E quem mandatou o PS para discriminar?

“Sócrates impõe voto contra a adopção por casais gay”

lol, isto significará que não é contra a adopção por casais “lésbicos”? Nãããã. O PS lembra que a adopção (ou os nossos filhos), não vêm no seu programa eleitoral. Resta saber quem mandatou o PS para introduzir uma nova discriminação na Lei de adopção. Já o PCP fala no seu programa em eliminar “todas” as discriminações em função da orientação sexual, a formulação parecia generosa, mas afinal o PCP é contra a adopção. Apesar de ser em primeiro lugar discriminar as crianças, não deixa de ser em função da orientação sexual dos pais ou adoptantes… E o Bloco não se decide sobre a importância destas temáticas e usa sobre os direitos das pessoas transexuais o argumento do Cavaco e do João Jardim sobre o casamento, o de que é preciso é discutir é “o que é importante para o país”. O desemprego: experimentem mudar de sexo e arranjar emprego sem mudar de documentos.

Estou cansado. Estou zangado. Bardamerda para a política das prioridades.

O Parlamento fede, e a lógica eleitoral despolitiza. Estou farto de partidos e de políticos profissionais e da sua (i)lógica quando se trata das vidas das minorias. Não é importante para quem? E nós, somos parte do país?
Tive o juízo de recusar ser candidato à Assembleia da República nas últimas eleições. Não faço julgamentos sobre outras ideias quanto a isso. Para mim, a maior responsabilidade é permanecer DESTE lado.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

16 respostas a E quem mandatou o PS para discriminar?

  1. Carlos Vidal diz:

    Sérgio, toda a razão na tua pergunta – decisiva e fulcral (e ratrato do PS perigoso e mistificador): ninguém mandatou o PS para descriminar e opostunistamente ele descrimina. às claras e sem pudor. Resta saber quem se deixará enganar, calar e falar por falar sem dizer nada (como MVA, peço desculpa por fulanizar, mas tem de ser). Os jugulentos, calam, claro. Julgo que o PCP não á favorável à adopção, eu que apoio o PCP sou naturalmente favorável à adopção (e nem me agrada discutir isto com opositores – não é tema de discussão, é uma obviedade). Mas, atenção, os “Verdes” (e alguma ligação esta sua vontade tem ao PCP) abrem tal “porta”. Do Bloco, neste momento, sei pouco quanto a isto. Mas enquanto partido a caminho da “governação responsável” não é de esperar nada de bom.
    Cumps.
    CV

  2. Carlos, o Bloco e Os Verdes são ambos favoráveis à adopção. São os únicos coerentes nessa matéria específica, o BE já desde a discussão das Uniões de Facto em 2001 e Os Verdes desde esta legislatura. Isso não apaga a crítica que faço ao trio PS, PCP e Bloco: gostava que o louçã fosse arranjar emprego com um BI de mulher, que o Jerónimo olhasse nos olhos umas crianças que conheço e lhes dissesse a elas que elas ainda têm de ser muito debatidas na sociedade, e gostava que o PS perdesse nas próximas eleições o voto gay que sei que teve nestas.

  3. Carlos Vidal diz:

    Sérgio, os “Verdes” agem num contexto a que pertence o PCP. Não creio que a CDU abra brechas por causa de diferentes posições entre o PCP e os Verdes. Não tenho acompanhado as discussões em marcha em todos todos os momentos, mas não creio que o PCP votasse contra uma proposta de lei dos Verdes.
    De resto, o PCP é frontal, o PS é calculista (aliás, é SÓ e APENAS calculista – e nisto concordamos, suponho: o PS está-se nas tintas para o casamento entre pessoas do mesmo sexo, como aliás já o demonstrou o ano passado).
    Abraço
    CV

  4. zé neves diz:

    sérgio, estou contigo. (e acho que o carlos também). a posição do ps é indesculpável mas é expectável. o discurso do bloco é uma desilusão porque não era expectável. o pcp deveria assumir a mesma postura que os verdes.
    o mais interessante é que, parece-me, todos laboram sobre o mesmo pressuposto (e mesmo que fosse verdadeiro não era razão para terem as posições que têm): os homossexuais são todos intelectuais, artistas e outros que tais, o que torna imaginável a “descoincidência” entre questão económica e questão lgbt. Um pouco de economia política, um pouco de economia moral, seria o suficiente para não se limitar a economia ao entendimento cavaquista da economia.
    abç

  5. fcl diz:

    Caro Sérgio,

    100% de acordo. Mas n desistas da luta, precisamos de ti, hehe! Aqui vai 1 grato abraço

    Frederico

  6. fernando rosa diz:

    Caro sérgio concordo plenamente. Mas também não creio que alguém no espectro político vá mudar as posições que tem defenidas nesta altura. Aos que nada podem, so podem mesmo ter voz, ou escrita, e continuarmos. Já agora gostei de te ver no Expresso da meia noite, muito bem como sempre.

  7. “Tive o juízo de recusar ser candidato à Assembleia da República nas últimas eleições. Não faço julgamentos sobre outras ideias quanto a isso. Para mim, a maior responsabilidade é permanecer DESTE lado.”
    – Muito poucos recusariam a proposta;
    – A tua Luta, sim, é radical e consequente;
    – Parabéns.
    E como diz fernando rosa, meteste-os no bolso, até o do PS, que parecia ter muito traquejo político.

  8. Renato Teixeira diz:

    É uma pena que a política seja a “arte” (cada vez menos artistica é verdade) do possível ao invés de ser a arte de tornar possível o impossível. Não há paciencia para que meia dúzia de barões iluminados advogem a consciência média das pessoas para deixarem de fazer o que se comprometeram a fazer. Nesta e em tantas outras temáticas da vida. Parabéns também pelo juizo.

  9. Espero que o Partido Comunista, fazendo juz às suas tradições e à moral comunista como muito bem o Dr.Álvaro Cunhal explicava, vote contra o projecto do PS socrático sobre «casamento gay».
    Os trabalhadores, operários, os agricultores, pescadores e bem assim todas as forças sociais que apoiam o PC não comprenderiam que um assunto que só interessa a 0,5% da população viesse a ter a aprovação do grupo parlamentar do PC e ainda por cima para ir ao encontro do projecto de poder pessoal do Primeiro-Ministro, e que vai ficar na História como o PM mais incompetente, arrogante e reaccionário desde o 25 de Abril.
    A moral operária não se compadece com palhaçadas pequeno-burguesas!
    Os eleitores do PC não se revêm no projecto de lei do socretino respeitante ao casamento gay.
    Vamos ver se o PC vai a reboque do PM e a toque de caixa do torquemada da esquerda, um tal de louçã.

  10. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Sérgio, segundo li no Jugular , a dona da luta dos LGBT excomungou as pessoas que pensam que a lei do PS não é boa. Parece que só pessoas que, como tu, apareceram, segundo me garantiram, muito recentemente neste combate não percebem as maravilhas da disciplina de voto, ordenada pelo sr. engenheiro. Acho mal tanta cegueira.

  11. sérgio vitorino diz:

    Aparentemente grassa no jugular um problema de falta de memória crónica. Como por altura do 1º de Maio de 74 (presumo que seja dessa data o século ilustrado da Ana Vidigal), as manifestações homossexuais (que as houve) eram corridas à pedrada (que foram), as fotos são poucas, mas por acaso até as tenho (vivam os arquivos históricos que nos aliviam o desgaste das células cinzentas). O arquivo também lembra como a reivindicação do casamento é tema do movimento LGBT desde 1991 (ainda não havia ILGA…), e, porque abarca até aos dias de hoje e é exaustivo, identifica dezenas de pessoas e movimentos associativos que têm batalhado consistentemente por esta questão – pois é, os documentos da memória histórica, nem sempre correspondem à nossa percepção subjectiva dos tempos que vivemos, e à distância as fábulas são sempre mais bonitas. Felizmente, há memória histórica e material arqueológico para a fundamentar, ou não haveria história nem memória.
    Quanto ao essencial da revolta das jugulares, como não vivemos na Bélgica nem em Espanha, “adopção depois” significa esperar 10 anos (e, e…), e “adopção silêncio” significou até agora a tentativa de silenciar um movimento social que precisa de começar a trabalhar já (ontem) as questões da parentalidade.
    Quem ache que não é o momento e está disposto a esperar dez (?) anos, claramente não faz parte de um casal gay e lésbico que tenha feito um projecto de família que incluiu crianças. Essas, daqui a 10 anos, estão crescidas e um dos seus pais continuará com uma relação parental fora-da-lei. O PS que se entenda com elas nessa altura, e explique porque é que em 20 anos ainda não evoluiu para conseguir assumir o fim de uma discriminação sem este modo envergonhado de quem tem de justificar ao país que somos contra esta discriminação, mas não muito: “Afinal, estamos só a discutir casamento”. Claro, nem outra discussão é ou será possível com este PS. Já eu gostava que o outro tema, o da adopção, se resolvesse nesta geração e não nas próximas.

  12. Antónimo diz:

    O que grassa no Jugular é hipocrisia, presunção, falta de educação, convencimento, ignorância, mania das superioridades, narcisismo, arrogância, vaidade, seguidismo, egocentrismo, censura, desprezo e falta de respeito pelo Outro, falta de urbanidade e de convicção democrática. Claro que há excepções, mas não nos mais evidentes donos da coisa.

  13. antónimo diz:

    António Monteiro, Veja se não generaliza. Sou habitualmente eleitor do PC e não me revejo é neste adiar da adopção preconizado pelos comunistas. Valha-nos o Bloco e os Verdes. Nem eu nem muitas pessoas com que me dou e que votam PC.

  14. Sergio, tem toda a razão. O PS elimina uma discriminação e cria outra em relação à adopção, discriminação essa que já existe, há mais de 10 anos, na lei das uniões de facto. Mas acredito que o casamento é a primeira batalha vencida…a adopção será a próxima, certamente… quem luta por direitos, e o sergio faz essa batalha diariamente e de uma forma louvável e admirável, sabe que as conquistas são, vão sendo, adquiridas uma a uma… tem toda a razão naquilo que diz, estas crianças existem, já hoje, e é a elas que estamos a discriminar, com este projecto-lei do casamento entre PMS sem adopção. Mas isso vai terminar, tenho a certeza que sim. Quando?? Brevemente espero eu… a luta da adopção e a luta dos direitos das crianças em terem uma familia que as eduque, ame e lhes garanta um futuro melhor, essa luta começa no dia 9 janeiro de 2010.

  15. sérgio vitorino diz:

    não nuno, já começou. 🙂

    boas festas

  16. Justiça, Lei e Paz diz:

    Parabens por este POST! Vamos ver se Portugal alguma vez da dignidade e uma vida digna a comunidade Transexual deste País! Essas pessoas são cobaias no mais aqui neste país estando a merce de meros Dr´s. O judiciario nada mais ajuda tambem…. Direitos Humanos, OH SIM SENHORES TALVEZ LA FORA MAS AQUI É SO IGREJA, POLITICA e GOVERNO com a sua panelinha! e depois falamos em paz e fraternidade….. Tudo em um colapso e superficialidade da verdadeira realidade vivida aqui dentro deste País!

    Em Portugal muito se fala sobre uma Lei de Identidade de Genêro, mas ainda nada se fez…. O que adianta a Carla Antonelli dar a cara e vir falar a Portugal! Nada.. A ignorancia, hipocrisia, discriminação, preconceito continuam e ninguem vê e faz nada para que isso melhore! Pessoas Transexuais são obrigadas depois de um processo clinico moroso (no caso do estado) de recorrerem ao tribunal (caso tenham muito dinheiro (única maneira é uma ação contra o estado), queiram ser humilhadas, discriminadas e ridicularizadas, etc), para pedir (que no final é um direito consagrado) sua mais plena dignidade em forma de uma identidade digna de um cidadão (ver reconhecido o seu nome e sexo)! Não adianta escrever mais, porque ninguem faz nada… fala-se e vira-se sempre aguas de bacalhau! O melhor que se têm de fazer é arrumar documentos falsos, se pretende viver neste país… Porque na via judicial correcta não se consegue é nada… e depois ainda se vêm no direito de dizer la para fora que aprovam e dão direitos a pessoas transexuais como nos! Aonde? Deviam é ficar muito calados e quietos para não passar mais vergonha la fora…. ou então fazerem alguma coisa realmente de vez… A maioria do povo não sabe ,mas ainda assim respeita os transexuais! Mas pouco podem fazer para nos ajudar, sendo sempre a mesma desculpa… Não existe Lei!… Quem pode, é ignorante e não quer faze-lo de proposito! Mais vale fazer que essas pessoas não existam do que dar dignidade e um direito a vida plena e contributiva a sociedade…. Mais vale passar a ideia que são todas prostitutas ou toxicodependentes… Os engenheiros, advogados, medicos etc não podem ser transexuais, porque deviam então tambem ser prostitutas… Pergunto então, para que assinam a Onu e Amnistia Internacional na categoria da Identidade de Genêro, ao lado da Espanha, Inglaterra, Alemanha e etc..? So para aparecer la fora bonitos?.. e a porcaria e a mentira aqui dentro do país? Nós ficamos anos a espera de decisão de juizes (a maioria completamente ignorantes no assunto) que nem sempre são favoraveis, então remetendo essas pessoas a marginalidade da sociedade! So quem realmente sabe é quem sofre na pele neste país diarimente com a falta dessa lei! É URGENTE uma Lei de Identidade de Genero em Portugal, e a ONU como outras Organizacoes devem monitorar estados membros que essa Lei para o bem das minorias seja implementada! Quando é que se vai ter dignidade neste País? Direitos Humanos? Liberdade? Sim pode ser mas muito longe de Portugal… Aqui quem dita é o homem branco, heterosexual, machista… Mulher so para ter filhos, despedida, atormentada e escurraçada.. E depois falam de baixo indice de natalidade! Mulheres são seres racionais tambem e sabem pensar… Quem quer ter filhos nesta nossa sociedade? Tudo tão ironico, nojento e irrisorio! Minorias nem se falam porque não existem… A Igreja apoia a desigualdade de generos, apoia discordia… Logo depois Natal fala-se de paz e amor ao proximo! Nos politicos, só o importante é a corrupção! Parem um pouco de faze-la senhores ministros e dêm direitos dignos de vida ao povo Português…. Depois podem de novo resumir a ela!
    Bem podemos ver que o País ta cada vez melhor… Jovens corram daqui e não voltem…..

Os comentários estão fechados.