Resistência Islâmica III

Tributo a

Khalid Islambouli

na luta pela Palestina e por Anwar Al Sadat.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

50 Responses to Resistência Islâmica III

  1. Salah al Din diz:

    O fim exemplar dum colaboracionista… pena que um traidor ainda maior, sentado ao lado dele, Mubarak, não tenha sido despachado…

    Grande Islambouli…

  2. paulo diz:

    renato?
    estas a gozar? é só para provocar?
    ou é mesmo palermice convicta?
    e um tributo aoe scritor arenas que morreu depoisde 85 dias em cuba
    ver
    http://www.amnesty.org/es/library/asset/AMR25/002/2004/es/308bf23e-d648-11dd-ab95-a13b602c0642/amr250022004en.html
    um site capitalista a mnistia internacional

  3. Renato Teixeira diz:

    Salah al Din, o irmão ainda tentou. Mas deixa. A irmandade muçulmana cresce todos os dias na sombra da sua ditadura. Falta pouco tempo para acontecer mais história no Egipto.
    Inchalá!

    “His younger brother Showqi Al-Islambouli came close to assassinating the Egyptian president Hosni Mubarak in June 22 1995 on their way from Addis Ababa international airport to an African summit in the city. Showqi and his associates opened fire on the armor-plated limousine destroying most of the escort vehicles. However, Mubarak was saved by the skills of his chauffeur, who U-turned the damaged limousine and raced back to the airport where the presidential plane was waiting with running engines.[5]”

  4. Renato Teixeira diz:

    Paulo, o Khalid Islambouli parece-te a brincar? Ou a provocar? Ou um palerma? Fiquemos pelo convicto.
    Quanto a Cuba acho muito bem todos os tributos, mas gostava de ver a mesma indignação com os presos de Guantanamo (deixou de se falar em tal coisa…); da Palestina; do Iraque; dos EUA…

    Todos já sabemos o nome de Orlando Zapata mas somos incapazes de dar uma noticia de um assassinato arabe cuja vitima seja ao menos tratada pelo nome.

  5. paulo diz:

    renato nunca defendi o que se passa me guantanamo porque defendo a vida humana e se fores ao site da amnistia vem bem documentados os crimes de guantamano
    http://www.amnesty.org/ai_search?keywords=guantanamo&form_id=search_theme_form&form_token=cadbf3ebe59327c17f15cd1235126dfe
    quanto ao khalid é um assassino.
    e apesar de tudo e melhor ser julgao nos EUA do que em cuba
    arenas não cometeu nenhum delito a não ser ter uma opinião diferente do regime
    coisa que tu podes fazer aqui à vontadinha
    o teu relativismo moral, maus bons e maus maus, defendendo a violencia é proprio de quem tem uma vida bem instalada….
    foi assim quwe nasceram as brigadas vermelhas as RAF entre outros
    sugir a luta armada
    já defendes assassinos …é só mais um passo

  6. nerd diz:

    Como por exemplo aquele caso de terrorismo de Estado perpetrado pela Mossad de quem os merdias já se ‘esqueceram’….

    Mas,não querem falar da Colômbia onde o vendido do Vital Moreira(não,não é professor de politica-qdo muito é como um certo prof de Direito Fiscal q não pagou o IVA por ter comprado um monte….)Farto deles,Senhor!,veio a cantar loas ao cadastrado do Uribe,na sede do Império

  7. Renato Teixeira diz:

    Paulo, como já pode concluir eu acho que há bons e maus assassinatos. Mas não nego evidências. De facto, um assassino.

    Quanto a ser julgado nos EUA espero que nunca seja. Se eu puder escolher, prefiro Cuba. Assim como assim evito o corredor da morte.

    Nerd, têm memória selectiva. Muito selectiva.

  8. paulo diz:

    sem comentários
    eu estava a falar de delitos de opinião e não de crimes de sangue
    espero que continue a querer ser julgado em cuba
    aliás sugiro que vá até ao centro de havana e insulte o fidel.éra uma experi~ecia gira…

  9. O assassinato de Sadat foi obra da Jihad islâmica egípcia, organização que viria a originar, directamente, a Al-Qaeda. O líder operacional da Al-Qaeda, Al-Zawahiri, foi um dos detidos pela morte de Sadat. Omar Abdel-Rahman, que planeou o primeiro atentado às torres gémeas, deu a fatwa que autorizou religiosamente a morte de Sadat.

    Ora, Renato. Porque não passa já a celebrar o massacre de Luxor ou o 11 de Setembro? Foram os mesmos, pelas mesmas razões…

  10. Renato Teixeira diz:

    Ricardo Alves, é bastante simples. Não defendo a morte de inocentes.

  11. Salah al Din diz:

    Islambouli foi julgado pela ditadura corrupta de Mubarak (o traidor colabora com iSSrael no cerco ao campo de concentração de Gaza !) e martirizado na forca uns anos depois. Já em 1966, Nasser (um looser e um ditador mandou enforcar o maior teólogo da Irmandade Muçulmana e do sec XX, Sayed Qutb, depois de ter passado 13 anos na prisão. Crimes de que o Ocidente “democrático” nunca fala…

  12. paulo diz:

    defendes a morte de não inocentes, defenidos e julgados por quem ?
    e em que tribunal?

    por ti……

  13. M.Ribeiro diz:

    Um herói do nosso tempo :

    Son of Hamas founder spied for Israel to stop bombers

    The son of one of Hamas’s founding members was a spy in the service of Israel for more than a decade, helping to prevent dozens of Islamist suicide bombers from finding their targets, it emerged yesterday.
    Codenamed the “Green Prince” by Shin Bet, Israel’s internal security service, Mosab Hassan Yousef, the son of the Hamas co-founder Sheikh Hassan Yousef, supplied key intelligence almost daily from 1996. He tracked down suicide bombers and their handlers from his father’s organisation, the Haaretz newspaper said.
    Information supplied by him led to the arrests of some of the most- wanted men by Israeli forces, including Marwan Barghouti, a Fatah leader tipped as a potential president, who was convicted of masterminding terrorist attacks, along with one of Hamas’s top bombmakers, Abdullah Barghouti, who is no relation of the jailed Fatah chief.
    Mr Yousef, 32, a convert to Christianity who now lives in California, has revealed the intrigues of his years as a spy in a new book called Son of Hamas, much to the concern of Shin Bet, whose operations will be revealed in detail. While the revelations may give a boost to Israel’s intelligence service, whose external counterpart, Mossad, is still grappling with the diplomatic fallout of last month’s Hamas assassination in Dubai, there will be concern that the account may give too many insights into the murky world of espionage.
    Mr Yousef’s work will be far more damaging to Hamas, whose brutality he denounced. Dubai police have suggested that Mahmoud al-Mabhouh, the top Hamas militant found dead in a hotel room in the emirate on January 20, may have been betrayed by an insider from the Islamist movement.
    Mr Yousef had harsh words for the movement that his father helped to form, and which now rules the Gaza Strip after a bloody takeover in the summer of 2007. “Hamas cannot make peace with the Israelis,” he said. “That is against what their God tells them. It is impossible to make peace with infidels, only a ceasefire, and no one knows that better than I. The Hamas leadership is responsible for the killing of Palestinians, not Israelis.”
    Hamas issued a muted reaction to the report, with Mahmoud al-Ramahi, a West Bank official, saying that it was designed to “sow confusion in the minds of Palestinians” and make them believe the movement was riddled with high-level moles. Mr Yousef’s former Israeli handler, identified only as Captain Loai, praised the resolve of his agent, whose codename derived from the colour of Islam and Hamas’s banner and from his exalted position within an organisation that regularly kills those suspected of collaborating with the Jewish state.
    “So many people owe him their life and don’t even know it,” he said. “The amazing thing is that none of his actions were done for money. He did things he believed in. He wanted to save lives. His grasp of intelligence matters was just as good as ours — the ideas, the insights. One insight of his was worth 1,000 hours of thought by top experts.”
    Mr Yousef, whose father is still in an Israeli jail cell, from where he was elected as an MP in 2006, went as far as tracking down would-be kamikazes himself in the streets of the West Bank during the second intifada (uprising), which erupted a decade ago and left thousands of Palestinians and Israelis dead. On one occasion he followed a bomber from Manara Square in the centre of Ramallah, just north of Jerusalem.
    “We didn’t know his name or what he looked like — only that he was in his 20s and would be wearing a red shirt,” said the former handler. “We sent the Green Prince to the square and with his acute sense, he located the target within minutes. He saw who picked him up, followed the car and made it possible for us to arrest the suicide bomber and the man who was supposed to give him the belt. So another attack was thwarted, though no one knows about it. No one opens champagne bottles or bursts into song and dance. This was an almost daily thing for the Prince. He displayed courage, had sharp antennae and an ability to cope with danger.”
    Mr Yousef, who converted from Islam to Christianity a decade ago — in itself a dangerous act — was arrested by the Israelis in 1996. Within a year he had been recruited by Shin Bet, was released, and began working as an informant.
    Speaking by telephone from California, Mr Yousef told Haaretz he worried that the Israeli Government might release some of the prisoners he helped to put behind bars in exchange for Gilad Schalit, a young Israeli soldier abducted by Hamas from the Gaza border more than three years ago.
    “I wish I were in Gaza now,” he said. “I would put on an army uniform and join Israel’s special forces in order to liberate Gilad Schalit. If I were there, I could help. We wasted so many years with investigations and arrests to capture the very terrorists that they now want to release in return for Schalit. That must not be done.”

    The Times, 24 Fevereiro de 2010

  14. Estou a ver, Renato. Então exalta o assassinato de Sadat, mas não os massacres de «inocentes». OK. A tortura e execução de Najibullah também merece um post? E Theo Van Gogh, não era «inocente»? E o que acha da perseguição a Rushdie?

    Já agora: para quando um post a exaltar a resistência islâmica ao imperialismo soviético?

  15. O «maior teólogo do século 20», Sayd Qutb, foi um pensador reaccionário que teorizou a violência islamofascista.

    Sim senhor, isto está lindo.

  16. p. s. d. da boa fé diz:

    Seu Paulo,
    o assassínio é uma barbaridade não é?
    Pois se hoje você e eu temos o rabinho sentado no sofá para blogarmos sobre isto e aquilo, temos de agradecer a todos os bárbaros inqualificáveis da nossa história que ASSASSINARAM para que a Revolução Francesa e outras fossem realidade, para que a nossa República e outras se implantassem, para que as greves fossem possíveis…
    Se tanto sangue nunca tivesse sido derramado, a sua “vida bem instalada” seria no campo a cavar de sol a sol para o aristocrata de turno…
    Acha que, quando os descendentes das dezenas de milhões de escravos deportados de África para as Américas se começaram a sublevar (graças a um precedente aberto no Haiti), os derrames de sangue eram evitáveis?
    A repulsa do assassínio e a defesa paroquial da vida humana são típicas do marasmo apático em que vivemos, onde o pensamento que circula vem devidamente certificado pela ASAE e pelo pároco da igreja mais próxima.

  17. Renato Teixeira diz:

    Paulo, não por mim. Por aquele que são oprimidos, esmagados, colonizados.

    Ricardo Alves, o imperialismo soviético já era e devo dizer-lhe que defendi o seu combate. Hoje a luta é outra. Alinha?

  18. Salah al Din diz:

    “Um herói do nosso tempo” diz M. Ribeiro… a propósoto de um reles colaboracionista que traiu ao seu povo espiando a favor dos nazi-sionistas.

    Do nosso tempo, não direi…a moda bastante seguida em França nos anos de ocupação acabou em 1944-1945 quando, expulso o invasor nazi, começou a caça aos “collabos” indígenas.

    Os historiadores estimam em 10.500 o numero de traidores que foram parar ao poteau e que levaram com 12 balas no coirão por causa do seu “heroísmo” anti-patriótico. Em Gaza, umas dezenas destas ratazanas pró-sionistas foram eliminadas no ano passado…

  19. Se «alinho»?
    Ainda não percebeu que não?
    O fascismo verde é bem mais meu inimigo do que os EUA.

    E a esquerda que prefere os fascistas às democracias burguesas engana-se de prioridades.

  20. In Memoriam diz:

    Sobre os resistentes islâmimos mortos nas ruas de Teerão durante as manifestações contra o crápula fascista que os governa…silêncio absoluto…já era de esperar!
    Se calhar as dezenas de milhares de manifestantes eram funcionários das embaixadas ao serviço do sionismo…Quem sabe? Não fácil saber porque os jornalistas ocidentais, repito, OCIDENTAIS, estão proibidos de lá entrar…Deve fer uma medida preventiva face à propagação da Gripe A!

  21. M.Ribeiro diz:

    Mas os grandes espiões do nosso tempo foram grandes patriotas: Alfred Redl, o chefe da contra-inteligência do império austro-hungaro, que fornecia informações aos russos, era um patriota ; Kim Philby também. Um espião é precisamente o contrário de um colaboracionista, que não arrisca nada e tem tudo a ganhar.
    Mais um que se pirou a tempo para a Califórnia, e milhares o seguiriam, caso os deixassem. Bem lhe disse, aquando da nossa encantadora conversa no outro dia: Os trinetos da revolução de Outubro habitam hoje em Long Island : os filhos da revolução iraniana , quando os aiatolás os deixarem, irão fazer surf em Little Venice.
    V.S. Naipaul escreveu que “There probably has been no imperialism like that of Islam and the Arabs.” “It has had a calamitous effect on converted peoples. To be converted you have to destroy your past, destroy your history. You have to stamp on it, you have to say ‘my ancestral culture does not exist, it doesn’t matter’ O zoo mental em que se move Salah AL Din, com os seus “leões do Hezbollah” (com “tácticas iranianas” ) e “ratazanas” pró-sionista (!) prova bem essa indigência. O povo palestiniano é infinitamente mais nobre do que os seus pretensos guardiães e salvadores.

  22. Salah al Din diz:

    No Irão existe uma democracia, que não sendo perfeita, é infinitamente superior à todas as ditaduras fantoches ( eles chamam-lhes “moderadas”) que os camones apoiam no Médio Oriente (Egipto, Jordania, Tunísia, Argélia, etc.). Houve alternância democrática, vários candidatos, debates livres na televisão, comícios abertos por todo o país…

    Lá não há apartheid como na ditadura sionista onde só quem tem religião judaica, mesmo que estrangeiro na véspera, pode votar, uma minoria portanto, onde a maioria não pode votar um estado multicultural, inde há 12.000 presos políticos , a maioria sem julgamento, alguns há 30 anos, onde centenas são executados sumariamene nas ruas…

    No Irão todos votam. O que há é agentes da CIA e Mossad infiltrados que vão ser aniquilados até ao último. A própria CIA confessa ter agentes a actuar dentro do Irão. E a Mossad aassassinou um engenheiro nuclear em Teerão, com a ajuda de traidores internos.

    O apoio popular à revolução é esmagador.

    O chefe daquele grupo terrorista do Baluchistão já foi apanhado e vai ser executado. No dia anterior estava numa base EUA a receber ordens. Depois o avião em que seguia foi interceptado por caças iranianos sobre o Golfo e obrigado a aterrar…

  23. Renato Teixeira diz:

    P.Porto e M.Machado, aqui não se safa com patranha. O IP é o mesmo. Ameaças à integridade física e propaganda fascista não aprovo. Experimente outros blogues mais simpáticos à sua causa.
    (escusa de enviar mais comentários nesses parâmetros. Continuarão a ser rejeitados.)
    Passar bem.

  24. Sérgio Pinto diz:

    Renato,

    E o Salah al Din / Euroliberal faz o quê, além de vomitar propaganda fascista e dar mau nome ao Saladino?

  25. Pois não, Renato, não aprova propaganda fascista. Fá-la por si próprio.

  26. M.Ribeiro diz:

    Escrevi no outro dia, que o 5 dias era um blog recomendado por KKK, IL MANIFESTO, PNR, MRPP, ACÇÃO DIRECTA, INTIFADA na DAMAIA, ZDB e RADIO-TAXIS. Pensava que estava só a brincar.

  27. In Memoriam diz:

    “No Irão existe uma democracia, que não sendo perfeita, é infinitamente superior à todas as ditaduras fantoches ( eles chamam-lhes “moderadas”) que os camones apoiam no Médio Oriente (Egipto, Jordania, Tunísia, Argélia, etc.). Houve alternância democrática, vários candidatos, debates livres na televisão, comícios abertos por todo o país…” Mr. Din

    Esta mostra definitivamente a sua desonestidade intelectual. Quando vai além dos copy/paste de qualquer manual de propaganda islâmico extremista descobre que o Irão é uma democracia, onde os jornalistas OCIDENTAIS estão proibidos de entrar, onde as manisfestações dos opositores ao seu presidente são esmagas pelas armas…Onde a religião e a política se misturam impossibilitando, a priori, qualquer regime democrático.
    UMA VERGONHA!

  28. In Memoriam diz:

    Se calhar as dezenas de milhares de manifestantes eram funcionários das embaixadas ao serviço do sionismo…Quem sabe? Não fácil saber porque os jornalistas ocidentais, repito, OCIDENTAIS, estão proibidos de lá entrar…Deve fer uma medida preventiva face à propagação da Gripe A!

  29. Salah al Din diz:

    Mas os milhares de manifestantes são naturais. Oa candidatos vencidos tiveram mais de 40 % dos votos. Mas só uma minoria é que andou a matar polícias e a gritar “morte ao ditador”. Qual ? O xá que não os deixava ter eleições ? São esses terroristas assassinos que vão ser enforcados.

  30. Renato Teixeira diz:

    Sérgio Pinto, o Salah al Din, independentemente dos acordos ou diferenças, tem uma intervenção fundamentada.

    Ricardo Alves, li o seu texto. É capaz de mais do que comenta aqui.

    M Ribeiro, acredite… esses não nos podem ver à frente. Temos urticaria reciproca.

    Memoriam, como alguns outros. Se quiserem debater o assunto, cá estarei. Para o resto, com o esse argumentário, não contem comigo. Não tenho metade da paciência do Mr Din.

  31. In Memoriam diz:

    A matar polícias? As poucas imagens que nos chegaram dos resistentes islâmicos que arriscaram a vida para não cheixar em claro os crimes dos polícias e dos serviços Secretos iranianos (à paisana) mostram o contrário. O Xá era um ditador, o actual regime é igualmente ditatorial. Porque há eleições?!!!!!!!! Durante Salazarismo e o Estado Novo também havia… No zimbabwe também há.
    Se as imagens daquela rapariga a morrer, baleada pelas costas (aquela perigosa sionista) não o chocaram… Então digo-lhe que para além da sua desonestidade intelectual, o sr. é um monstro cego e insensível, fascista e desumano, patologicamente sanguinário… IGUAL a todos os que veementemente critica. Como já lhe disse uma vez, se Mr. Din tivesse nascido en Israel seria o mais feroz sionista que o sionismo já pariu!

  32. In Memoriam diz:

    Tem toda a razão, Renato…é preciso muita paciência (também) para não desistir de argumentar com Mr Din. Ao Renato, como jornalista, não o indigna alguém dizer de um país, como o Irão, que é democrático, sabendo que proíbe a entrada de jornalistas OCIDENTAIS no seu território? Sabendo da repressão que houve durante as manifestações recentes?

  33. Renato Teixeira diz:

    Memoriam, o Irão não é ditatorial. É uma democracia imperfeita? Sem dúvida mais imperfeita do que aquela interpretada pelos Palestinianos. Incomparável à praticada pelos EUA onde candidatos com menos votos ganham a outros que tiveram mais. Trabalhei ilegalmente no Irão. Arrisquei uma pena por espionagem. Sei do que falo. Mas não vou ser eu a apontar dedos a quem tem dezenas de infiltrados da Mossad e da CIA no seu território disfarçados de jornalistas. São esses o alvo da minha ira. O Irão, apenas alvo do meu interesse jornalístico. Não estou cegamente com os verdes. São demasiado heterogéneos para que lhes confie assim o meu apoio. Mas não se iluda. Fiz amigos entre os “verdes” e compreendo uma parte significativa das suas reivindicações. Deixe-me que lhe diga. Nenhuma se prende com a queixa de que falta democracia. São outras coisas…

    Apesar de isso não o vejo com o mesmo furor condenar o défice democrático nos EUA, na Arábia Saudita ou em Singapura. Condenou?

  34. In Memoriam diz:

    Imagine que tinha sido “apanhado”! Conhece os famosos “julgamentos” sumários que eles quotidianamente praticam… As últimas manifestações de que falei não eram de dezenas de milhares de infiltrados…a repressão foi brutal…é isso que eu condeno no Irão, na China na A. Saudita, Singapura, EUA ou onde quer que seja…por isso é que defendo que os nossos princípios não devem ser toldados pela nossa simpatia maior ou menor por este ou aquele regime. O terrorismo é injustificável por razões humanas e, mesmo numa lógica estritamente política, a história mostra-nos que só contribui para agravar os conflitos, nunca para os resolver.
    O que disse sobre as eleições nos EUA é verdade. Mas também é verdade que só num país democrático é que Obama poderia ser eleito, quando há poucas dezenas de anos nem poderia sentar-se num autocarro ao lado de um branco. Está a imaginar um Cristão liberal (no sentido que nas democracias europeias damos ao termo) ser eleito presidente do Irão? Em frente à Casa Branca encontra, todos dias, manifestantes contra a política americana. O que é que aconteceria se alguém o fizesse em frente à casa do presidente iraniano? ERA ENFORCADO…
    A promiscuidade entre religião e política, no poder, inviabilizam qualquer democracia…por isso o Irão não é uma democracia só por realizar eleições…
    Para mim resistentes islâmicos são aqueles que corajosamente lutam nos seus países pela literacia do seu povo, pela igualdade entre os sexos, pela liberdade de expressão, pelo bem-estar dos seus concidadãos…e eles existem, nomeadamente no Irão…mas são abafados radicalismo e fanatismo religioso que os limita e restringe a muito pequenas faixas da população. Tenho um amigo iraniano e nem imagina o quanto ele gostava de voltar para o seu país, como eu gosto de viver na europa (e não gostaria de viver nos EUA) e poder pensar e manifestar livremente o meu pensamento…onde pensar diferente não é sinónimo de traição à pátria (como acontece no Irão).
    cump.

  35. In Memoriam diz:

    Só uma opinião pessoal. A escolha das suas fotos e videos para ilustrar a resistência islâmica…se estivessemos na Palestina, era compreensível e justificável…mas nós estamos em Portugal, na europa, que apesar de todas as imperfeições é hoje um exemplo de que os Estados de Direito democráticos são os que melhor defendem os valores humanistas com que (penso) ambos concordamos.

  36. Pingback: cinco dias » Resistência Islâmica IV

  37. In Memoriam diz:

    …mostrar tropas armadas até aos dentes, assassinatos e violência para ilustrar a resistência islâmica só serve o argumentário hipócrita dos sionistas fanáticos…para esclarecer o meu raciciocínio. Talvez se mostrasse a miséria a que foram condenados os palestinianos em Gaza, os muros vergonhosos que erguem os israelitas, o sofrimento que os atinge quotidianamente, pudesse despertar as consciências menos atentas e não acirrar o ódio dos que há muito os abandoram…

  38. Sérgio Pinto diz:

    Apesar de isso não o vejo com o mesmo furor condenar o défice democrático nos EUA, na Arábia Saudita ou em Singapura. Condenou?

    Renato, não vi ninguém de esquerda a tentar promover a Arábia Saudita como exemplo de liberdade e democracia. Como me parece consensual que ninguém com dois dedos de testa o fará, não faz muito sentido perder tempo a pronunciar-me sobre isso. E se visse alguém de direita/extrema direita a fazê-lo, acharia que o próprio acto já desacreditaria quem o promovesse.

    No entanto, ver alguém que se proclama de esquerda a defender o Mullah Omar, o Ahmadinejad, ou aquela malta porreira da Somália que vai lapidando umas pessoas aqui e ali, dá-me a volta ao estômago, enoja-me completamente (desculpe, não arranjo forma muito simpática de dizer isto). E aí, particularmente pela proximidade de posicionamento político que deveria, teoricamente, existir, tenho mais dificuldades em conter-me.

  39. Renato Teixeira diz:

    Memoriam é precisamente por entender que esta tasca deve ser para aprofundar alguns temas que opto por uma abordagem a modos que mais pictórica. Tem portanto razão quando diz isto: “A escolha das suas fotos e videos para ilustrar a resistência islâmica…se estivessemos na Palestina, era compreensível e justificável…” mas há-de reconhecer que o debate fica absolutamente mais claro.

    Sobre o Irão sei o que me acontecia. Confiscavam-me o material e abriam um processo por espionagem. Poderia estar até três meses sem acesso a advogado de defesa.

    Como vê não encontra aqui nenhum deslumbre pelo sistema judicial iraniano.

    Nos EUA e na Europa há ecologistas, feministas, sindicalistas, entre tantos outros istas do movimento anti-globalização, acusados de terrorismo. Sabe o que isso significa nos EUA?

    Sérgio Pinto, uma vez mais não se trata da defesa do programa político desses senhores que o enjoam. Trata-se de outro tipo de unidade cujo debate deve ser feito sobre os fins. E recorde-se… foram sempre, mas sempre, os EUA e a EUROPA a entrar pela porta a dentro dos outros povos. Dos islâmicos aos outros.

  40. Cardoso diz:

    “foram sempre, mas sempre, os EUA e a EUROPA a entrar pela porta a dentro dos outros povos. Dos islâmicos aos outros.”

    Claro que sim.
    E quando os exércitos muçulmanos entraram na Península e atravessaram os Pirinéus, e do outro lado pusera cerco a Viena, quando entraram no Norte de Africa e varreram os povos cristãos, quando reduziram os berberes a meia dúzia de pastores nas faldas do Atlas, quando invadiram e tomara Jerusalem, quando, enfim, conquistaram meio mundo, foi porque foram convidados.

    E hoje, quando as suas fronteiras, externas e internas, são as mais sangrentas, a culpa não é deles, é dos outros, é dos europeus.

    E os Renatos deste mundo, pequenos burgueses de rabo alapado nas cadeiras a teclar a Revolução, gente que, sem o saber, sofre Complexo do Homem Branco e do Síndroma de Estocolmo, dão a triste imagem da degradação intelectual e da cobardia moral.
    Que a física, essa é é evidente.
    Se não fosse, não estava aqui a debitar frases, usando os instrumentos do “capitalismo” e da barriga cheia com os produtos da “sociedade de consumo”.

    Estava de colete de bombas, a destruir a ” burguesia” e a meter manteiga no respectivo sítio, para o dia do triunfo, antecipando o que aconteceu aos idiotas úteis iranianos que se uniram ao aiatola Khomeiny para derrubar o Xá e que estão já a fazer tijolo há várias décadas.

    Einstein tinha razão: a estupidez humana dá verdadeiramente a ideia de infinito. E Einstein nem sequer conhecia este Renato…

  41. Renato Teixeira diz:

    Einstein poderia ter razão sobre mim… Já Darwin ficaria com dívidas depois de ler o seu comentário.

  42. Renato,
    no post do meu blogue fundamentei a minha posição.

    O Renato parece estar apostado em publicar fotografias com título, provocando sem se comprometer, e depois arrasta o pingue-pongue na caixa de comentários sem sistematizar a sua posição. Isso já ficou bem claro.

    E não, não continuo. A menos que sistematize e fundamente por onde vai e porquê, para além das provocações-reacções aqui na caixa de comentários.

  43. Renato Teixeira diz:

    Combinado Ricardo… Espero que seja já no próximo fim de semana… A ver vamos. A ver vamos. Mas olhe que o debate em si, nas caixas de comentários, também tem a sua virtude. Lerei o seu texto também nessa altura. Por isso ainda não o comentei. Saudações

  44. Cardoso diz:

    Ah Darwin…mais um produto desta odiada civilização burguesa.

    Mas ainda bem que se reconhece na tirada de Einstein. É sinal de que talvez não esteja a teclar de uma enfermaria do Magalhães Lemos, como suspeitei.

    De resto, penso que a malta de esquerda que por aqui o contesta, não tem razão.
    O meu caro amigo, salvo seja, não faz mais do que levar ao seu resultado final lógico a clássica posição da esquerda sobre esta temática do islamismo.

    Muitos já lá chegaram, a começar por Roger Garaudy que transitou de estalinista para muçulmano com naturalidade.
    Ou como o Chacal (Ilich Ramirez Sanchez) :

    “…apenas uma coligação de marxistas e islamistas pode destruir os EUA”

    É por isso que a inacreditável aliança entre o islamismo e o marxismo, tão bem simbolizada pela vassalagem que o Dr Miguel Portas foi em tempos prestar ao Hezbolah está aí para mostrar o lodaçal de degradação em que esta esquerda se deixou atolar.

    Amir Taheri ( ex-esquerdista iraniano) retratou-o bem:
    a “esquerda europeia encara os muçulmanos como os novos proletários do continente” . A sua a “ideologia constrói-se hoje em torno de 3 temas; o ódio aos EUA, o ódio aos judeus e a esperança de colapso do sistema económico mundial”

    No fundo, é a velha esquerda de “revolucionários sem causa”, órfã da utopia, a tentar livrar-se do peso dos esqueletos de milhões de mortos que provocou no séc XX.
    Estão os Renatos deste ninho de cucos tão embriagados pela pulsão niilista, como os terroristas islâmicos. A única diferença é que estes morrem de facto pelo seu Deus, e os Renatos não têm coragem de morrer pelos seus santos de pés de barro (Che, Marx, Mao, etc.), nem pelo seu ódio à América.
    Mas o ódio é o mesmo e dirigido aos mesmos demónios.

    Como se trata isto?
    Com internamentos no Júlio de Matos.

  45. In Memoriam diz:

    “Memoriam, o Irão não é ditatorial. É uma democracia imperfeita? Sem dúvida mais imperfeita do que aquela interpretada pelos Palestinianos”

    “Sobre o Irão sei o que me acontecia. Confiscavam-me o material e abriam um processo por espionagem. Poderia estar até três meses sem acesso a advogado de defesa.”

    Na melhor das hipóteses, Renato.
    Democracia?!!!!!!!!!

    Tenho pena que não tenha comentado as outras questões aludidas no post: Obama; promisquidade no poder entre política/religião inviabilizar, à partida, um estado democrático;manifestações reprimidas no Irão…
    cump

  46. In Memoriam diz:

    …promiscuidade (claro; corrijo)

  47. In Memoriam diz:

    …mostrar tropas armadas até aos dentes, assassinatos e violência para ilustrar a resistência islâmica só serve o argumentário hipócrita dos sionistas fanáticos…para esclarecer o meu raciciocínio. Talvez se mostrasse a miséria a que foram condenados os palestinianos em Gaza, os muros vergonhosos que erguem os israelitas, o sofrimento que os atinge quotidianamente, pudesse despertar as consciências menos atentas e não acirrar o ódio dos que há muito os abandonaram!
    E, se não fôr pedir muito, Renato, que comentasse esta parte do post!
    cump.

  48. Renato Teixeira diz:

    Memoriam eu não sou comentador desportivo para tecer considerações sobre todas as suas considerações ou de outro comentarista qualquer, como se de uma final da Champions se tratasse. Isto é um debate. Não uma missa.

    Como já pode ler esta série de posts sobre a Resistência Islâmica teve o intuito de levantar abrir o debate antes de o fechar. Entendi que, antes de me colocar eu na posição de grande opinador da classe blogósférica, fosse primeiro a palavra dada aos comentadores. Foi o que fiz quando o tema foi Manuel Alegre; ou o Natal; ou a Violência; e é o que continuarei a fazer quando os temas me pareçam demasiado afundados em mitificações, estereótipos ou máquinas de propaganda.
    Uma prova disso mesmo é que há um conjunto de vigilantes atentos às pulsões anti-sistémicas, como autores em blogues e como anónimos comentaristas, que invariavelmente vêm distrair o debate e a confrontação de argumentos com pessoalizações imbecis.

  49. Pingback: cinco dias » Terrorismo é isto o resto é legítima defesa

  50. The next time I read a blog, I hope that it doesnt disappoint me as much as this one. I mean, I know it was my choice to read, but I actually thought youd have something interesting to say. All I hear is a bunch of whining about something that you could fix if you werent too busy looking for attention.

Os comentários estão fechados.