Um caso clínico: a negação de tudo o que é evidente II

O primeiro ministro diz na Assembleia da República que o programa de modernização das escolas está a ajudar as PME’s. Recordo o meu post Parque-Engil.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 Responses to Um caso clínico: a negação de tudo o que é evidente II

  1. Aristes diz:

    As PME as GME, e as GGE, sobretudo.

  2. Carlos Fernandes diz:

    Mas a Mota.Engil é uma PME, caramba, só que é daquelas PMEs grandes.
    Caramba, vocês comunas, como os fascistas, é só dizer mal, ou não batem bem da bola…

    Quanto aos ajustes directos, é obvio que é um processo muito mais transparente e que custa muitas centenas de milhões a menos, do que se o processo fosse por concurso público. Os sacanas dos economistas das agências de rating é que ainda não viram bem a coisa, ainda não perceberam o génio e a competência do actual governo de Portugal.

  3. Tiago, aprecio a sua persistência no assunto, tanto mais que por aqui parece andar tudo entretido em paralelismos históricos

Os comentários estão fechados.