No Berlusconi Day

Da organização:

Berlusconi é uma anomalia muito grave no contexto das democracias ocidentais, como tem vindo a ser divulgado nos últimos dias pela imprensa estrangeira, que define a democracia Italiana como “uma ditadura”. Berlusconi, na verdade, nunca deveria ter ascendido a Primeiro-Ministro devido ao enorme poder que possui sobre os media em Itália e à constante tentativa de aprovar leis no Parlamento que violam a Constituição -caso da Lei Alfano- e que lhe servem de abrigo a diversos problemas judiciais.
Não podemos ficar indiferentes perante as iniciativas de um homem que está a manter o nosso país como refém por mais de 15 anos e cujo conceito de Estado e a sua posição nele, torna-o hostil para com todas as formas de livre expressão, como tem sido demonstrado pelos ataques contra a imprensa, a sátira e a Internet nos últimos meses. Berlusconi tem que se demitir e defender-se como qualquer cidadão perante os Tribunais da República das acusações que lhe foram feitas.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

15 respostas a No Berlusconi Day

  1. jorge diz:

    Mas,o homem é um empresário de sucesso e os países podem beneficiar com o know-how destes investidores.Se eles são bons para eles,também podem ser para o seu país e concidadãos.Tudo o resto,é a inveja lusa a falar.A Itália vai ficar muito rica,grasas aDeus!

  2. Luís Gonçalves diz:

    Acho incrível! Em que é que o Sócrates é menos do que Berlusconi? Já é má vontade!

  3. Diogo diz:

    E se não for a bem, que seja à força.

  4. António Figueira diz:

    Por que é que este cartaz está escrito em inglês? (“Politics free demonstration” parece-me uma boa piada, but nevermind).

  5. Este cartaz é para rir, não é?
    Um cartaz escrito em INGLÊS a convocar para uma manifestação em PORTUGAL, a pedir a demissão do Primeiro-Ministro de ITÁLIA!

    AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH

    Se querem alguma coisa de útil tirem o nome do Il Cavalieri e ponham lá o do Animal Feroz (O resto pode ficar que serve como uma luva)

  6. Carlos Fernandes diz:

    Io sono contro Berluconi in Italia e Pinto de Sousa in Portogallo, mi dispaciacono quei uomini che usano la politica per sviluppare non il suo paese , mas loro conto bancaria personale…

  7. LAM diz:

    Ou somos europeus ou não somos europeus. Ou só somos europeus para os tratantes assinarem tratados?

  8. Manif sobre o Berlus sem bailarinas, parece-me incompleta.

  9. rui david diz:

    espero que lá apareçam os nossos deputados europeus cujas maquinetas de votar se estragaram numa votação há umas semanas atrás. a não ser que nesse dia percam os sapatos, ou as perucas, ou…

  10. The Studio diz:

    ” Um cartaz escrito em INGLÊS a convocar para uma manifestação em PORTUGAL, a pedir a demissão do Primeiro-Ministro de ITÁLIA! ”

    Genial !! Ainda para mais esqueceram-se que o nosso Primeiro Ministro é… o José Sócrates !

  11. Tiago Mota Saraiva diz:

    António, a “politics-free demonstration” é fantástica. Uma manifestação sem politica é o mesmo que uma feijoada sem feijão.
    Em inglês para português ler e para italiano participar, tentemos não ser mauzinhos pois podemos ter de fazer brevemente uma coisa parecida.
    Respondo-te dizendo que a luta não tem fronteiras e a classe operária fala todas as línguas.

  12. A politics-free demonstration means that there will be no politicians using this movement for their political benefits. It’s a citizen demonstration for democracy. Perceberam ou tenho que escrever em Italiano?? Non sottovalutate Berlusconi: quello che sta succedendo in Italia può succedere anche qua!!! Portanto…participem!

  13. Tiago Mota Saraiva diz:

    Pinco Pallino é bom que os políticos italianos se aproveitem desta manifestação para ganharem as eleições e correrem com a tríade Berlusconi-Fini-Bossi. É bom que os políticos italianos percebam que se têm de constituir como uma alternativa de ruptura política válida e não em governos cinzentos, amorfos e inoperantes. De resto, non sottovalutare Socrates, caro compagno…

  14. José Mexia diz:

    Concordo com esta iniciativa, mas não vou poder ir.
    Quando houver o “No Chavez day” ou o “No Raoul Castro day”, avisem-me.

Os comentários estão fechados.