A amnésia de Ferreira Fernandes

Caro FF:

Posso compreender, a muito custo, a dissidência de alguém que deixe a esquerda radical para acabar em esquerda nenhuma, agora o que não me entra na cabeça é que os que deixam este albergue acabem na mais reaccionária e retrógrada extrema-direita.

Como prometi no post do NRA, para bufo, bufo e meio.

Aqui deixo alguns destaques do manifesto dos SUV e do seu responsável trotskista, Ferreira Fernandes:

“…considerando que já por diversas vezes fizemos cedências à burguesia nomeadamente ao submetermos a nossa luta à aliança com o MFA, que por causa das suas contradições e hesitações no passado, e de hoje estar ao serviço de elementos contra-revolucionários, nos tem valido não só o afastamento e hostilidade da população (especialmente dos nossos irmãos camponeses), como também a desmoralização de numerosos combatentes das nossas fileiras e o adormecimento perante a ofensiva reaccionária dentro e fora dos quartéis…”, “…SUV luta com todos os trabalhadores pela preparação de condições que permitam a destruição do Exército burguês e a criação do braço armado do poder dos trabalhadores: o Exército Popular Revolucionário…”, “…Sempre, Sempre ao lado do Povo é o nosso lema…”

SUV – Setembro de 1975

Uma pena (ou não) ter mudado de barricada.

Como também me concedeu o prazer de me citar (desde que vim escrever para o 5dias só tenho tido discussões com gente importante. Ele é FF, ele é JPP, ela é FC. Isto sim é prestigio!!!), deixe-me que acuse o toque e o esclareça: quando afirma que “há lá um admirador do maluquinho que enfiou a estatueta do Duomo na cara de Berlusconi. (…) o que a democracia não resolve tem de ser o povo a resolver“, procura confundir o elogio do acto com o elogio do actor. Admiro portanto, reiteradamente, o sentido de justiça de um acto de dado “maluquinho”, no caso, o que refere. Não significa porém que um dia destes veja um post meu a louvar a loucura (nessa altura venha cá falar do tema).

Como pode ver não entendeu (ou fingiu não entender) o sentido do post que cita.  No caso concreto, o que estava mesmo a degustar era o sentido de justiça que o Duomo de Milão adquiriu na boca do Berlusconi. Sem mais nem menos. O que o deve aborrecer um bocadinho mais do que o simples elogio da loucura.

Ainda e “sempre, sempre, ao lado do povo”, obrigado pelo elogio envenenado (esta vale para si também Pacheco Pereira).

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

13 respostas a A amnésia de Ferreira Fernandes

  1. Nem, pelo menos, melhorou a qualidade da prosa: os escritos do DN continuam de má qualidade.

  2. Pedro diz:

    Isto é tão pueril, que dá vontade de rir. Os SUV? LOL. Mais chocante seria colocarem uma fotografia do FF de meias às riscas. São curiosos os vossos escrúpulos. Quer dizer, vocês aumentam a parada e depois ficam amuados com a denuncia de um desvio burguês e pensam que colocar um papel amalececido com mais de trinta anos, é retaliação que se veja. No fundo, e à superfície, vocês são uns estetas. Não há diferença nenhuma, por exemplo, entre o elogio do Vidal à Coreia do Norte e uma litografia do Kim Il Sung feita pelo Wharol. E afinal, tudo o que o Nuno quer é fazer pela vidinha, como qualquer um de nós. Ainda se trabalhasse para a MacDonalds para a sabotar por dentro… mas alguém está contra o facto de alguém trabalhar para a MacDonalds, ó santinhos? Tudo isto é ridículo. Um dia entrei num site “afiliado” da indimedya. Perguntei lá a um tipo se gostaria que lhe incendiassem o carro (isto a propósito dos motins em Atenas). O pequerrucho respondeu-me, candidamente, que nessas ocasiões tem o cuidado de não levar o carro para uma rua central. Uns têm que trabalhar, outros têm que circular, outros têm que falar, outros têm que comer, outros têm que vestir, viajar, estudar. Tudo já necessidades primárias que sustentam esta sociedade que tanto execram.

  3. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Pedro,
    Eu não teria nenhum problema em trabalhar para a Mcdonald’s. Não o fiz, mas poderei fazer se não tiver emprego na minha profissão. Agora, isso só na cabecinha do Ferreira Fernandes e na sua é um problema de coerência com as minhas ideias. Eu sempre assumi as mesmas ideias e convicções. Agora se fosse ao Ferreira Fernandes, eu não escrevia sobre coerência. A menos que ele esteja convencido que coerência é a velocidade espantosa com que ele foi virando a casaca. Como você diria: ‘foi fazendo pela vidinha’

  4. mc diz:

    bastava termos lido o que o nuno escreveu para nos termos apercebido da honestidade intelectual de ferreira “quem mesmo?” fernandes. agora, sinceramente, fiquei a duvidar da tua.

  5. Renato Teixeira diz:

    Pedro e mc, onde trabalhamos e o que fazemos para sobreviver chama-se emprego, trabalho, profissão. Os bons profissionais sabem trabalhar para empresas cuja lógica não reivindicam. Agora o que fazemos em política é do foro público. Ferreira Fernandes que explique o que o fez mudar de ideias e não se espante que lhe perguntem porque deixou de estar sempre, sempre ao lado do povo, e porque deixou de defender o superior interesse da classe operária.
    Agora se ele trabalha para este ou aquele patrão não tem interesse nenhum. Nem os de hoje nem os de ontem. Interessa-me o trajecto das suas ideias não o seu percurso profissional.

  6. Pedro diz:

    É, até aposto que o FF já não usa calças à boca de sino e golas de camisa em ponta de bico, o vira casacas. A sério, os SUV?! E que vem a seguir? Uma fotografia do FF a apertar a mão ao Américo Tomás na primária?

  7. Renato Teixeira diz:

    Para mudar de roupa não é preciso grandes explicações. Nem para apertos de mão de ocasião. Para defender o avesso do que pensamos ia bem um ou dois considerandos.

  8. marilu diz:

    Este pedro,é uma instância do senso-comum,um burguesinho:gosto de gente que está com os vira-casacas(os vira-casacos só viram da esquerda para a direita,pq será?),axo q têm um não-sei-o-quê de personalidade,de pedigree (pal),enfim têm ideologia que é a do oportunismo e têm orgulho em serem fdp.Conheço muitos assim.E, deixe-me dizer que o q já li do ff,é uma grande merda escrita por um escriba.
    Agitprop, não é o mesmo q Relações Públicas?É!
    Não é propaganda,é Propaganda!

  9. Pedro diz:

    Olha, esta marilu fez-me agora lembrar-me dos Ena Pá 2000 😉 Ó marilu, deixa-me ir-te ao comentário: olha que o vira casaquismo é como as marés, tem fluxo e refluxo, e tu só agora chegaste à praia. Por acaso, no maior movimento de viracasaquismo na nossa história, toda a gente virou de repente tão prá esquerda que só parou quando bateu na muralha da china.

  10. Pedro diz:

    Olha, esta marilu fez-me agora lembrar-me dos Ena Pá 2000 😉 Ó marilu, deixa-me ir-te ao comentário: olha que o vira casaquismo é como as marés, tem fluxo e refluxo, e tu só agora chegaste à praia. Por acaso, no maior movimento de viracasaquismo na nosdsa história, toda a gente tombou de repente tão prá esquerda que só parou na china.

  11. Carlos diz:

    A amnésia faz bem à saúde. Ainda me lembro desse tempo, quando o irmão da minha namorada da altura andava com a cara tapada de preto com os SUVS, a ver se não ocupavam a fábrica do pai. Desculpem lá, mas as verdades são para se dizer

  12. Nuno diz:

    Quem com ferros mata…

  13. Renato Teixeira diz:

    … com ferros morre.

Os comentários estão fechados.