Perguntas simples aos alegristas complexos

Como o debate político por vezes fica demasiado esdrúxulo, particularmente quando se defende o contrário do que se defendeu ontem, lembrei-me de fazer três ou quatro perguntas muito simples e um apelo aos alegristas. Não a todos. Àqueles que combateram Alegre quando este não tinha o apoio do PS e do governo e se preparam para o apoiar agora que ele deixou de ser candidato independente e carrega o peso do PS, do governo e da defesa da maioria absoluta.

O Alegre da primeira corrida eleitoral estava contra o PS e ainda assim sofreu marcação cerrada e candidatos próprios de todos os partidos de esquerda. Agora que Alegre leva na albarda a defesa do governo Sócrates, e passou a ser o candidato oficial do PS, as mesmas figuras que o combateram como independente atiram-se desta feita para os seus braços, com mais ou menor amor, mas desertos por tirar o pano ao beijo envenenado.

A este propósito nada como ler o texto que serviu para a principal corrente do BE informar os seus camaradas do Secretariado Unificado da Quarta Internacional sobre as últimas eleições presidenciais. Algures no meio da análise pode ler-se uma das melhores caracterizações de Alegre. Mal posso esperar pela nova abordagem desta associação política, volvidos cinco anos e reciclado que foi Alegre como candidato do governo. Estou morto para ler a revisão histórica na pena da Alda Sousa ou outro qualquer socialista revolucionário a quem seja entregue tarefa tão ingrata e obtusa.

Será qualquer coisa do género: ontem era mau e fomos contra; hoje é pior mas somos a favor. E ainda por cima sem condições como disse em conferência de imprensa o líder parlamentar do BE, José Manuel Pureza.

Aqui ficam as perguntas:

1ª- Se alegam que querem trabalhar com os desiludidos do PS porque é que o caminho que lhes sugerem é precisamente a origem da sua desilusão, ou seja, o mesmo PS e o mesmo socialismo democrático? A contra-mão do sentido que tomaram? Não será isso manda-los de volta para o sítio de onde estão a sair? Não será isso, passe o exagero polémico, mandar o escravo de volta para o tempo da escravatura depois de este ter ganho a liberdade?

2ª- Estão na disposição de colar cartazes, apelar ao voto, fazer comícios e arruadas, na companhia do primeiro-ministro José Sócrates e demais membros do governo, condescendendo à defesa sistemática e orgânica das políticas levadas a cabo por eles nos últimos anos? Conseguem assumir o vosso apoio ao Alegre independentemente do lastro do PS e do governo? Não vislumbram a alegria de Sócrates com este cenário?

3ª- Se apoiam Alegre para derrotar Cavaco porque não o fazem apenas na segunda volta depois de terem apresentado as ideias dos partidos nos quais estão inseridos? Cansaram de dizer que o voto útil é o voto nas ideias depois de terem passado tanto tempo a defender essa conversa?

Por fim o apelo: conseguem ser claros a responder a estas questões sem dizer que alhos são iguais a bugalhos ou que o rosa é igual ao vermelho?

“E se Sócrates apoiar [Alegre] “por arrasto”? E se não participar na campanha? E se na construção e na dinâmica da campanha eleitoral de Alegre se expressarem várias componentes de esquerda na qual o PS não estando ausente, não seja hegemónico? É obvio que Alegre não quer nem pode alienar o eleitorado socialista mas ao mesmo tempo sabe que a única forma de ganhar é não se colar a Sócrates.” Miguel Cardina

“Não vês que com Sá Fernandes e Roseta se aposta na democracia participada enquanto Sócrates é centralista? Não vez que o Governo é corrupto enquanto Sá Fernandes foi até agora o único político que se foi queixar à polícia de que lhe estavam a fazer olhinhos? E sobre o tema central do ambiente? Também é todo farinha do mesmo saco? E Alegre não tem tomado boas posições em relação aos serviços públicos, ao código do trabalho, à segurança social, ao SNS?” Saboteur

“Perante a possibilidade de ter um candidato oficial do PS escolhido pela direcção do PS, voto no candidato que podendo derrotar Cavaco e não sendo a escolha querida de Sócrates assusta António Vitorino. Perante a possibilidade de um Jaime Gama ou sucedâneo para chegar ao centro-direita tomando a esquerda à esquerda do PS como garantida na segunda volta, voto no candidato que podendo derrotar Cavaco, não é a escolha querida de Sócrates, assusta António Vitorino e precisa do empenhamento de toda a esquerda logo à primeira. (…) Não tenho qualquer intensão de ter o PS como compagnon de route.” Daniel Oliveira

“Votarei em Alegre não porque o sinta como oráculo da Pátria, salvador do povo ou derradeiro avatar de D. Sebastião, mas porque o encaro como veículo para ajudar a exorcizar essa concepção puramente administrativista da política que nos tem subjugado.” Rui Bebiano

“Com o território à esquerda tão densamente povoado, é lícito supor uma adaptação às circunstâncias no modo como a campanha viria a transformar Alegre numa insólita miscelânea de populismo anti-partidos,  nacionalismo saudosista e memória anti-fascista (versão  narcisista). Se acaso a votar em Manuel Alegre nas próximas eleições será porque a vontade de me despedir de Cavaco Silva encontrou respaldo na capacidade de esquecer o Manuel Alegre de 2006. Não depende de mim.” Bruno Sena Martins

“As eleições presidenciais, cujo debate político será tão importante ao longo deste ano, são eleições que se vão decidir na primeira volta entre duas opções fundamentais: a vontade de uma mudança intransigente, contra a injustiça, ou o situacionismo que quer manter o país e os seus poderes económicos e sociais exactamente como eles estão. (…) É tão importante que haja uma candidatura que saiba tomar posição, como fez Manuel Alegre. E tanto incómodo que ele criou; e tanta esperança que ele mobilizou.” Francisco Louçã

“O Bloco de Esquerda apoia Manuel Alegre como candidato presidencial sem condições.” José Manuel Pureza (citado de cor a partir das declarações proferidas na conferência de imprensa do BE sobre as presidências)

“Manuel Alegre, a member of the PS since forever, was annoyed at not being the choice of Sócrates and made inflammatory speeches against the political parties (!) and their apparatuses, defending an active citizenship. He avoided criticising the government, missed the parliamentary session which voted for the 2006 budget, and remained vague on numerous questions.” Alda de Sousa (sobre Alegre nas últimas eleições presidenciais)

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

18 respostas a Perguntas simples aos alegristas complexos

  1. hihi diz:

    As Eleições Presidênciais são supra partidárias.
    Os partidos apoiam quem quiserem.
    Manuel Alegre vai pôr o Conspirador fora da Presidência!
    Foi o presidente de toda a Direita.
    Faccioso, com 2 pesos e 2 medidas.

  2. “3ª- Se apoiam Alegre para derrotar Cavaco porque não o fazem apenas na segunda volta depois de terem apresentado as ideias dos partidos nos quais estão inseridos? Cansaram de dizer que o voto útil é o voto nas ideias depois de terem passado tanto tempo a defender essa conversa?”
    De acordo, e mais, Alegre só numa 2ª volta e concentrando todo o voto anti/Cavaco por variadíssimas razões, algumas até opostas tem probabilidade de vencer.

  3. O marreta diz:

    Podias citar o convite para Amizade com o Manuel Alegre que o teu colega Ricardo Noronha anda a fazer pelo facebook… Ou só bates nos de “fora”..?

  4. Renato Teixeira diz:

    hihi, como disse no texto do Sócrates Alegre essa patranha de que as eleições presidenciais são supra-partidárias, é isso mesmo, uma patranha. Conhece algum presidente que não tenha sido escolhido por um dos dois partidos do centrão. Mais, de todos os que concorreram um que não tivesse tido o apoio de um qualquer partido da praça. Só se lembra de um e paradoxalmente foi Alegre nas últimas eleições. Desta feita, é o candidato do PS e do Governo.
    Cavaco é mau. Não há discussão ai. Mas acredito que se só houver Alegre contra Cavaco, ganha o segundo, como bem diz no comentário seguinte o José Manuel Faria. Pense nisso.

    Marreta, sim, sou bastante solidário. De resto, para quê “bater nos de dentro” se temos frequentemente o Marreta para cumprir com esse devir histórico? Tenho gajos de direita no meu Facebook, alguns deles bons amigos. Sociais-democratas são aos molhos. Serei um capitulador? Uma outra pergunta Marreta, está pronto para votar Alegre na segunda volta ou mesmo na primeira caso o PCP não leve o seu candidato a votos? Espero que nessa altura esteja pronto para “bater nos de dentro” do partido do seu coração.

  5. o marreta diz:

    ALEGRE? Nem na 22ª volta, pá!
    E, neste caso, diga o que disser o CC… como vês, também há elementos pequeno-burgueses dentro do Partido

  6. LAM diz:

    Renato, por uma vez sem exemplo concordo integralmente consigo.

  7. Renato Teixeira diz:

    Ai essa disciplina partidária camarada Marreta… ai, ai. Assim vai ter que rezar duas auto-critica e quatro penitências. Isso sem falar de um óbvio periodo de suspenção. Mas os meus parabéns. A nós ninguém nos cala! 🙂

    LAM, importam mais a qualidade do que a quantidade dos acordos. Ah… e claro, cuidado com os “nunca mais” e com os “sem exemplo” nunca se sabe quando essas interjeições não acabam em desmentidos. Abç.

  8. O marreta diz:

    Renato: Porque achas tu que escrevo sob um nick? se queres a auto-crítica, aqui está! De qualquer modo, preconceito teu achares que a militância comunista é uma carneirada acéfala. Pelo que vou vendo, o seguidismo no bloco é muito mais assustador.

    Quanto às “amizades”, dois reparos:

    a) Ter amigos de direita ou social-democratas é uma coisa. Ser amigo dum Alegre ou dum Cavaco (mesmo que no plano virtual das redes sociais) é já outra bem diferente.

    b) Não deves ser amigo do Noronha no facebook, senão saberias que o teu colega de blog anda a promover a candidatura alegrista. O meu comentário resumia-se a isso.

    Mas se o Noronha ler isto até pode dar o ar da sua graça e explicar que é tudo uma brincadeira dele. Brincadeira, pois, pois… Porque há muito submarino por aqui, não é só sabotadores

  9. LAM diz:

    “…cuidado com os “nunca mais” e com os “sem exemplo” nunca se sabe quando essas interjeições não acabam em desmentidos”
    Pronto, estou de acordo outra vez. Afinal como prova o seu post, não há nada que possa ser dito hoje que amanhã não possa ser defendido exactamente pelo contrário.

  10. Renato Teixeira diz:

    O Marreta diz: “preconceito teu achares que a militância comunista é uma carneirada acéfala. Pelo que vou vendo, o seguidismo no bloco é muito mais assustador.”

    Isso de que o seguidismo do BE é assustador, não tem pés nem cabeça. Nem o do BE nem a do PCP. Pouco ou nada nesses partidos assusta já quem quer que seja. Infelizmente. Disse há uns tempo que escolher entre Cavaco e Alegre é a mesma coisa do que escolher entre a merda e o cagalhão. Acho que o disse no post do Sena Martins aqui citado. Ora, é também o que acho relativamente a escolher o BE ou o PCP como modelos organizativos, ainda para mais se estiver a falar do seu ambiente democrático.
    Isso aniquila o pensamento crítico dos militantes honestos de cada um desses partidos? Evidentemente que não. Mas torna a sua acção acessória. Cosmética. Jogo de aparência.
    Agora nenhum circo centralista e burocrático aniquila as vozes dissonantes. Há sempre aqueles meia duzia que nunca aceitarão o pensamento único que mesmo à esquerda contamina vezes sem conta o debate político.

    O resto acho que diz, acho uma parvoíce. O Ricardo Noronha das duas uma, ou está a gozar ou está a gozar. Pelo que não me parece difícil perceber a coisa facebookiana. Reconhecerá ao rapaz melhores capacidades caso se estivesse a tratar de um apoio ao Alegre. Militância alla facebook não dá evidentemente votos, mas menos ainda convence quem quer que seja do sapo Alegre. Sem querer falar por ele e sem o conhecer bem percebe-se nas suas posições políticas mais inteligência.

    Viu LAM, logo ao debate seguinte. Até ao próximo acordo ou diferença.

  11. O marreta diz:

    Renato:

    Comparar o PCP ao Bloco é simplesmente estúpido!

    O PCP é uma organização da classe trabalhadora: foi por ela criada e é por ela construida. Atente-se, simplesmente, na composição social do Partido.

    Quanto ao BE, não podem restar dúvidas de que se trata duma organização pequeno-burguesa dirigida por prof. universitários. Há 100 anos atrás, na Inglaterra, chamar-se-ia “sociedade fabiana”, em portugal é hoje “esquerda moderna”…

    Sobre o pensamento único convém deixar claro uma coisa: uns gostam de brincar à “discussão teórica” fazendo de cada item um conflito de Egos e uma oportunidade para “brilhar”; já outros entendem que fracções, correntes e tendenciazinhas são o melhor caminho para cavar distâncias, ódios e divisões inúteis entre militantes do mesmo partido.

    Quem gosta, gosta, quem não gosta, chapéu. Mas analisando a eficácia histórica já demonstrada, não pode o meu amigo negar que o modelo organizativo proposto por Lénine em 1922 constituiu aquele pelo qual se organizaram aquelas estruturas que foram capazes de intervir e mudar o rumo da histíoria: De Cuba à China, da Guiné Bissau a Portugal.

    Por fim e sobre facebooks convém não esquecer que, comprovadamente, uns “brincam” e outros lutam; uns apoiaram já o Costa (e refiro-me também à RENOVAÇÃO COMUNISTA à qual pertencem os saboteurs e dangers do parque infantil) e esses mesmos irão agora apoiar o Alegre. Outros… pelo contrário, não!

  12. Viseu diz:

    Então as eleições presidenciais são entre pessoas ou partidos afinal?

    E as frentes unitárias de esquerda são exclusivo da guerra civil espanhola e dos livros de história?

    Não seria esta a oportunidade ideal? Alegre tem os defeitos que tem, mas numa eleição presidencial é mais aquilo que nos une do que nos separa…

    O BE mudou de posição em 5 anos? E agora? Querem que fiquemos imutáveis na coerência que tem levado ao descalabro dos partidos comunistas? Não mudou o PC de posição na questão do sapo Soares?

  13. portela menos 1 diz:

    interessante esta aliança dos rapazes do 5Dias e os marretas da vida…tudo pelo que têm em comum: arrasar o BE e manter Cavaco em Belèm.

  14. o marreta diz:

    Portela menos 1:

    O Bloco trata de cavar a sua sepultura. Não precisa de marretas pra nada. Já quanto ao Cavaco… é suposto ter medo? O Alegrete é um toureiro/caçador/republicano serôdio que, na presidência, será o melhor amigo de Sócrates. E eu não vou votar em candidatos deste governo. Lamento!

  15. Pingback: cinco dias » Para onde vai o Bloco de Esquerda?

  16. Pingback: cinco dias » Triste D’Alema Alegre

  17. Pingback: cinco dias » Das conspirações

  18. Pingback: cinco dias » Do bind-date ao casamento por conveniência

Os comentários estão fechados.