Orwell vs. Cassetes

Enquanto tento alinhar algumas ideias para ajudar a animar a primeira sessão do  Ciclo sobre George Orwell em Lisboa ,  parece-me que talvez não venha a despropósito deixar aqui esta citação do próprio Orwell, desejando que dela @s leitor@s deste post façam bom proveito.

Tanto quanto posso prever, é possível que, quando A Quinta dos Animais for publicada, o meu juízo sobre a União Soviética se tenha tornado uma opinião geralmente adoptada. Mas de que servirá isso? A substituição de uma ortodoxia por outra não é necessariamente um progresso. O verdadeiro inimigo é o espírito reduzido ao estado de gramofone, e isto vale quer se concorde ou não com o disco que passa no momento.

George Orwell (1945)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 Responses to Orwell vs. Cassetes

  1. Diogo diz:

    E que tal esta?:

    “Aquele que controla o presente, controla o passado. Aquele que controla o passado, controla o futuro. ”

    (George Orwell)

  2. Niet diz:

    Belíssima iniciativa que hoje tem lugar no ICS. A vida e a obra de Orwell podem contribuir para um reforço muito significativo da Crítica ao Totalitarismo, nas suas mais diversas vertentes. Descobri- e o ” jogo ” da Net parece-me ser esse -referências magistrais de audácia e profundidade sobre a obra do autor de “1984”, um dos livros mais traduzidos no Mundo. Entre as quais textos e comentários muito profundos de Philippe Sollers, Jean-Claude Michéa e de T. Pynchon. Para lá de diálogos muito interessantes com extractos da Homenagem da Radio Libertaire. Michéa, um dos maiores especialistas franceses sobre Orwell, comenta a propósito da ” Common Decency”, que no ensaio sobre James Burnham, Orwell ” afirma que não era necessário ter feito brilhantes estudos universitários para compreender que Hitler e Estaline eram tipos não-recomendáveis. Para tal, só era preciso ter um mínimo de sentido moral “. Salut! Niet

Os comentários estão fechados.