Mais um crime de Israel

Como justifica Israel este ataque? Com base no bloqueio económico por si mesmo imposto desde 2007, e que não tem qualquer sustento legal, por exemplo ao nível das Nações Unidas (contrariamente às resoluções do Conselho de Segurança sobre a constituição de um Estado Palestino).
Havia algum perigo imediato? Quando primeiro ouvi a notícia ainda pensei que Israel justifica-se a sua acção com base em inteligência que indicasse a presença de armamento, sei lá, para o Hamas. [Actualização a 5 de Junho: segundo Israel tripulantes do Mavi Marmara pertenciam ao grupo Turco “Fundação pelos Direitos Humanos, Liberdade e Ajuda Humanitária” (IHH), que consta da lista Israelita de organizações terroristas por alegadas ligações ao Hamas]. Esse teria sido um argumento que, embora não justificando o ataque, teria feito sentido dentro da lógica de defesa Israelita. Mas não. Não encontro nenhuma justificação nesse sentido, nenhuma dúvida Israelita sobre o conteúdo e missão do navio. Apenas recurso ao bloqueio ilegal para justificar uma acção imoral: o ataque a ajuda humanitária. Uma fonte noticiosa(*) informa que (sublinhado meu):

«As autoridades israelitas já lamentaram o número de mortos, mas dizem que os seus militares foram provocados pelas tripulações dos navios que, de acordo com o ministro do Comércio e da Indústria, empunhavam machados e facas. Informação desmentida pelo porta-voz das organizações que integravam os navios.»

Mesmo que tal fosse verdade, esta justificação dá uma vontade de rir no meio da desgraça. Face ao acenar de facas por parte de uns tripulantes num navio, manda-se bombas que matam e destroem: eis a noção Israelita de “resposta proporcional”. Mais uma prova que os governos belicistas de Israel e as suas forças armadas perderam o tino, e assumem o Terrorismo de Estado como prática corrente.

O Conselho Português para a Paz e Cooperação, esta a apelar a signatários de uma posição conjunta a entregar à Embaixada de Israel, na próxima Quarta-feira, dia 2 de Junho, pelas 18h00 (R. António Enes 16, transversal à Av. 5 de Outubro)

Sobre André Levy

Sou bolseiro de pós-doutoramento em Biologia Evolutiva na Unidade de Investigação em Eco-Etologia do Instituto Superior de Psicologia Aplicada, em Lisboa
Este artigo foi publicado em André Levy, Imperialismo & Guerra. Bookmark o permalink.

4 respostas a Mais um crime de Israel

  1. pedro diz:

    EM PORTUGAL COMO EM TODO O LADO:
    A RESPOSTA É HOJE – o Comité de Solidariedade com a Palestina convoca uma concentração para HOJE, às 17h30, frente à embaixada de Israel.

  2. Pingback: cinco dias » Derrotar Israel a toda a linha! Por uma rendição sem condições! Por uma Palestina Laica e Livre!

  3. Leo diz:

    Lá estarei na Quarta-feira, às 18 horas, na Rua António Enes, 16, perto do Metro do Saldanha.

  4. ezequiel diz:

    Excelente pergunta, André.

    “Como justifica Israel este ataque?”

    Eu justificaria assim. p.10 + in 1)

    a IHH organizou a flotilla.

    qual é o contexto geo-estratégico, André? tu és um cientista. pensa em todas as variáveis: irão-nuke, negociações com os sírios, a apreensão recente de um barco repleto de armas com destino a gaza etc… o que é que o IHH pretende? trata-se de uma ingénua NGO??? não me parece.

    André, parece-me evidente que os israelitas sabiam q a probabilidade destes navios transportarem armas era mínima. contudo, mínima não é = inexistente

    1) http://www.diis.dk/graphics/Publications/WP2006/DIIS%20WP%202006-7.web.pdf

    http://www.guardian.co.uk/world/2009/nov/04/israel-seizes-ship-weapons-hezbollah

    http://www.haaretz.com/news/livni-to-cypriot-fm-confiscate-weapons-from-iranian-ship-1.267135

    Israel ofereceu safe passage aos navios e assegurou que os bens seriam transferidos para Gaza (sob supervisão de entidades internacionais). eles recusaram (logo, o propósito da coisa n é e nunca foi estritamente humanitário, como é obvio) tratou-se de uma elaborada emboscada política. estratégia política, no seu melhor. Israel continua a perder a guerra mediática. Qual foi o objectivo estratégico desta manobra? ajudar o povo Palestiniano de gaza? para alguns activistas, sim. para outros, o objectivo estratégico é muito distinto: agravar as relações com Turquia asap, numa conjuntura deveras delicada (irão-nukes, negociações com os Sírios…)

    uns manipularam os outros. como poderás ler no paper do kohlmann, os interesses do senhor que manda na IHH não são meramente humanitários…

    a tua pergunta merecia uma resposta mais cuidada mas, sinceramente, n tenho muita pachorra pa grandes argumentações.

    cumps
    ezequiel

Os comentários estão fechados.