Coisas que fazem a malta feliz

Prossegue no jugular a série “Coisas que me fazem feliz” já saudada pela crítica, agora em posts multimédia. Nela, Fernanda Câncio revela um fetiche por sandálias que lhe valeu alguns enxovalhos, e imerecidos, porque não há desonra em gostar de sapatos nem nenhum mistério na relação entre o calçado e a felicidade. Já Machado de Assis observara o fenómeno nos homens do seu tempo, dedicando-lhe mesmo um capítulo inteiro nas Memórias Póstumas, chamado “A propósito de botas”. Recuperado em tempo recorde do desgosto de amor que infligiu a Eugénia, a bonita mas coxa Eugénia, conclui Brás Cubas que a vida oscila entre o desconforto dos sapatos apertados e o alívio de os descalçar – o que tem como corolário lógico que andamos todos mortos por descalçar a bota, forma afinal de “felicidade barata, ao sabor dos sapateiros e de Epicuro“. A observação é reforçada por uma personagem de um conto de Assis, de uma antologia que reli este fim-de-semana. O filantropo deixa dito em testamento que a felicidade é um par de botas, e ordena que o seu legado seja gasto nas ditas, a distribuir pelos mais necessitados. A espantosa disposição testamentária tem explicação: incapaz de alcançar uma felicidade que o iludiu, vítima de azares sucessivos, o benemérito vê um dia um transeunte ir risonho e absorto na contemplação das botas novas. “Esse homem, tão esbofeteado pela vida, achou finalmente um riso de fortuna. Nada vale nada. Nenhuma preocupação deste século, nenhum problema social ou moral, nem as alegrias da geração que começa, nem as tristezas da que termina, miséria ou guerra de classes, crises da arte e da política, nada vale, para ele, um par de botas. Ele fita-as, ele respira-as, ele reluz com elas, ele calca com elas o chão de um globo que lhe pertence. Daí o orgulho das atitudes, a rigidez dos passos, e um certo ar de tranquilidade olímpica… Sim, a felicidade é um par de botas…“. De botas, ou sandálias: Machado de Assis, que emendou Séneca, não levaria a mal a interpretação extensiva; e eu, como ele, digo-vos: “Boa noite, e calçai-vos!“.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 Responses to Coisas que fazem a malta feliz

  1. psd da boa-fé diz:

    As minhas sandálias deixam-me apenas vagamente feliz…
    Ao contrário da Câncio e do seu ego, prefiro sempre mirar as sandálias dos outros e, principalmente, das outras: podem aumentar decisivamente a beleza de qualquer cenário (paragem de autocarro, mercearia, jardim, esplanada).

    • Morgada de V. diz:

      Very funny (funny ha-ha, not funny-peculiar). Gostei em particular desta frase: “Cameron eats fish and chips and enjoys reading cheap paperbacks, which is itself a mark of extreme poshness. Only the very grand are instinctively frugal”.

  2. António Figueira diz:

    Reason why I’ll never be a very grand.

  3. ezequiel diz:

    Graaand you are, Antóónio. 😉

Os comentários estão fechados.