Por falar de política, de desporto e de curiosidade humana

Nunca se perguntaram porque é que o menos rico dos grandes clubes da capital industrial de Itália se chama “Internacional”?

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

8 Responses to Por falar de política, de desporto e de curiosidade humana

  1. António Figueira diz:

    Não sei se é mais ou menos rico, sempre aprendi que o AC Milan é o Benfica lá do sítio (até como ersatz de partido do proletariado, como é o SLB na cabeça de alguns) e o Inter é o “outro” (como poderia ter sido entre nós CIF, até no nome, se na devida altura tivesse abraçado o profissionalismo).

  2. Não, Tó. O nome e a música não são coincidência, ou pelo menos não o foram no início e durante décadas.
    E também por lá têm, umas dezenas de km ao lado, a sua CUF à dimensão da FIAT (a Juventus), bem mais eficaz do que a “nossa” a tornar a empresa no símbolo da cidade.
    Talvez a compra do AC Milano pelo Berlusconi tenha reavivado essas referências históricas, não sei. Ou, então, já não importam.
    Mas o post não tem nenhuns sentidos genialmente escondidos. É só, mesmo, uma curiosidade.

  3. Pingback: cinco dias » I Love North Korea

  4. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Eu estou de acordo com o Figueira, o AC Milan é muito parecido com o Benfica. É o clube do Berlusconi.
    Acho que o Inter chama-se assim, pq é uma cisão do Milão que admite jogadores estrangeiros, ao contrário do AC na época. Foi obrigado a mudar de nome durante o fascismo, pq o seu nome fazia lembrar a Internacional comunista. Acertei?

  5. LAM diz:

    Paulo Granjo, para quem não lê pautas de música, explique lá então essas razões.

  6. Paulo Granjo diz:

    De facto, há quem diga que a razão é o AC ser então visto como muito fechado e paroquial.
    Mas o pessoal mais à esquerda lá do sítio garante que o nome é, desde início, assumidamente um piscar de olho à “A Internacional”, cuja primeira folha da partitura se transcreve em cabeçalho do post.
    A questão não seria então, por lá, de se ser “bom chefe de família” ou estar “armado em aristocrata”, mas de posição política.

Os comentários estão fechados.