Quanto tempo é “rapidamente”?

“Claro que a dureza das medidas que estão a ser adoptadas podem levar a colocar rapidamente na ordem do dia uma greve geral.”

Por Carvalho da Silva.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 Responses to Quanto tempo é “rapidamente”?

  1. João Dias diz:

    Pouco tempo.

  2. Renato Teixeira diz:

    Esperemos. Mas isso do “pouco” não será tempo demais?

  3. Carlos Guedes diz:

    Ontem já era tarde…

  4. simples diz:

    I.e.,para depois do campeonato,das férias…16% dos palonços q sustentam com a “democracia”, a mais do q os dos xuxas!Ora agora é os corruptos,ps ora agora é a dos corruptos do psd,ece gran partido de ladrões e criminosos e uma cambada de incompetentes para com a coisa pública.Ah! destes mui ‘gestores’ estão ricos com a pauperização do país!Para o paredão para serem fusilados!!!!!!aaBAIXO A DEMOCRACÍA DOS PLUTOCRATAS,CLEPTOCRAYTAS!!!!

  5. José Manuel diz:

    Uma greve geral terá grandes dificuldade de adesão espontânea das massas trabalhadoras, apesar de muitos a verem como necessidade para uma contra-respostapolítica. O problema é que os desempregados não farão obviamente greve. E os que ainda têm uma relação de trabalho assalariada têm demasiado medo de a perder, ou mesmo de perder um dia de salário, que a vida está difícil para toda a gente. A persistência em manifestações e outras acções de rua é a via mais adequada para pressionar politicamente o governo. Claro que poderão avançar greves sectoriais em sectores onde haja a possibilidade de ganhos decorrentes da luta.

Os comentários estão fechados.