Scorsese no seu melhor…

Algures entre a manipulação orwelliana e o retrato singelo da demência, eis o melhor filme que vi (completamente fora de época) do ano passado.

Apesar da enigmática e curiosa frase proferida, apenas tirava aquela cena final. A ambiguidade já estava criada, não era preciso baralhar o espectador novamente…

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.