A privatização é apenas o fim da linha


8º andar do Hospital de Santa Maria. O balcão de entrada sem funcionário. As lâmpadas fundidas não são substituídas. O relógio parou. As paredes e pavimentos sem manutenção há mais de uma década. As primeiras pessoas que se encontram são os hospitalizados, que é quem ajuda o visitante.
Progressivamente, o Estado apoia os hospitais privados demitindo-se das suas obrigações. A privatização vem a caminho.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a A privatização é apenas o fim da linha

  1. am diz:

    e não é só isso Tiago
    é toda a falta de coordenação entre os centros de saúde locais e os hospitais distritais
    tudo a empurrar para os “privados”
    é, afinal, um negócio mais que garantido
    (o fim da linha é a redução das comparticipações do estado na consultas e exames nos privados… aí é que vão saber como elas doem…)

  2. anónimo convicto diz:

    Não faltará muito para os portugueses sintam os efeitos do plafonamento no acesso ao cuidados de saúde: os seguros vão cobrir as despesas até ao montante contratado. Depois, ou pagam a 100% ou regressam a um SNS total e intencionalmente degradado.

Os comentários estão fechados.