A imprensa cor-de-rosa gosta de pluralidade de opinião, desde que não saia do estábulo

Como símbolo da pluralidade da imprensa, e como contraponto ao DN, é frequentemente apontado o Correio da Manhã. É nesse “último reduto da pluralidade”, que acompanho com sádico interesse as crónicas de António Ribeiro Ferreira, que dia sim dia não, discorre uns quantos caracteres a enlamear Sócrates, trazendo-o para o nível de combate político onde podem demonstrar mútuas habilidades.
Uma aventura fora do tema para desancar nos monstros que comem criancinhas ao pequeno almoço, motivo-o a escadeirar um “jovem” eleito deputado na sua Assembleia da República por ter no desktop uma imagem que a sua cultura histórica atribuía ao “célebre assalto ao Palácio de Inverno”:

No Avante subentende-se que esta crónica só retrata o Inverno (ou será deserto?) da cultura de quem opina, corrigindo o momento histórico a que se reporta. Mas não se preocupe António Ribeiro Ferreira isto deve ser apenas mais uma tentativa comuna de manipular a História. Com esta estória, o seu lugar de culto opinador até sai reforçado.

http://www.correiodamanha.pt/imgs/ca967162-b341-4feb-88dd-fecb0766bf67_738D42D9-134C-4FBE-A85A-DA00E83FDC20_0DE01541-996E-45B6-9D46-EEC329BCC0CA_img_detalhe_noticia_pt_1.jpg
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a A imprensa cor-de-rosa gosta de pluralidade de opinião, desde que não saia do estábulo

  1. Aristes diz:

    Nem todos os reaccionários são burros, mas a maioria, como este Ferreira, de facto acumula.

  2. Pingback: cinco dias

  3. Antónimo diz:

    Ribeiro Ferreira, enquanto directro-adjunto do DN, levou-me a deixar de lhes comprar o jornal, já que foi na altura dele que se sanearam jornalistas próximos do PC e do BE que lia com agrado.

    Tem uma filha que foi ou é assessora de imprensa do CDS na AR e alguma coisa terá também da alma de assessor. Enviado especial à invasão do Iraque, exultou banhando-se no Eufrates, símbolo do novo país livre. Se num lado o José Manuel Fernandes se emocionava com a queda da estátua de Saddam, que comparou a um novo 25 de

  4. Antónimo diz:

    Se no Público o José Manuel Fernandes se emocionou com a queda da estátua de Saddam, que comparou a um 25 de Abril Oriental, este Ribeiro Ferreira preferiu saudar Bush, Blair, Aznar, Barroso e Portas.

    Ainda o faz, onde o pode.

  5. Antónimo diz:

    Era também curioso ver os números de venda que o DN atingiu no seu consulado, ele que tanto é pelo mercado.

  6. Pingback: cinco dias » Uma simples citação, e um nosso dever

Os comentários estão fechados.