a arrogância da ignorância

Caro Miguel Serras Pereira

O seu texto é muito mau no que se refere à política. Mas isso poderíamos discutir! Mas antes de qualquer discussão política aprenda algo sobre o assunto. O pior de tudo, nestes textos é a sua profunda ignorância do tema. Identidade de género e orientação sexual são coisas diferentes! Faça um favor a si mesmo! Pesquise, antes de escrever, sobre o que não conhece!

um abraço

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a a arrogância da ignorância

  1. miguel serras pereira diz:

    Caro Paulo Jorge Vieira,
    remeto-o para a resposta que dei ao Sérgio, no Vias ou na caixa de comentários do inteligente post (só o título é que me pareceu menos perspicaz) que ele escreveu criticando-me.
    E não me leve a mal que lhe diga que as minhas referências teóricas na matéria são outras: desconfio da conceptualização dos estudos de género e afins, sem negar o seu interesse: parecem-me sempre coisas um tanto moralistas e cheias de uma “correcção política” pouco comunicacional, mais “desconstrutiva” do que “poiética”. Por isso não pretendo falar a sua linguagem, usar os seus códigos e critérios, etc. Suponho que vê onde quero chegar. Permaneço mais do lado do divã, et encore… A bissexualidade psíquica original universal, libido “perversa” (não genital) e polimorfa, elaboração psíquica das diferenças dos corpos que põem “as diferenças no corpo” (se me é permitido citar o título de um livro que escrevi há quase trinta anos) parecem-me pontos de partida fecundos, ainda que a reelaborar em profundidade. Duas leituras fantásticas foram para mim os dois livros de Joyce McDougall: Plaidoyer pour une certaine anormalité e Éros aux mille et un visages. Mas se começamos a falar de leituras e ideias…
    Quanto ao fundo da questão, está aqui – repito uma resposta a outra objecção próxima da sua: Só quis mostrar os efeitos perversos que as exigências de reconhecimento oficial comportam para os que as fazem e os que os apoiam, bem como a atitude (inconsciente ou deliberada) de vénia perante a racionalidade administrativa e regulamentadora que reforça as já inquietantes prerrogativas do Estado.

    Um abraço

    msp

  2. Marota diz:

    he he he, adora assitir a cacetada escrita. A única desvantagem neste espectáculo é ter-se que ler uma quantidade de textos para que este recreio seja um deleite.

  3. Marota diz:

    adoro e não adora… desculpe

Os comentários estão fechados.