Ironia Alegre VI


Ninguém pode acusar Manuel Alegre de falta de coerência. O homem tem e sempre teve um só programa, uma só ideologia: o próprio Manuel Alegre. Que alguém com meio neurónio a funcionar queira ver semelhante figurão com o poder de dissolver a AR, eis coisa que nunca deixa de me espantar.
Lembrem-se de que se trata do mesmo Alegre que há uns tempos queria fundar um novo partido para dar «uma lição» aos demais. O mesmo sapo inchado que aguardava pedidos de desculpa do PS por alguns dos seus dirigentes terem achado desleal a sua candidatura contra Soares – agora o protestante meteu a viola no saco e já se arvora de novo em referência do seu partido.
Mas parece que há quem se alegre tremendamente ante a perspectiva de poder por fim subir ao palanque da festa, de braço dado com um Vencedor. Talvez isso compense as agruras de vidas dedicadas a remar contra marés, mas não é qualquer garantia de acrescida influência sobre coisa alguma. Quando estamos entregue a um auto-governo que talvez seja o mais abominável dos últimos 30 anos da nossa História, como é que passa pela ideia de alguém oferecer-lhe um PR aquiescente e devedor?
Imagine-se Sócrates livre da mesquinha e atabalhoada vigilância de Cavaco. Imagine-se a criatura sem freio nem trela, à vontade para encorajar o seu bando de gafanhotos. A esta espécie de primeiro-ministro, bastaria manter o PR Alegre entretido com inaugurações semanais de estátuas a si mesmo para desanuviar o seu horizonte. Ou imaginem um outro primeiro-ministro que venha a irritar o Vate Alegre; as famosas “bombas atómicas” presidenciais logo passariam a fogo-de-artifício quotidiano.
Quando o Daniel nos interpela com o lancinante «Querem conquistar alguma coisa ou contentam-se com a sua razão?», só posso responder que quero conquistar muita coisa, mas sem nunca desistir da minha razão. E não consigo mesmo ver uma só razão para querer ter como presidente um saco de vento solipsista e auto-obcecado. Antes uma criatura desprovida de cultura mas cautelosa e timorata.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 Responses to Ironia Alegre VI

  1. O vozeirão de Manuel Alegre nem para afugentar pardais serve.

    Se a esquerda estiver dependente daquele passarão – um dos grandes beneficiários desta diatadura sucialista, laica e republicana – é por que a Esquerda já não vale nada!

  2. Justiniano diz:

    Rainha, meu batráquio encerado, excelente, sem dúvida!!

  3. Renato Teixeira diz:

    Muito bom… sim senhor. Prepare-se para levar quilos de porrada reaccionária. Isto de fazer ironia com uma coisa tão séria não colhe muita simpatia entre os profetas da esquerda moderna lusitana. Só uma questão: Porquê antes Cavaco? Não lhe agradava um candidato de esquerda contra o governo?

  4. Luis Rainha diz:

    Antes Cavaco que Alegre. Quanto a isso, nem hesito. Mas quero é um PR que sirva de travão e de fiscalizador a esta espécie de governo que nos calhou na sina – se for mesmo de esquerda, muito melhor.

  5. Nuno diz:

    Luís Rainha, estou plenamente de acordo consigo.

  6. Carlos Vidal diz:

    Luís Rainha, excelente regresso.
    Eu também prefiro uma criatura sem cultura, mas cautelosa e timorata. O que não significa que seja Cavaco. Nem vejo nenhum problema na abstenção (o voltar costas, o não votar, não participar…). A falta de comparência no voto quadrienal não é uma falta. Pode ser (é) um acto reflectido, astuto mesmo. Justo, enfim. Diria um matemático, lógico.

  7. Pingback: cinco dias » Sócrates Alegre

Os comentários estão fechados.