Argumentações de alcova


Banksy

A linha de defesa da actuação de José Sócrates pede-nos para abdicarmos de saber e faz do formalismo o seu principal argumento. Não vou discutir que, mesmo, essa afirmação não é factual: os despachos dos magistrados de Aveiro, porque arquivados sabiamente por Pinto Monteiro, passaram a estar necessariamente sob o escrutínio público. Não vou discutir, sequer, que a actuação de Pinto Monteiro só se verifica porque está em causa Sócrates. Toda a gente percebe que se uma escuta ilegal apanhasse dois operacionais da ETA, ela não servia para os julgar em tribunal, mas de certeza que era utilizada para mandar investigar essas pessoas. No caso de Sócrates, Pinto Monteiro serviu-se da declaração da suposta ilegalidade das escutas para impedir a investigação ao primeiro-ministro.
Vamos, por um momento, esquecer estas verdades e imaginar que os amigos da Câmara Corporativa e demais “situacionistas” têm razão, e que a publicação das escutas divulgadas pelo “Sol” é uma grave ilegalidade. Isso faz desaparecer o facto, de a partir de agora, sabermos o que Sócrates e os seus amigos fizeram para alterar a direcção da TVI? Isso deve-nos inibir de ter um julgamento político à actuação de José Sócrates?
A argumentação daqueles que nos pedem a ignorância forçada deve ter sido baseada numa conhecida anedota:
“Um marido que volta mais cedo do trabalho encontra a mulher na cama com outro homem. A mulher, apanhada de surpresa, exclama: ‘Por que voltaste mais cedo?’. O marido riposta furioso:’O que estás a fazer na cama com outro homem?’. A mulher responde-lhe calmamente: ‘Fiz-te uma pergunta primeiro, não tentes escapar mudando de assunto!’ ” (Anedota citada por Zizek, no livro a Violência, traduzido para português por Miguel Serras Pereira).
Por favor, não perguntem ao Sócrates se tinha um plano, com a PT e outros empresários, para controlar a comunicação social. Condenem apenas a notícia do “Sol”.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 Responses to Argumentações de alcova

  1. Carlos Fernandes diz:

    O Sol ainda não foi comprado por accionistas amigos, como o Vara e amigos socialistas… Por enquanto ainda chateia e lança muita luz inoportuna…

  2. António Figueira diz:

    Porreiro.

  3. Aristes diz:

    Em quatro parágrafos temos Sócrates, Pinto Monteiro, ETA, blog Câmara Corporativa, jornal O Sol, TVI, marido encornado, mulher de marido encornado, Zizek, Miguel Serras Pereira e PT.

    Falávamos de quê, portanto?

  4. miguelserraspereira diz:

    Caríssimo Nuno,
    maré alta!
    Abraço

    miguel

  5. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Aristes,
    Como não acredito que você não tenha percebido o que leu. O seu comentário serve para quê?

  6. A historieta do zizek vem muito a propósito. Faz-me lembrar outra. A da fulana que apanha o marido na cama com outra e este diz: em quem acreditas ? em mim ou nos teus olhos?
    (Nuno faça-me um favor. Diga ao Figueira que no que concerne ao João Pereira ele tinha toda a razão).

  7. ezequiel diz:

    O Bansky, anónimo (é ele o artiste que se recusa a identificar e a render-se aos fetiches utilitários do mercado livre??) e criativo.

    Fantástico.
    ezequiel

  8. 'Idi na Hui' diz:

    Olha,ontem à noite o francisco louçã na tvi24h também estava com merdas sobre a divulgação das escutas e q não valiam nada nem se podia comentar.Um Lula da Silva em potencial?……….

Os comentários estão fechados.