.musikazblai.com/fuxan-os-ventos/irmaus/

  5. Antonio Mira diz:

    Ai Morgana! Doicheme tudo!!!

  6. Pingback: Lembranza de Uxío

Os comentários estão fechados.