de novo o Ricky

Uma coisa é haver uma forte suspeita (como há em relação ao Paulo Portas ou ao Herman José e afins e, por mais que seja uma suspeita muito muito muito forte, não passa disso: de uma suspeita). Sobre Ricky Martin, como homem bonito que é, sempre recaiu suspeitas de homossexualidade (seja por inveja de homens heterossexuais que pretendiam desqualifica-lo em relação a mulheres heterossexuais seja por gays ansiosos para o trazer às luzes da ribalta como ícone da comunidade). Motivos para as suspeitas? Ser um homenzão e não ter um relacionamento fixo com uma mulher (todas as tentativas acabaram por sair goradas após alguns meses), levar um homem diferente para o seu quarto, em cada tour, e pedir um quarto de casal (muitooo suspeito!) e ter filhos de uma forma não muito convencional (filhos de uma barriga de aluguer).

Ricky Martin, após declarações dúbias (daquelas que são quase semi-certezas) como “o meu coração pode pertencer tanto a um homem como uma mulher” e tanta especulação da comunicação social, decidiu finalmente assumir. Aleluia!

É fácil uma estrela latina de renome mundial (a América Latina é terrivelmente machista e patriarcal), com inúmeras fãs mulheres heterossexuais (que certamente não se importam muito com o facto porque se o tiverem que o violar violam…), assumir a sua homossexualidade? Não é. Nem é fácil, dizer após a assumpção, que se tem orgulho em ser-se gay (é fácil cair em homofobias internalizads). Por isso, o homem deste mês (desculpas ao Jason Lewis) é o Ricky Martin!

Texto do Hugo Santos no Natchobox que apesar das referências lusas subscrevo totalmente.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 respostas a de novo o Ricky

  1. Pingback: Tweets that mention cinco dias » de novo o Ricky -- Topsy.com

  2. Helder diz:

    Homem do mês:
    -homem cujo unico mérito conhecido é levar no rabo e assumir .

    Manif para uma estátua e feriado nacional, não se arranja?

    Vai-te catar, ó Paulo

  3. luis teixeira diz:

    Queremos saber os nomes do consul honorário e do contra-almirante
    patriota ,defensor dos valores democráticos,bláblá,qq coisa CORRUPTO e que nunca hão-de ir para a choça.Viva Portugal!
    Que interessa a vida dos paneleiros?Não estou a ser grosseiro pq paneleiro é uma palavra erudita e muito mais fixe que dizer gay ,estrangeirismo bacoco e cínico(alegre?!-o que é isso para descrever um homossexual?).Pan eleiro é um ‘acólito’ do deus Pan ,da Antiguidade Grega.

  4. Paulo Jorge Vieira diz:

    acho sempre espirituoso e particularmente indicativo o modo como as pessoas tentar justificar o uso de determinados formas de insulto! que seja… fica com quem as usa… ainda me vou dedicar a escrever um dia sobre o assunto!

  5. Helder diz:

    Menos, luis, menos,
    não é que não interesse a vida dos “paneleiros”, agora o que me recuso a fazer é avaliar alguém pela opção sexual que tem, seja para o bem seja para o mal.
    Pelo resumo de vida que o Paulo aqui expôs o unicio feito da criatura foi assumir que abafava a palhinha, é poucochinho.
    Dizem que andamos com falta de referencias, mas acho que o problema será dos nossos olhos ( e não será necessário ir buscar o cantor). Para mim, qualquer gajo que sobreviva com o ordenado minimo é um herói. Se ele é homossexual ou não, nem acrescenta nem tira nada.

  6. A. Laurens diz:

    Parece que mais um dos tais heterossexuais que têm problemas com homens bonitos perante mulheres heterossexuais acabou de escrever um post. LOL.

  7. Natcho diz:

    Helder e Luis, a história da homossexualidade foi (é) marcada por uma história de repressão fortissima (discursos de ódio como os vossos, internamento forçado em manicómios, exclusão familiar, criminalização, agressões, insultos, explusão dos empregos, estereotipos, repressão policial, perseguição, impossibilidade de expressão, invisibilidade, etc), portanto, todo o desmérito que, no teu discurso, está patente já justifica actos como o do Ricky Martin. E nota o irónico da situação: o que está em causa é a afectividade, a sexualidade e a conjungalidade , âmago da personalidade humana (como tu, certamente, reconheces) a não ser que ames mulheres (presumo que sejas heterossexual) com o objectivo de reproduzir; é que, se assim é, a heterossexualidade têm muito que se justificar.

    Óbvio que a orientação sexual é irrelevante para uma série de coisas mas assumir a homossexualidade tem o eco estrondoso de afronta a todo o preconceito, preconceito com uma forte carga histórica equivalente ao racismo ou ao sexismo. E reacções como as vossas alimenta mais essa necessidade de provocar… ecos! 😉

Os comentários estão fechados.