O dia em que a mentira é socialista

Isto das mentiras terem um dia comemorativo é das poucas efemérides do calendário que faz sentido, ainda para mais se for na véspera da ressurreição. É a verdadeira democratização da dita cuja e seria ilógico que assim não fosse. Num tempo em que a mentira prevalece em quase todas as páginas de quase todos os jornais, a única coisa que espanta é não haver quem ande para aí a promover este evento a feriado. Nada como limpar a alma com a genuína concretização do perjúrio, ou seja, sem qualquer necessidade de verosimilhança ou privilégio de classe. Se devemos passar 364 dias por ano a lutar contra a mentira este é o dia em que a devemos assumir sem ponta de verdade. A melhor coisa do 1º de Abril é a possibilidade de dizer alarvidades sem qualquer consequência judicial. Esta é de resto uma das melhores maneiras de nos vingarmos de quem nos passa a vida a mentir. Todos deviam experimentar: “Sócrates pediu a demissão antes de ser preso por ser ladrão; Pedro Passos Coelho pede o seu primeiro livro de recibos ao abrigo do regime de isenção (artº53);

[em anexo mais umas bujardas sem grande nexo para entusiasmar o leitor a aderir ao fitness proposto. Continuação da recolha musical sobre o tema]

Depois de décadas ao serviço do Governo Regional da Madeira e goradas as possibilidades de um dia vir a ser o manda chuva do PSD continental, Alberto o João atira-se de cabeça para libertar os açorianos dos comunistas; Depois de Ricky Martin, Berlusconi sai do armário; Manuela Ferreira Leite inscreve-se no clube da canastra para ocupar os tempos livres mas continua sem sair do armário; Durão Barroso abandona a Comissão Europeia para vir fazer oposição à nova liderança do PSD; A ala direita do BE expulsa todas as correntes que ainda falam em revoluções e o Daniel Oliveira passa a ser o presidente que não é bem presidente mas que todos tratam como presidente; O Francisco Louçã agradece quando todos pensavam que ia ficar aborrecido; O PCP retira das suas teses a parte real do socialismo e volta a ser utópico e Carlos Carvalhas apresenta-se como o candidato da sucessão para renovar o partido; Carvalho da Silva ganha bolsa de pós-doc e a CGTP cai nas mãos do Mário Nogueira que expulsa de imediato todos os trabalhadores-estudantes para evitar a unidade nas lutas e obriga todos os sindicalizados (à excepção dele próprio) a dar umas aulitas num TEIP; Mário Soares e Leonor Beleza têm um caso e fundem as fundações que dirigem em nome próprio e em nome do alheio; André Vilas Boas recusa o convite do Sporting e assume que só sai da Briosa trocando grande por grande; A verdadeira entrevista de Judite de Sousa a Pinto da Costa começou no momento em que esta acabou para os telespectadores; O mesmo se passou com o Migues Sousa Tavares e com o Luís Filipe Vieira; O CDS e a Frente Nacional unificam-se para evitar o socialismo em Portugal e correr com quem não tenha pelo menos três gerações de sangue lusitano nas veias ou pelo menos um sobrenome aristocrata; O 31 da Armada e o Insurgente apoiam a medida; O PS deixa cair o S e assume o G em homenagem ao Galamba – o seu novo militante-protótipo; Alguém ganha coragem e divulga o CD das escutas que entala todas as figuras do regime; O preto passa a poder ser amarelo e o azul também ganha tons lilás, o que deixa os pós-modernos eufóricos mas evidentemente baralhados; Este 25 de Abril ao invés de um cortejo fúnebre, outro PREC é declarado; Passa a ser proibido fumar nas horas ímpares, em casa, na rua e até nos estabelecimentos autorizados; Os homossexuais passam a poder adoptar filhos e os detractores exilam-se em Singapura e em Braga com as suas famílias normais e numerosas; Em sentido contrário o aborto passa a ser proibido por haver quem o queria fazer com muitas semanas de vida e a pedofilia, desde que clerical, é legalizada; Alegre cria um blogue de auto-poemas e de auto-retratos; Cavaco é reeleito e chama Nobre e Alegre para o Conselho de Estado; Nobre fica nobre, Alegre fica alegre e Soares fica fodido.”

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 Responses to O dia em que a mentira é socialista

  1. Pingback: Tweets that mention cinco dias » O dia em que a mentira é socialista -- Topsy.com

  2. subcarvalho diz:

    já agora, mais um belíssimo exemplar…digo eu!!

Os comentários estão fechados.