Manuel Alegre – O Candidato do Governo Pela Esquerda de Confiança (PEC)

O triunvirato está formado como em boa hora aqui foi pré-anunciado. PS e BE vão apoiar Manuel Alegre. Há muito que se vinha anunciando e há muito que os factos no terreno fizeram com que esta unidade deixasse de constituir um escândalo. Até teve direito a despedida de solteiro. Louçã apoiou o dinheiro que Sócrates vai dar para o PEC grego e Alegre apoiou o PEC de Sócrates. Irão naturalmente fazer campanha lado a lado. Vai ser bonito de ver a festa, pá. O PCP podia dar um ar da sua graça, avançando com Carvalho da Silva (o único que será visto como um candidato para ganhar) mas pressinto que é a direita que vai dar o golpe do baú. Se Sócrates não cair até às presidenciais, com o sopro do movimento social, Passos Coelho vai estar pronto para ir a votos logo depois (90 dias no máximo), e as comadres vão ter a primeira crise conjugal com tudo a perder nas partilhas.

Os comícios conjuntos de Alegre, Sócrates e Louçã, serão por diferentes motivos letais para qualquer um dos três. Alegre porque perdeu a independência, Sócrates porque perdeu o partido, Louçã porque perdeu a moral. E tu? Vais votar no candidato do PEC e do Governo?

Arqueologia Política:

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

9 respostas a Manuel Alegre – O Candidato do Governo Pela Esquerda de Confiança (PEC)

  1. xatoo diz:

    Tal como na eleição de Cavaco em 2006 o movimento operário está de novo desarmado
    E desenganem-se os que querem ver em Carvalho da Silva algo mais que um social democrata – ele nunca aceitaria uma candidatura proposta unilateralmente pelo PCP… que por sua vez, dada a sua histórica natureza reformista pouco mais é que um partido social democrata. Ora como toda a gente está a ver a social-democracia faliu completamente face ao ataque neocon
    De modo que estamos perante uma regressão para a politica do milhão de portugueses alimentados a pão e vinho das courelas. O panorama de facto é mesmo mau para a intelectualidade urbana da flute e croquete globalizado

  2. A Comissão Política do Bloco tem em mãos um bebé/bomba, bem que foram avisados, e ainda estão a ser, mas o compromisso de 23 de Janeiro foi selado, e agora?

  3. Renato Teixeira diz:

    Xatoo, não tenho nenhuma ilusão na pessoa de Carvalho da Silva. A verdade, é que no actual contexto, a sua candidatura poderia dar um movimento de base muito interessante e cujas fronteiras claramente extrapolavam as do PCP.

    José Manuel Faria, é verdade, não foi por falta de aviso. Mas será um erro? Será a direcção do BE assim tão ingénua ou é precisamente isto que sempre quiseram fazer?

  4. Augusto diz:

    As presidenciais são eleições diferentes das legislativas e autarquicas quem não entende isso não entende nada.

    Cavaco candidato da direita conservadora e da extrema direita , obteve pouco mais de 50% dos votos numa altura em que a direita não representava mais de 40%.

    Soares quando se candidatou pela primeira vez , foi eleito por mais de 50% dos votos quando a esquerda na altura representava bem menos do que isso.

    Isto quer dizer que qualquer candidato que queira ganhar estas eleições, tem de ir muito para alem dos seu eleitorado natural , e conquistar novos segmentos de eleitorado fora do seu campo politico.

    A esquerda se quiser derrotar o candidato da direita e da extrema direita Cavaco Silva, tem de unir o máximo de cidadãos á volta de uma única candidatura.

    Se se dividir entregará de bandeja a reeleição a Cavaco.

    Se a esquerda já se uniu para eleger uma vez Soares.

    E o PCP já se uniu ao PS e aos vencedores do 25 de Novembro para reeleger Ramalho Eanes.

    Será que nessa altura Alvaro Cunhal tambem perdeu a moral, ao apoiar os vencedores do 25 de Novembro, representados na recandidatura de Ramalho Eanes?

    Aliás apoiar um candidato presidencial não obrigada nenhum dirigente partidario a estar presente nos comicios desse candidato.

    Eu não vi nenhum dirigente á esquerda do PS , PCP incluido nos comicios da primeira eleição de Mario Soares.

    Tal como não vi nenhum na reeleição de Ramalho Eanes.

  5. vanessa diz:

    Enquanto a direita se une á volta de Cavaco Silva.

    A esquerda vai-se dividindo e alegremente caminha para a derrota.

    Pois é nunca mais aprendem…..

  6. Renato Teixeira diz:

    Augusto e Vanessa, se houvesse um candidato de esquerda eu seria o primeiro a pregar a união. O que existe, é simplesmente um candidato do governo que aplica medidas de direita.

  7. João diz:

    Augusto, vamos ser sérios, o PCP apelou ao voto em Eanes e Soares, mas nunca manifestou apoio acrítico a essas candidaturas, como faz o BE em relação a Alegre. Uma coisa é votar no mal menor, outra é fazer a sua apologia.

  8. David Santos diz:

    Votei BE nas últimas eleições e juro que para nunca mais.

  9. Renato Teixeira diz:

    Não se lamente. Se lhe serve de consolo, o BE já valeu a pena a esperança. Outros partidos virão, David Santos.

Os comentários estão fechados.