Biografias políticas, actualização

Quem tenha visto “O laço branco” e julgado que se trata da história de crimes sem castigo, engana-se: há uns castigados, os de sempre, os pobres (a mulher que morre por acidente, o filho que é preso, o pai que se enforca, o resto da família que fica sem trabalho), que compõem uma história que por comparação é anódina, e a que falta a pungência de um incesto ou da repressão da masturbação de um púbere, mas que se infiltra eficazmente na história principal das perversidade locais. (Com os meus agradecimentos à minha amiga I., fina observadora).

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.