Os amigos da dona Palmira


Camisola de um soldado de elite israelita, depois de ministrado curso de sniper: ” Quanto mais pequenos eles são, mais difícil é acertar”.

“Dois terços das 621 crianças mortas em checkpoints, na rua, a caminho da escola, nas suas casas, morreram vítimas de balas dirigidas em metade dos casos para a cabeça, pescoço ou peito, por atiradores especiais (sniper’s)”

Relatório elaborado pelo dr. Dereck Summerfield, em resultado de um estudo de quatro anos no terreno dos territórios ocupados para o British Medical Journal

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 Responses to Os amigos da dona Palmira

  1. simples diz:

    O lúmpen do sionismo,já não bota faladura….o site da rachel corrie está infetado de vírus.Deixem-me adivinhar:foram os hackers esquerdistas!É?e eu é qui sou burro dona ester?

  2. antonio diz:

    O que acontece é que a partir de meia dúzia de miúdos e miúdas no Hagganah (o exército não-oficial dos judeus, pertencia à malta do David Ben-Gurion) no Palmach (tipos/as mais durinhos, comandos… mesma pertença) e dos terroristas do Irgun e do Stern (gajús básicamente saídos dos campos de concentração nazis, e portanto muito furiosos…) os israelitas, com o apoio dos americanos de mais uns outros construíram um exército temível, porque não queriam ser “deitados ao mar”.

    Se eles quisessem e estivessem interessados davam cabo de aki de ‘nóizinhos’ em 2 ou 3 dias…

    🙂

  3. Nuno Ramos de Almeida diz:

    António,
    Fantástico. Até tenho documentos em que o Irgun de Menachem Begin é considerado, pelos ocupantes ingleses, no mesmos termos que eles falam do Hamas.

  4. antonio diz:

    Pois Nuno o Irgun (o Stern era mais pequeno…) matava ingleses com bombas e atentados quando podia… e isso incomodáva-os.
    😉

  5. Pingback: Leitura Recomendada #5

Os comentários estão fechados.