O gurkha do dono

O apoiante de Bush, o especialista em reportagens em hotéis de 5 estrelas, voltou a escrever sobre nós. Vamos clarificar as coisas que ele está com algumas dificuldades de compreensão: o seu problema não é ter sido revolucionário na sua juventude, é apenas não passar de um reles troca-tintas na sua decrepitude.

É a segunda vez que a criatura dedica uma coluna inteira a insultar-me. Espero não ter de me referir mais vezes a este indivíduo que usa a coluna que tem no jornal para atacar quem não gosta. Deve ser uma espécie de prebenda, para quem utiliza, a maioria das vezes, esse espaço para defender o sr. primeiro-ministro e o presidente dos EUA que esteja no posto.
Nós, do 5 dias, somos simples bloggers, mas se pensa que nos assusta, está muito enganado.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

27 respostas a O gurkha do dono

  1. mesquita alves diz:

    Estimado Nuno,

    O Vosso problema, militantes ou simpatisantes do PCP, é que no fundo , vocês, são os gaijos mais incompetentes que eu conheço.
    Tiveram 40 anos, antes da democracia, para tomar o poder. Não foram capazes.Foi preciso uma mão dos militares.Após revolução, tiveram o poder na bandeja, foram comidos de cebolada pelo Mário Soares.Andam há anos, a prometer mundos e fundos aos vossos escravos- leia-se militantes- e não conseguem melhor do que uns magros 8%.
    Tendo em conta que o 25 de Abril foi há 35 anos, é vergonhoso aquilo que vocês têm para apresentar aos vossos militantes.
    Ou seja, confirma-se a minha teoria, vocês são mesmo incompetentes…

  2. toni diz:

    Parece-me que alguem tem que explicar a essa besta que quando nao se vende a propria alma a quem se combatia ontem, NAO, Nao é tao simples assim, ter trabalhos bem pagos como ele tem. Ou entao alguem o esgane como ele pede.

  3. Idi na khui diz:

    Kem é o filho da puta?

  4. viana diz:

    Ferreira Fernandes está irritado. Não percebe como é que o sistema não exila os seus contestatários. Não percebe como é possível as empresas, o Estado, permitirem, alimentarem no seu seio, aqueles que pretendem derrubar o sistema, os seus inimigos. O que ele gostaria mesmo era de ver o Nuno Ramos de Almeida, e todos nós, registados num livrinho qualquer, bem vigiados, e a bem ou a mal, “empurrados” para fora, dos empregos, do País, do sistema. Connosco isolados, exilados, silenciados, o Ferreira Fernandes já não teria de se confrontar com aquilo que foi, e que calou e vendeu em prol do agora possui: “uma boa situação na vida”. Há que festejar com Dom Perignon, se possível sacado do frigorífico da empresa, os Ferreira Fernandes deste mundo, pois comparados com eles, qualquer revolucionário de sofá se sente como se estivesse numa barricada de rua!

  5. Caro Mesquita Alves,
    Não sou simpatizante do PCP. Fui seu militante. Tinha 10 anos em 1974. Era-me muito difícil tomar o poder. Acredite.
    A conversa com o Ferreira Fernandes começou com o o tipo a usar o ataque pessoal em vez de argumentar. A repetição do ataque apenas demonstra o carácter do sr. Os argumentos continuam pífios, mas não se pode pedir muito da criatura. Dizer que quem é contra o capitalismo não pode trabalhar para a Mcdonald, tal como é contra a ETA não pode fazer propaganda dela é uma lógica bastante fraquinha. Eu não trabalhei para o governo norte-americano, mas para uma empresa capitalista que faz hamburgueres. Segundo essa lógica, não posso trabalhar para as empresas privadas, não posso ser jornalista (todos os grupos são privados, e o Estado está nas mãos do Sócrates), não posso trabalhar para as autarquias pq não sou militante de nenhum partido e não posso viver da mendicidade, pq sou contra isso. Enfim, teria de viver do ar. Não é muito inteligente, é apenas o Ferreira Fernandes. Fretes ao poder e insultos a quem não concorda com ele.

  6. rui diz:

    Tanto ódio! Tenha calma!
    O Ferreira Fernandes nem o insultou assim tanto, deu a sua opinião e defendeu-se.
    Seja sensato.

  7. Pedro diz:

    NRA, em certo momento da vida pode mesmo de ter de trabalhar para o governo dos EUA, nem que seja como motorista ou jardineiro da embaixada. A lógica é a mesma: há que fazer pela vida. Mais nada. Não vale a pena fazer a ressalva de que não trabalha para o governo dos estados unidos, não vale a pena. Por mais estranho que pareça, têm os dois razão, o NRA e o FF, . Os “anarquistas” da Grécia (é assim que lá lhes chamam), incendeiam mac donalds, porque vêm a empresa como um agente e motor do capitalismo global. Estragam portanto ao mesmo tempo a vida a quem quer fazer pela vida, a quem lá se emprega. A questão é que aqui no 5dias é uma tal salganhada que não se percebe a vossa posição (se é que há uma posição comum), em relação a essas acções.

    E foi um bocado ridicula aquela invocação dos SUV.

  8. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Rui, no dia em que um colunista usar o seu espaço para imprimir o seu nome e dizer que é um tanguista, está vendido e outros insultos mais. A gente fala. O Ferreira Fernandes podia ter discutido o artigo do Pacheco Pereira, até podia ter discutido os meus posts , era preciso lê-los, mas limitou-se a insultar, atribuir-me coisas que eu não escrevi, e a manipular informação.
    Para lhe dar um exemplo, eu nunca escrevi sobre fogos em Mcdonalds e a crise grega. Aliás, eu acho que nunca escrevi sobre a Grécia, limitei-me a reproduzir posts com várias opiniões de outros blogues.
    Se reparar na minha primeira resposta, até é bastante suave, para o que ele escreveu. A minha resposta, à segunda coluna que ele me dedica, é já feita ao nos termos que o Fernandes percebe. Está provado, por esta série de colunas, que ele tem um entendimento muito limitado. Deve ser por causa da coleira.

  9. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Pedro,
    A questão que vale a pena discutir é se há limites éticos para quem tem uma determinada posição política, em termos de emprego.
    Eu trabalhei para a Impresa, Impala, Lusomundo, LPM, Prisa. Trabalhei sempre em grupos privados. Como, tirando seis meses, fui sempre jornalista, fiz as notícias sobre coisas que não concordava (partidos, empresas, organizações, etc..), tentando escrever notícias honestas e bem feitas. Pelos vistos, não o poderia fazer. Apenas podia noticiar coisas com que tivesse de acordo. Resumindo, segundo o Ferreira Fernandes eu não podia trabalhar em Portugal.
    Nunca defendi a queima de restaurantes da Mcdonald, nunca escrevi sobre isso. Qual é a contradição?
    Quando o Ferreira Fernandes fala da incoerência dos outros, devia olhar para o seu umbigo. Não escrevi a peça dos SUV, mas percebo a lógica. É lembrar o provérbio ‘diz o roto ao nu’.

  10. Nuno diz:

    A Estupidez por vezes não tem limites.

    Afinal quem é que começou esta guerra de forma gratuita ?, Não foi lá o ex revolucionário que veio confundir a estrada da beira com a beira da estrada de forma gratuita para atacar o Pacheco Pereira, comendo o 5 Dias por tabela ?

    O que o 5 Dias fez foi dar a provar ao Fernandes o seu próprio veneno e pelos vistos o barrete serviu na perfeição.

    Acho execrável utilizar um jornal de grande tiragem para fazer uma campanha de auto-promoção que não interessa a ninguém, que o Fernandes tenha a hombridade de combater com as mesmas armas com que combatem os outros; se tem problemas que crie um blogue e publique, onde esteja patente o direito de resposta, se não o faz, para mim isso faz mais que prova do carácter do mamífero !

    Eu, que até sou o que os amigos do 5 Dias chamam de um tipo de direita, estou 100% solidário com eles nesta luta !

    Antes comunista que cretino !

  11. Cajó diz:

    Mesquita,
    Se os comunas são ou não incompetentes é algo que não interessa muito neste momento. Reparo até nas suas palavras uma certa amargura talvez porque em miúdo teve quase para ser transformado em bolacha e ficou transtornado com a experiência, admita…
    Os comunas não são inocentes. Todos sabemos as ambiguidades do comunismo. Mas depois olhamos à volta, 20 depois da queda do muro de Berlim, e observamos o que?
    As mentiras que o senhor não refere do PCP aos seus militantes são assim tão diferentes das mentiras do Sócrates? A hipocrisia dos comunas é assim tão diferente da do Cavaco? A imbecilidade dos argumentos do PCP não é tão parecida com a do Guterres? A cobardia/ambição/gula de um Durão será diferente de todos os outros?
    Haverá algum comuna mais incompetente que o desgraçado do Santana Lopes?
    São os comunas que dominam a comunicação social? Sic Noticias, Diário de Noticas, RTPN, Publico, Correio da Manha, Prós e Contras, Quadratura do Circulo, O Eixo do Mal, são dominados por comunas?
    PS com o Vitorino, PSD com Pacheco Pereira e Marcelo Rebelo de Sousa, CDS com Paulo Portas todos tiverem ou tem programas onde é impossível questionar o quer que seja. Debitam o que querem. E só os comunas é que são os maus e totalitários?
    São incompetentes como todos os outros? Talvez.
    Posso até contar-lhe a minha experiência enquanto colega de alguns comunas numa autarquia. São humanos, digo-lhe já à partida, e como tal tem as mesmas virtudes e defeitos que o resto dos seres humanos, acredita? Sou funcionário no DSEVT, Departamento de Salubridade, Espaços Verdes e Transportes na autarquia de Almada. A sua administração comete erros? Comete. Eu próprio conheço alguns de muito “perto”. Mas digo-lhe, acredite ou não, neste departamento temos 98% das rubricas pagas. Os restantes 2% deve-se na esmagadora maioria a facturas com a entrada a partir de 15 de Dezembro que obriga a entrar na contabilidade somente a 2010. A totalidade na autarquia ascende ligeiramente os 90%. Sabia, calculo que sim, que isto é situação que só encontra paralelo em mais 5 autarquias? Será fruto de tanta “pseudo” incompetência?
    Conheço comunas incompetentes tal como conheço comunas honestos, trabalhadores e competentes tal como conheço bloquistas, socialistas e outros “istas”. Bons, maus há de tudo um pouco. Até tenho 1 colega anarquista, sabia? E não foi “excomungado” pelos comunas maus.

  12. Niet diz:

    Por acaso conheci de raspão o FF, que, creio, andava pela LCR.
    O que parece incomodar o FF, hoje, é que, e para voltar à carga,
    teme que o número de leitores do 5Dias seja muito superior ao
    que arrebanha o DN. Não foi ventilado, no Verão passado, que
    um grupo das arábias queria comprar, por junto, o Público e o
    Dn? E as dívidas monumentais da ControlJornal da nebulosa Oli-
    veira & Cia? E com o desemprego que alastra na classe…e que
    parece irreversível!!! Como devem estar desta engrenagem,
    tentem seguir este alvitre. Niet

  13. Parece-me que V. estão a dar demasiada importância ao colunista e ele agradece. Só isso.
    Cordeais saudações

  14. Pedro Penilo diz:

    A insistência em usar uma coluna do Público, para denunciar que alguém que trabalhou para a McDonald’s (ou para a Impresa, ou para outra qualquer no futuro) é um perigoso radical, é tão abjecta que prova apenas que FF nunca foi revolucionário na sua miserável vida – porque tendo-o sido, lhe restaria alguma vergonha na cara no que toca a determinados gestos… A mensagem de FF é clara: “pessoal, não dêm trabalho a este homem!”

    O que fica demonstrado é que FF terá sido sim desertor (talvez por cobardia), oportunista (talvez por ter sido aquele o sentido da corrente) e agora bufo (talvez por ser este o sentido da corrente).

  15. António Figueira diz:

    Tenho simpatia pelo comentário que precede.
    Há dois traços no comentário de FF que ofendem, um a minha ética, o outro a minha estética: o primeiro é a rasteirice – repetida – do ataque aos outros, no caso ao Nuno, a segunda é a vaidosice do elogio próprio – FF como o revolucionário integral!, que ideia ridícula. Dito isto, acho simpático que o homem gaste tanto do seu tempo connosco, agrada-me a ideia de lhe desagradar.

  16. pedro m. diz:

    Como o NRA disse, o Fernandes não argumentou, tendo-se limitado a atacar os outros. E porquê? Porque ao contrário do que ele diz no seu texto de hoje, ele envergonha-se do seu passado, do que foi, do que fez. O ataque aos outros (neste caso ao NRA) não passa da forma que ele (mas também os Pachecos Pereiras, Manueis Fernandes, Helenas Matos, Espadas, etc, etc) encontrou para expiar os seus fantasmas. Sempre que o assunto em causa anda à volta do marxismo verifica-se que estes coitados recalcados têm necessidade de justificar alguma coisa perante alguém, ou perante eles próprios, e que nas suas «análises» estão a falar mais deles do que dos outros. No fundo, no fundo, o ataque aos outros não passa de um ataque a eles mesmos, mas como têm vergonha de assumir o seu passado e do se auto-criticarem, servem-se dos outros (onde se projectam) para tal.
    Aliás, veja-se como apesar do coitado dizer que não se orgulha do passado, afirmar a seguir que desertou, que esteve no exilio, que foi expulso da tropa: ou seja, até parece que afinal não rejeita o seu passado, mas que este é, antes motivo de (auto) elogio! Assim ele está a dizer que se envergonha de ter sido «revolucionário», mas que se orgulha de não ter sido um «revolucionário da tanga». Neuroses…
    A verdade é que estes coitados nunca foram revolucionários, mas sim revoltados, revoltados consigo mesmos: há trinta anos e cinco anos serviram-se do PREC para expressarem a sua revolta interior; hoje servem-se de outros para expressarem a sua revolta contra o seu passado de que não se querem lembrar. Deviam ir todos ao psicanalista!

  17. Pedro Martins diz:

    O Ferreira Fernandes é o melhor colunista português. Eu se fosse ao NRA também ficava fulo se o melhor colunista me destapasse a careca.

  18. Carlos Vidal diz:

    Pedro Penilo, em cheio:
    primeiro, desertor.
    Depois, oportunista.
    Agora, bufo.
    (Dá notícias, já em 2010.)

  19. Renato Teixeira diz:

    O FF é o melhor colunista português e ninguém faz melhor arroz doce do que eu que nunca me lembro de lhe pôr açúcar.

  20. Um bom ano 2010 para si Nuno Ramos de Almeida. E não se enerve tanto, eu sei quanto difícil é levar-mos um murro na nossa dignidade.

  21. Antónimo diz:

    Recentemente, FF até elogiou Pinto da Costa, ele que sempre li como benfiquista mais do que ferrenho.

    Está tudo dito quando alguém elogia outro clube de futebol que não o seu, pois deve ser a única coisa em que nunca ninguém muda de camisola.

    um bom ano aos cinco diistas

  22. mesquita diz:

    Gostei muito do comentário: “quem é esse filho da puta”. Não interessa o que ele disse, o importante, é matar o moço.Ninguém contestou um milímetro, aquilo o que eu disse.Isto é um drama imenso para o PCP.

  23. miguel serras pereira diz:

    Caríssimo Nuno,
    um abraço solidário. Há certos ataques que só sujam quem os empreende.
    Avante pela Autonomia – e um glorioso 2010 para ti

    miguel

  24. mesquita diz:

    PS. Se eu não estive bem, o Bidal que me corrija…

  25. Caríssimo Miguel e demais comentadores,
    Bom ano.
    Nuno

  26. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Mesquita, acho que o filho da puta não era para ti.

  27. flash gordon diz:

    Ao que isto chegou… já aqui temos comunistas como o Pedro Penilo (secundado pelo Vidal) a achar que os desertores desertavam por medo… corajosos eram os que iam matar pretos, olé!

Os comentários estão fechados.