Presidente da CIP e líder da CGTP frente a frente no SJ para debater a crise

António Saraiva, presidente da CIP, e Carvalho da Silva, secretário-geral da CGTP-IN, são os convidados do Sindicato dos Jornalistas (SJ) para o debate sobre a crise e o PEC a realizar na sua sede, no dia 8 de Junho, às 21 horas, com a moderação da jornalista Helena Garrido.
Pretende-se nesta conversa com o secretário-geral da maior central sindical portuguesa e o presidente da associação patronal perceber o que pensam os trabalhadores e os patrões portugueses acerca da crise nacional e quais as medidas que consideram mais eficazes de sair dela.

Será que o PEC e as políticas de austeridade que se seguem são a única solução possível? Ou, pelo contrário, esta fortíssima austeridade decretada em toda a Europa vai apenas provocar uma profunda recessão económica? Estas são algumas das questões que estarão sobre a mesa no debate do próximo dia 8 de Junho às 21 horas na sede do Sindicato dos Jornalistas, na Rua dos Duques de Bragança nº7, em Lisboa.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 Responses to Presidente da CIP e líder da CGTP frente a frente no SJ para debater a crise

  1. LM r diz:

    Vais ter de levar na cabeça. Ainda não aprendeste a “linguagem correcta”?? É “Género”, não “Sexo”!

  2. Manue Monteiro diz:

    Conversa a mais; acção a menos…para o meu gosto…
    Manuel Monteiro

  3. Nuno Ramos de Almeida diz:

    LMr, isso deve-se referir ao outro post. Gosto mais de sexo, faz mais o meu género.

  4. Abílio Rosa diz:

    O Carvalho da Silva muito gosta destes «jogos florais» da concertação….

  5. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Abílio Rosa,
    Isto é um debate promovido pelo Sindicato dos Jornalistas, não é nenhum jogo de concertação. Eu que estou na organização acho um debate interessante e esclarecedor, parece-me que o seu problema é que você acha que só pode haver debates entre duas pessoas com a sua posição. Há uma diferença entre debates e missas. Nos primeiros é suposto haver posições diametralmente opostas.

Os comentários estão fechados.