Quem é Ferreira Fernandes? Ainda não jantei (i.e. daqui por 3h já posso expelir)

(KIKI SMITH)

Em primeiro lugar, peço desculpa ao Nuno por me estar a meter num assunto que é mais dele do que meu, refiro-me ao arroto (como um simpático adversário costuma dizer) de Ferreira Fernandes no Diário de Notícias de hoje.

Em segundo lugar, devo acrescentar que o assunto acaba também por ser meu, e não porque a mastigação desse ignoto jornalista se refira ao 5dias, mas porque se me refere (portanto a mim) como um “crítico de arte que defende o direito de Kim Jong Il possuir a bomba a tómica”. F. Fernandes, digo-lhe isto – para quem mal sabe ler e escrever, devemos ser directos e o mais possível: nunca escrevi sobre isso aqui no 5dias, mas, sem dúvida (nenhuma) eu defendo o direito de Kim Jong Il ter a bomba atómica!! Percebeu F. Fernandes?? Não?? Algum leitor explica a esta alma o que eu acabei de dizer?? Pode-se traduzir para algum dialecto acéfalo aquilo que eu acabei de escrever??

Situemo-nos perante este “artigo” do DN, orgão oficioso do partido e do seu governo. Há uma semana, Pacheco Pereira (um grande abraço, caríssimo) escreveu na Sábado um texto frontal sobre a frontalidade do 5dias. Quer dizer, afirmou ser este o blogue mais interessante da esquerda radical (palavra bonita que provém de raiz) que contrasta com outros, vivendo na esperança de prebendas de um qualquer governo. Como a “jugulice” é também frontal a sorver o chão que o primeiro-ministro pisa, o blogue a que PP se referia só pode ser um, por mim aqui sistematicamente criticado.

Ora, se eu sou um crítico de arte (fui) que defende a Coreia do Norte (com todo o prazer!), já ao Nuno, cabia-lhe esta prosa:

«O seu mais antigo colaborador é Nuno Ramos de Almeida. Há dias ele escrevia um post com o título “Tornar a violência visível”, seguido de outro: “Saber dizer ‘não'”. Aparentemente, outro bolchevique de faca na liga. Porém, ainda há meses, ele trabalhava numa agência de comunicação, onde promovia a McDonald’s.»

Ora, eu não sei bem o que está aqui escrito, nem li tudo, mas sei o que é isto: trata-se da exposição de dados pessoais e profissionais de uma pessoa, dados expostos aqui provavelmente a mando de alguém (tenho uma suspeita) que viu neste F. Fernandes a pessoa indicada para o fazer. Mas o que me interessa é que este “senhor” atacou o 5dias expondo a vida pessoal e profissional de um seu membro.

E eu peço o seguinte: dêem-me dados pesoais sobre esta lamentável personagem para eu logo os enviar para o lixo do blogue (é o lugar certo, nem leria nada). Bom, de verdade verdade, F. Fernandes, aqui na esquerda radical nós trabalhamos a sério e não esquecemos: a partir de agora o sr. está marcado. Fixe isto. Marcado.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

20 respostas a Quem é Ferreira Fernandes? Ainda não jantei (i.e. daqui por 3h já posso expelir)

  1. Eu também tenho uma suspeita, melhor, várias. Mas também tenho a minha maneira de ser frontal. Por isso não digo.

  2. ezequiel diz:

    nunca se tratou de uma questão de “direito”, prof Vidal.

    n li o artigo do homem que o sr prof Marcou. o homem vai ter que se enfiar numa barcarola e rumar pa destino desconhecido! n se faz, sr prof. e, como se n bastasse, o sr , fazendo uso dessa sua inteligência agitprop recorre ao “nós”, da “esquerda radical”, que, “trabalhamos a sério”…uauu…foi deveras aterrador. se fosse ao f fernandes emigrava pa patagónia e dedicava-me ao whalewatching. podia fazer bolachas pra fora. de muesli.

    eu li num poster de um bar de malucos isto, há muito tempo: ” I was chased by an Amish Drug Lord. parti-me a rir. a versão russa seria “I am being chased by the intelligentsia.” LOL LOL a versão nova iorquina seria “I am being chased by woody allen and yoko ono. f fernandes, beware. LOL LOL:) imagine, sr prof, que o tal senhor riposta e diz que é o sr, e não ele, que está marcado!!!!!! ena, que drama. só falta os tambores.

    espero que o sr prof nunca me marque a mim. santa insignificância.lol

    a cena da kiki smith…bolas, o sr merece um prémio!!

  3. miguel serras pereira diz:

    Meu caro, espero que já tenhas jantado. A fome é má conselheira. Mas, enfim, o que eu queria dizer-te é que, embora me solidarize inteiramente com o Nuno Ramos de Almeida, tenho de discordar deste teu post.
    1. Que eu saiba o 5dias não é uma plataforma política nem uma tendência da “esquerda radical”. Por isso, é um tanto abusivo que escrevas ao FF: “aqui na esquerda radical nós trabalhamos a sérioe e não esquecemos: a partir de agora o sr. está marcado. Fixe isto. Marcado”. Claro que tu fixas e marcas quem queres, mas não podes afirmar que o 5dias, ou a esquerda radical de “aqui”, proceda do mesmo modo – ou que representas o seu modo de proceder. Falo por mim: entendo que o FF tem a possibilidade de reconsiderar e retirar o que disse; entendo que deveria fazê-lo; e que seria melhor para todos – a começar por ele próprio, porque o Nuno está acima do que a crónica do DN alcança – que o fizesse o mais rapidamente possível. Até lá, seria gostosamente testemunha de duelo do Nuno, se este caso tivesse de chegar ao campo de honra. Mas em matéria de fixação, de marcação, etc. por aqui me fico. Não vou fichar seja quem for, nem compor listas negras, nem contribuir para um novo Index.
    2. Tu próprio, de resto, dizes que enviarias para “o lixo do blogue” quaisquer dados pessoais que te facultassem sobre FF. Em que ficamos afinal? Destróis a ficha e dizes a seguir que “o sr. está marcado”? Deixa-me pensar que o teu post – que creio não servir o Nuno da melhor maneira e acabar por desviar as atenções do fundo do problema – foi um desagradável efeito do jejum.
    Cordialmente
    msp

    P.S. Que tal, no caso de me responderes, e a outros comentários a este teu post, encaminhares a discussão para o post original do principal ofendido?

  4. Humor Negro diz:

    Esta obra de Kiki Smith é tão poderosa, que não há palavras…

    CV, aceite um conselho sensato… (vinda de um ser com pouco senso… mas algum sentido prático!!!). Daqui a 3 horas, quando tiver vontade de expelir, tenha calma, sente-se na retrete…

    Qual o motivo?
    – Não vai F. Fernandes a limpar-lhe a casa… Pense nisso!
    Quando muito expila (Céus! que sonoridade agressiva…) o que couber para dentro de um envelope A4 e solicite uma entrega urgente ao domicílio…

    Pense bem!

  5. pedro diz:

    Mas há dados pessoais que até acabam por ser relevantes, e a verdade é que o dito jornalista fez parte dos SUV (soldados unidos vencerão). E isto é relevante porquê? Porque estes coitados (desde o Pacheco Pereira, passando pela Helena Matos e acabando nos Ferreiras Fernades) vivem atormentados com o seu passado, e vai daí projectam o seu passado e personalidades «revolucionários» nos outros: ou seja, falam dos outros a pensar nas suas juventudes. Foi a forma que encontraram para se libertarem dos seus traumas e recalcamentos, como diria Freud.

  6. A privacidade não será um valor burguês?

  7. Carlos Vidal diz:

    É.
    E vivemos numa sociedade burguesa.
    Mas o problema é outro:
    é que o sr. Fernandes queria argumentar sobre algo e não foi capaz, não foi além da vida privada.
    Apesar de tudo, no espaço público burguês ainda se discute.
    (Há uma coisa de Habermas – perdão por recorrer a uma “autoridade” – exactamente sobre isso do “espaço público”.)

  8. Belzebu Catita diz:

    “Marcado”. Esta é mesmo à comuna.

  9. marilu diz:

    Agitprop,não é o mesmo que Relações Públicas,prof ezequiel?A propaganda é má quando o Estado a fazmas,já é boa qdo são os Privados a fazer.O Estado é mau qdo censura,já os jornais privados,TV’s,Radios já é bom.Já tou farto dos seus 2 pesos-2 medidas q as opiniões do sr. são tão válidas,como o sr. astrólogo cujas previsões são válidas pq muita gente acredita…

  10. Fuser diz:

    Havia de ser bonito o Kim Jong Il ter a bomba atómica… Estaria logo ameaçada a estabilidade mundial senão a lançasse logo. Mas ‘pera aí, eles não têm já a bomba? Ah, é por isso que há instabilidade mundial, está explicado. Não? Então, mas a Coréia nunca lançou a bomba? Então, porquê esta instabilidade? Ah, pois, eu vi logo. Porque o Saddam tinha a bomba… Também não?! O Saddam não tinha a bomba? Então o que foram lá fazer os americanos?! Ah, é por isso que há instabilidade, tá bem… Então o problema são os americanos e não o Iim Jong Il. Os americanos é que não deviam ter a bomba.

  11. ´Marcado quer dizer ir para o campo de concentração? perdão, Gulag?

  12. é sempre emocionante ler estes exercícios auto-retratistas da vida individual dos seus moderneiros na bloga. Vou mandar-te uma pizza a casa.

  13. lingrinhas diz:

    sr vidal muito provavelmente tambem estava no pelotao da pm que invadio o pavilhão carlos para marcar os operarios metalurgicos que se não estavam marcados muitos deles ficaram e em muitos outros citios tambem houve muitas outras marcas.

  14. Pingback: cinco dias » A Crise da Representação

  15. ezequiel diz:

    Cara Marilu,

    a única coisa que posso fazer é sugerir que visite o wikipedia e de uma vista de olhos nas definições de agitprop e relações públicas. agitprop refere-se a uma actividade essencialmente política. as relações públicas são coisa mais vasta.

    n percebi se me está a acusar de ser astrólogo, de ter duas medidas etc.

    eu nunca fiz uma única previsão. não ando na meteorologia.

    todavia, se encontrar um texto onde eu faço uma “previsão”…

    seja directa e n diga mentiras: quais são os dois pesos, marilu? quem é que acredita nas minhas “previsões”? n percebo a sua inquietação, Marilu.

    diga lá o que pensa em Português suave.

    cumps
    ezequiel

  16. isto é o território e o mundo, não?

  17. Andre diz:

    Se os Estados Unidos têm a bomba atómica porque é que a Coreia do Norte não pode ter? Tenho a mesma confiança na sensatez do governo americano em matéria de direitos humanos, sobretudo no que toca a outros países, que tenho no da Coreia do Norte. E olhem que exemplos históricos não faltam.

    Ainda está para vir o dia em que um pequeno grupo terrorista ou um país paupérrimo consiga cometer as atrocidades que os países ditos desenvolvidos já cometeram ao longo da história. Se calhar só mesmo com a bomba atómica. Haverá exemplo maior de igualdade (dessa de que fala o liberalismo) do que possibilitar aos países mais pobres e menos desenvolvidos a capacidade de fazer tanto mal ao mundo como os outros?
    É certo que a nós ainda os incentivamos ao genocídio em África (continente em que os EUA nunca estão preocupados em intervir, pelo menos para melhor) mas isso não chega! Liberdade no acesso ao armamento nuclear já!

  18. Carlos Vidal diz:

    Está e estará marcadíssimo.

  19. Talvez seja a Marca Amarela do Jacobs.
    Esta Kiki é do cacete, tambem gosto da Roberta dos Ídolos.

Os comentários estão fechados.