Deixa a chuva cair

Sentado no sofá, com uma almofadinha de cor indefinível a aconchegar-me as costas, penso no problema da falta de vitalidade da vida contemporânea. Estou pronto para uma mudança radical. Qual é a tecla do telecomando? São possíveis filhos adoptivos da classe operária, mas fofos? Onde pára o proletariado? Sendo obrigado a ver o Gossip Girl, pela minha acompanhante, parece-me claro que o pior de tudo não é os ricos terem-nos fodido a vida, é obrigarem-nos a assistir aos seus sonhos pueris. Provavelmente, nem são deles, pertencem a algum betinho da Musgueira. Gosto desta passagem de Shakeaspeare (Macbeth, 3º acto, Cena 3) em que Banquo sai do castelo, acompanhado pelo filho, e comenta para uns homens que se encontram no exterior, que a chuva vem aí. Obtém como única resposta uma lámina a rasgar o peito e uma frase curta: “Deixa a chuva cair.” Parece-me uma mudança simpática. Na vida, pior do que as algemas são as almofadas.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 respostas a Deixa a chuva cair

  1. António Figueira diz:

    Magnífico! (you’ve managed to encapsulate the void)

  2. xatoo diz:

    o proletariado pirou-se para a China, e está a caminho do emburguesanço; já experimentáste retirar o som aos filmes e ligar o leitor de cd com música clássica, p/e a Internacional? é de efeito seguro. Por outro lado anda por aí uma caricatura do Obama com um casaquinho à Mao, o Graham Vick usou o mote; pode-se fazer um poster da cena e pô-lo atrás do ecran, assim a modos como o João Cesar Monteiro fez no Vai-eVem quando colocou um Caralho e uma bandeirinha americana na mesa de cabeceira…

  3. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Neste momento, oiço 2 pac a altos berros, para limpar os resquícios do Gossip Girl

  4. tocante, a tua leftie midlife crisis.

  5. “leftie midlife crisis”, é muito bom.

  6. Post muito fofo mas excessivamente dicotómico, está a escapar-te a síntese hegeliana (almofada & algemas). Stay away from those knives and Gossip Girls, though, e sobretudo não ouças os Operários do Natal que o Tiago postou, quem não chorar com a música do Lenhador é um monstro.

  7. Morgada, desejo para cada lenhador a sua Lady Chatterley. É só por isso que uivo. Sempre destestei aquele disco que o Tiago gosta. Idades.

  8. És um monstro sem sentimentos.

  9. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Mas fofo. É muito irritante toda a música para crianças, sobretudo aquela que pretende ter uma mensagem social. A única canção que se fez de jeito para esse público foi esta versão: http://www.youtube.com/watch?v=_E2OTs_QS90
    Recomendo-te vivamente.

  10. “Quem abate o pinheiro do Nataaal / É alguém que trabalha e ganha maaal!” (eat this, Noddy).

  11. Nibito ;) diz:

    Gosto muito do teu texto, dos apartes nos comentários e dos próprios comentários. Quanto ao texto lamento que seja tão curto. O final está confortavelmente seguro. O tema, o ritmo, as imagens (até mesmo as emprestadas do poeta floeril inglês), tudo muito bem composto. Mas a velocidade, a que cada imagem surge, é travada num súbito final. De repente dá vontade de ter mais para ler.

Os comentários estão fechados.