Uma questão de transportes, 4.2

“Na história das motas, a tua prudência tem um nome: tu sofres de uma doença ainda sem cura chamada velhice: por outras palavras, tu estás velho. Tu já te ouviste falar? Tu dizes ‘no meu tempo’, sabes quem é que falava assim? Lembras-te? Tu estás pronto para te juntares aos teus queridos antepassados, aliás, tu és um antepassado, tu és o meu antepassado! (não, não és nada…”, riso maligno, beijinhos & abraços ternurentos, protestos de amor filial).

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

Uma resposta a Uma questão de transportes, 4.2

  1. Cruzamento de parêntesis com aspas razoavelmente inovador para um antepassado (na senda dos parêntesis inaugurados pelo maradona (que revolucionou as convenções gráficas do género, como a história da blogosfera (quando ela encontrar o seu Oliveira Martins não deixará de assinalar))).
    Com protestos de amizade & votos de boa viagem,
    m.

Os comentários estão fechados.