Da palermice…


Um golo é um golo, 80 metros são oitenta metros, um frango é um frango, um Rui Patricio é um Rui Patricio e uma manifestação junta por natureza pessoas com interesses antagónicos em defesa de algo em comum.

Não sei quanto a vocês mas eu, como muitos gajos de esquerda e de direita, querem derrotar este governo.

Curioso é ver que os que têm nojo a protestos são os maiores adeptos de unidades sem princípios com o partido do governo.

Acho que na manifestação da função pública há uns quantos que não querem é trabalhar; na manifestação de professores uns quantos que não querem é ser avaliados; na manifestação contra as propinas uns quantos que só querem beber uns copos…

Podem dar um exemplo de uma luta em que possam participar daqui para a frente sem ter que recorrer ao Guronsan?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

16 respostas a Da palermice…

  1. Não fazia ideia que defendia algo comum aos senhores do Insurgente. Engano meu, portanto.

  2. Renato Teixeira diz:

    Daniel, de facto. Parece que esses tipos, e outros ainda menos recomendáveis, querem derrotar o Sócrates. De facto vejo que está fora dessa barricada. Já viu o que aprende aqui no 5dias…

    Veja lá que até o Daniel tem algo em comum com a maior parte deles.

    Não é do Sporting (ou o seu vício na vitória já o fez mudar de clube)?

    Não gosta de açorda de camarão e de picanha do Brasil?

    Não defende o Estado de Direito?

    Bem vistas as coisas tem muito mais em comum com eles do que eu.

  3. A. Trigueiro diz:

    Agora já chegamos à fase do delírio.

    Estão mais que esgotados os argumentos de um lado e doutro.

    Há malta do PCP e do Bloco que vão à manif ?

    Pois que vão.

    Vestidos de branco, como manda a organização.

    Exactamente, como os anginhos…

  4. Ricardo Noronha diz:

    Acho que gosto desses «uns quantos» Renato. Pelo menos gosto mais deles do que da Manuela Moura Guedes.

  5. Renato Teixeira diz:

    A. Trigueiro, ainda não sei se poderei ir ou se a chuva fará a vontade ao Zé Neves… ainda assim, se me der ao trabalho, prometo ir de vermelho, com a foice e com o martelo em cada mão, a gritar bem alto palavras de ordem em defesa de revolução socialista.
    Quanto ao resto tem razão. Os ultimos posts do Ricardo Noronha e do Daniel Oliveira levaram o debate para o campo do delírio.

    Ricardo Noronha, prometo não voltar a meter nojo ao Sporting. Em troca pode voltar a dizer qualquer coisa de esquerda? 🙂

  6. LAM diz:

    Renato, chamar demagógico a este post é capaz de ser forte demais, mas tem lá paciência que não me ocorre outro termo. (acho até que já há posts a mais sobre isto, ao fim e ao cabo sobre uma “inocente manifestação” como lhe chama o teu companheiro de blogue Tiago M. Saraiva, por sinal e ao que consta também subscritor. O que não deixo de estranhar também um subscritor assumir que está a assinar uma coisa “inocente”. Para quê então, pergunta-se). Mas avante.
    Porque é que digo aquela coisa feia deste post e do outro que escreveste mais abaixo. Porque o tipo de manifestações e lutas em que participaste há uns anos, de estudantes ou de trabalhadores, em que também alinhavam uns troca-tintas a par com uns bebedolas, eram politicamente, no seu tempo e objectivos, desencadeadas por ti e pelos teus camaradas, com os TEUS objectivos políticos de classe e não de efeitos dúbios (pelo menos conscientemente). Foi por isso que, quase de certeza, não alinhaste na manifestação da Fonte Luminosa (acho que era assim que se chamou), apesar de ela ser convocada sob uma bandeira que te era e é cara, a Liberdade.

  7. Renato Teixeira diz:

    LAM, se puder escolher preferia que chame algo pior ao post. A ideia era ser mesmo muito pior do que demagógico.

    Por não confiar na direcção deste protesto não subscrevi o documento. Não quero que venham a falar em meu nome. Isso impede-me de defender que uma acção não se mede pela agenda escondida dos seus subscritores? Não tenho pudor em defender causas com pessoas antagónicas. A minha questão é sobre as causas.

    No tempo de estudante nunca tive acesso à direcção política da AAC (que de facto desempenhava um papel central a nível nacional). Influenciava a partir da luta de base (assembleias) e a partir dos órgãos de gestão da faculdade de letras da UC. Ainda assim, todas as direcções gerais da AAC e ainda mais todos os ENDA (encontro nacional de direcções associativas) eram controladas quase sempre pela direita e esporadicamente pelo PS. Tudo gente muito pouco recomendável. Imagino que alguns até estarão na manif de amanhã…

    Fonte luminosa? Nah… Não tem o cu a ver com as calças.

  8. António Figueira diz:

    A.Trigueiro:
    Experimente escrever outra vez anginho sem diminutivo e depois angula.

  9. A. Trigueiro diz:

    A. Figueira

    obrigado pelo reparo.

    Nesta altura o que é mais preciso é mesmo um corrector ortográfico

  10. Youri Paiva diz:

    Renato, eu confesso que tenho sérias dificuldades em defender causas conjuntas com pessoas de Direita, mas não significa que tal não possa acontecer. Mas essas causas normalmente são a Esquerda que as defende, e uns tipos de Direita pensam “mas ‘pera lá, estes tipos até têm razão nisto – mas só nisto”.

    Agora ir para a Assembleia da República com os marialvas pela “liberdade”. Liberdade? Pois é, bonito isso. Há é um pequeno problema: a liberdade e coiso e tal que eu quero é completamente diferente das que eles querem (eles nem sequer estão a falar em liberdade, querem é colocar lá o PSD e siga p’ra bingo). Portanto, não há causa nenhuma para partilhar com essa gente amanhã.

    Para isso espero pelo 25 de Abril. É que nessa data costumo ir à Avenida da Liberdade, sem ser vestido de branco, nem com cartazes azuis. A cor é a outra…

  11. Ricardo Noronha diz:

    Sou do Benfica e isso muito me envaidece. A última coisa que me preocupa é dizer coisas «de esquerda».

  12. Youri Paiva diz:

    É o problema da simplificação (reparo, curiosamente, que a tag “Esquerda” é uma das mais utilizadas neste blogue, logo a seguir a “EUA” e “Vídeo”).

    Mas o uso da palavra “liberdade” para tudo e mais alguma coisa, como nome unificador de toda a gente e mais alguma, que ninguém põe em causa e que serve como mote bonitinho para um protesto contra o Governo do PS, é que me causa alguma impressão.

  13. Renato Teixeira diz:

    Ricardo, Benfica, Sporting, Porto… é tudo a mesma coisa. Devias rever o teu benfiquismo. Há lá milhares de adeptos de direita e uma boa centena de nazis…

    Youri, a questão central não é a liberdade mas o ataque ao governo (que considero de direita)… mas ainda que fosse. Achas mesmo que no 25 de Abril marchas só com revolucionários. À cabeça costumam ir os que rebentaram com a revolução e que mais deviam era marchar em Novembro.

  14. Youri Paiva diz:

    Precisamente. Se já tenho (quer dizer, não tenho, mas lá vou) que engolir sapos nesses lados, vou ter que engolir mais ainda? Claro que sou contra este Governo. Como serei contra o próximo Governo, como fui contra o anterior! Não vou para uma manifestação contra este Governo, com um manifesto (?) que crítica apenas este Governo e esquece os anteriores, para pedir um novo Governo que continuará com a mesma linha do actual.

    E aí está a diferença entre a esmagadora maioria dos promotores/bloggers/apoiantes desta coisa e eu.

  15. Renato Teixeira diz:

    Youri, podemos sempre ficar à margem de contestar este governo neste particular. Para mim não é uma questão de vida ou de morte. Mas pelo que a esquerda do sistema anda a fazer dificilmente virá aí uma greve geral ou uma moção de censura. Ora… quem está a deixar o campo da oposição livre para a direita são precisamente esses partidos. A esse deve ser imputada toda a responsabilidade do vazio que se criou.

    Abraço e bom canto… (para a semana retomo!).

  16. Youri Paiva diz:

    Também não espero nada de substancial da esquerda parlamentar. Dificilmente virão daí transformações consideráveis. Mas uma manifestação organizada por bloggers, com uma entrega de um texto sem grande interesse, aparentemente consensual pela liberdade, não me parece ser propriamente interessante. Só se for para o Sócrates fazer a sua birra habitual.

Os comentários estão fechados.