Melhor, muito melhor do que a velha e eficaz injecção letal atrás da orelha

«Porque leva um saco de bananas, perguntava um jornalista português em reportagem durante a Queda do Muro. “Para os meus filhos. Nunca viram bananas”, foi a reposta do habitante de Berlim Oriental.»
(Miss Pearls)

Ora, eu também não. Eu nunca vi uma banana, quer dizer, não uma ou outra, mas a “bananalidade” de uma banana.

E hambúrgeres, alguém por acaso alguma vez viu algum? Também não? O que é, como se faz, berlinenses? (Agora já todos sabem o que é, não é??)

(O Warola também vos mostra!!)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

10 respostas a Melhor, muito melhor do que a velha e eficaz injecção letal atrás da orelha

  1. Isabel G diz:

    Olá Carlos Vidal,
    Dezenas e dezenas de posts sobre o Muro de Berlim e foi logo sobre o meu modesto blog que arrancou um pedaço de post:)

    Isabel

  2. Carlos Vidal diz:

    Ah, frequenta este lugar infecto e irrespirável ?…………

  3. Isabel G diz:

    Ora, ora, deixe-se lá de modéstias:)
    Isabel Goulão

  4. Carlos Vidal diz:

    Oh, Isabel… e sente-se bem aqui?
    É que nós, por força do comunismo, não comemos bananas, não podemos nem vê-las.

  5. Isabel G diz:

    Não se preocupe comigo.
    E depois, isto é só um blog:)
    Tenha uma boa noite, Carlos.

  6. clara diz:

    n comem bananas mas blogam e escrevem o que querem [incluindo mal do vosso/nosso governo] num espaço “público” como este. coisa que nem todos os chineses [comunistas ou não] podem dizer.

    a liberdade de poder comer bananas [ou não] é tão bonita como a de poder escrever os posts q nos apetece, n acha?

  7. zé do boné diz:

    A Liberdade.
    -O que é isso da Liberdade.
    -A única que conheci vendia bananas e outros frutos no Bolhão, sem sabre ler nem escrever.

  8. Natália Santos diz:

    Tem graça! Como eu compreendo aquela ânsia pelas bananas. Sabiam que nos anos 1950/ princípios da década de 1960,em Portugal, as bananas eram quase um bem de luxo ?
    Ainda me lembro de ir, em miúda, de vez em quando , num estado de felicidade imensa, a casa da minha madrinha, que era uma “senhora” e que !milagre! tinha bananas na fruteira e me dava uma!

  9. zé do boné diz:

    -Eu cá não tenho de me queixar, sempre havia uma mercearia fina, onde a malta gamava a fruta que queria.- Uvas colhão de galo , bananas, ananás – por vezes também comíamos comida de urso na esquadra da Avenida … mas valia a pena.

    – Isto sempre depois de encher-mos o bandulho de sopa da legião e casqueiro mais óleo de fígado de bacalhau.

    -A seita do manel hilhufa, quando entrava em acção era o terror das furtarias e afins.

  10. ezequiel diz:

    le affair Banana.
    de
    Alain Chevalier

Os comentários estão fechados.